Saúde. Privados investem 750 milhões de euros na criação de 19 hospitais até 2020

O grande reforço da oferta privada é em Lisboa e no Porto. Mas também há uma aposta em novas regiões como na Madeira, Açores, Vila Real ou Viseu, de acordo com o presidente da Associação Portuguesa de Hospitalização Privada, Óscar Gaspar.

Empresas com negócios na área da saúde preparam-se para criar 19 hospitais privados em Portugal até ao final de 2020, num investimento total de 750 milhões de euros, de acordo com o noticiado pelo “Diário de Notícias” (DN) esta sexta-feira, 2 de agosto. Atualmente, num universo de 225 hospitais existem 114 unidades privadas no país.

O jornal da Global Media escreveu que vive-se um momento de confiança no setor privado da área da saúde devido, em parte, à “descrença no serviço público”. No último iniciaram operação oito unidades hospitalares e até ao final do próximo ano está prevista a abertura de mais cinco unidades, sendo que há ainda três projetos  de hospitais privados sem data de abertura prevista.

A criação de 19 novos hospitais traduzem-se no reforço da oferta nas grandes cidades, como em Lisboa ou no Porto. Mas também há uma aposta em novas regiões como  Madeira, Açores, Vila Real ou Viseu, de acordo com o presidente da Associação Portuguesa de Hospitalização Privada, Óscar Gaspar, citado pelo DN.

De acordo com dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), o Serviço Nacional de Saúde (SNS) assegura ao dia de hoje mais de 80% das urgências e mais de 70% dos internamentos e cirurgias. Contudo, são as unidades privadas que registam maior crescimento, segundo os mesmos dados do INE.

Recomendadas

Cuidadores informais e pessoas cuidadas com informação online a partir de hoje

Da informação disponível para os cuidadores e pessoas cuidadas, surgem vídeos, manuais, relatórios e aplicações para smartphones bem como ofertas informativas “que contribuem para facilitar e ajudar tanto os cuidadores como as pessoas cuidadas”.

Nova Iorque suspende venda de cigarros eletrónicos com sabor

A venda destes produtos está proibida por 90 dias e serve como uma lei de emergência até os EUA chegarem a um consenso político sobre o passo a seguir.

Desnutrição: “Estamos a esconder uma realidade dentro dos lares”

A desnutrição obriga a internamentos sucessivos e agrava a qualidade de vida dos doentes, explica o Dr. Aníbal Marinho, em entrevista. O médico internista do Hospital de Santo António alerta que é importante saber o que se passa nos lares.
Comentários