Sata/Privatização: Concurso anulado após divulgação de documentos que causaram “sério dano”

Em causa está a divulgação de documentos que indicam que não havia uma proposta formal dos islandeses da Icelandic para comprar 49% da Azores Airlines. O Governo dos Açores disse que deu indicações ao conselho de administração da SATA para anular o presente concurso e preparar o lançamento de um novo concurso com o mesmo objetivo.

O concurso de privatização de 49% da Azores Airlines foi anulado depois da divulgação de documentos que causaram “um sério dano ao grupo SATA e aos Açores”, referiu esta sexta-feira o governo açoriano.

Em nota de imprensa, o Governo dos Açores diz que “decidiu dar orientações ao conselho de administração do grupo SATA para anular o presente concurso público de privatização de 49% do capital social da Azores Airlines e preparar o lançamento de um novo concurso com o mesmo objetivo”.

Em causa estão notícias da RTP/Açores, citando documentos privados da comissão de inquérito do parlamento açoriano ao setor empresarial público, indicando que não havia uma proposta formal apresentada pelos islandeses da Icelandic, única entidade qualificada para a segunda fase da alienação, antes o intuito de abrir um período de negociações com a SATA.

Esta manhã, a secretária regional com a tutela dos Transportes, Ana Cunha, disse aos jornalistas que havia uma proposta formal da Icelandic para a compra de 49% da Azores Airlines e não apenas uma carta pedindo o abrir de negociações.

Recomendadas

Simulacro na Madeira testa capacidade de resposta de plano de emergência

O cenário foi um incêndio num laboratório. O simulacro contou com a participação do Serviço Municipal de Protecção Civil do Funchal e com os Bombeiros Sapadores.

FEDER vai dar mais apoio às Regiões Ultraperiféricas

O Parlamento Europeu votou favoravelmente a passagem da taxa de cofinanciamento para as RUP de 70% para 80%.

Assembleia da Madeira aprova subida do salário mínimo regional para os 615 euros

O diploma foi aprovado pelos deputados do PSD, CDS-PP, JPP, PS e BE e a abstenção do PCP, PTP e deputado independente.
Comentários