Santander continua a liderar reclamações da CMVM

Santander é o banco mais reclamado pelos investidores, segundo a CMVM. Mas o que mais aumentou o número de reclamações foi o BPI.

Cristina Bernardo

O Banco Santander Totta continua a liderar em número de reclamações recebidas em 2018. Como banco mais reclamado do ano contou com 80 reclamações, o que traduz-se, ainda assim, numa queda de 32,8% face a 2017.

Segue-se na lista dos mais reclamados o BCP com 58 reclamações, mas também menos 54% do que em 2017. Já em terceiro lugar surge o Novo Banco com 50 reclamações (-35,1% face a 2017).

O BPI aparece em quarto lugar com 45 reclamações. É no entanto o que mais sobe em número de reclamações. Teve mais 32,4% que em 2017.

A restante lista é composta pelo Bankinter com 27 reclamações em 2018, mais 92,9% do que em 2017.

Segue-se o Deutsche Bank, sucursal em Portugal, com 26 queixas dos clientes, ainda assim menos 31,6% do que no ano anterior.

O Best, banco online do Novo Banco, e o Banif surgem com 15 reclamações cada, menos 75% e 97,4%, respetivamente.

O Banco Montepio teve 11 reclamações em 2018, menos 69,4% do que em 2017.

Com oito reclamações surge o ActivoBank, menos 33,3% que em 2017.  Com seis reclamações surge o Barclays Bank, sucursal em Portugal, e com 5 reclamações cada estão os Banco Invest; BBVA e BIC.

A Orey Financial e o Santander Totta Seguros seguem-se com quatro reclamações cada.

A Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) recebeu 462 reclamações em 2018, o que representou uma diminuição de 67% (menos 922 reclamações) face ao ano anterior. Estas 462 novas reclamações de investidores foram apresentadas contra 49 intermediários financeiros.

Ler mais
Recomendadas

Bankinter e COSEC assinam protocolo de distribuição de seguro de créditos

O objetivo é permitir às empresas a gestão do risco de crédito em condições mais seguras, cobrindo os prejuízos decorrentes do não pagamento das vendas a crédito de bens e serviços em Portugal e no estrangeiro.

BdP: empréstimos às empresas cresceram em outubro

Já quanto aos empréstimos a particulares, o BdP diz ter registado uma variação de 6,9% em outubro, quando em setembro registara uma taxa de variação de 7,2%.

BCE mantém as exigências de capital ao BPI para 2020

Aí estão os requisitos de capital que o BCE impõe ao BPI para 2020 em função da qualidade do seu balanço. Estes requisitos implicam que o patamar mínimo de CET1 a partir do qual o Banco BPI teria restrições, em 2020, às distribuições de dividendos, é de 9.38%. O BPI tem um rácio de capital core de 12,7% a 30 de setembro deste ano.
Comentários