Saragoça da Matta promove três associados a sócios

Conceição Pinto Rosa, Nuno Arêde de Carvalho e Bruno Soares Ferreira juntam-se a Paulo Saragoça da Matta e Mário Silveiro de Barros, sócios fundadores.

A sociedade de advogados Saragoça da Matta & Silveiro de Barros (SM&SB) vai passar a ter cinco sócios. O escritório fundado em Lisboa há quase 20 anos anunciou recentemente a promoção de três dos seus associados, que se juntarão a Paulo Saragoça da Matta e Mário Silveiro de Barros no leque de ‘partners’.

A fiscalista Conceição Pinto Rosa, o penalista/constitucionalista Nuno Arêde de Carvalho e o administrativista Bruno Soares Ferreira passarão a ser sócios contratados da SM&SB. “É com enorme alegria que tomámos esta decisão de amadurecimento, apenas possível pela confiança com que os nossos clientes nos têm distinguido”, refere a firma.

A SM&SB – que se assume como uma sociedade “de nicho” focada na área da criminalidade económico-financeira e das contraordenações da regulação económica – conta com uma equipa de 12 profissionais, dos quais uma consultora.

Recomendadas

PremiumDeloitte vai quase duplicar soluções na “App Store fiscal”

Os programadores da consultora irão, até ao final do ano, desenvolver mais aplicações móveis para automatizar os processos fiscais das empresas.

Operação Lex: Ordem dos Advogados vê com “grande preocupação” viciação do sorteio de processos em tribunais

A Ordem dos Advogados vê com “grande preocupação” a possibilidade de viciação do sistema electrónico de distribuição de processos nos Tribunais portugueses e apela a que o Conselho Superior de Magistratura assegure que este tipo de práticas “não poderá repetir-se”, depois de notícias que dão conta de que o ex-presidente do Tribunal da Relação de Lisboa, Vaz das Neves, foi constituído arguido no processo Operação Lex, por aquele tipo de suspeitas de viciação.

PremiumNuno Faria: “Negócios entre Portugal e Irão estão em ponto morto”

O advogado Nuno Pinto Coelho de Faria realça que a escalada das tensões no Médio Oriente travou contactos “muitíssimo evoluídos” no setor farmacêutico.
Comentários