Schroders: “Preocupam-nos economias muito dependentes de financiamento externo “

O economista Craig Botham explica, em entrevista, que as ações dos mercados emergentes deverão superar os ganhos das pares em mercados desenvolvidos. Mas para isso necessário que não haja guerra comercial. A dependência das economias é outra grande preocupações, especialmente dada a subida do preço do petróleo.

O preço do petróleo negoceia em máximos desde 2014 devido às tensões geopolíticas e sanções aplicadas pelos EUA ao Irão. A situação deverá pressionar os bancos centrais de países emergentes muito dependentes da importação da matéria-prima, segundo explicou Craig Botham, economista de mercados emergentes da Schroders, em entrevista ao Jornal Económico.

Apesar da pressão criada pela subida do valor do petróleo e pelas eleições em vários países, o economista continua à espera que as ações destes mercados superem a performance das dos países desenvolvidos. A Turquia é o maior risco, devido ao forte endividamento que penaliza a lira turca.

Qual é o impacto que espera do aumento do preço do petróleo para os mercados emergentes?

Normalmente, esta é uma situação positiva para os exportadores de petróleo, como Rússia, México, Colômbia e Malásia, nos mercados emergentes. Por outro lado, enquanto prejudica os países que são especialmente dependentes de importações. A Índia, a Turquia e a África do Sul são talvez os melhores exemplos. Isso já está refletido nos movimentos da moeda, particularmente quando comparamos a Rússia à Índia ou à África do Sul. Os eventos políticos estão a distorcer a ação do preço no México, na Malásia e na Turquia (todos relacionados às eleições!).

E em termos macro-económicos?

Numa base macro, a energia é frequentemente uma grande parte (25% ou mais) dos cestos de bens usados para analisar a inflação dos países emergentes, portanto o aumento do petróleo significará inflação mais alta, pressionando os bancos centrais a subir as taxas de juro ou, pelo menos, reduzindo os ciclos de abrandamento.

Historicamente, os preços mais altos do petróleo também teriam sido considerados como significativamente negativo para o crescimento dos EUA, mas o quadro é mais atenuado agora, com o advento do petróleo de xisto. Embora ainda seja negativo para os consumidores, os preços mais altos do petróleo devem sustentar o capex norte-americano, por isso é menos estag-flacionário do que antes.

Que países considera serem os mais arriscados?

Com base nas métricas que monitorizamos, neste momento estamos particularmente preocupados com economias com elevada dependência de financiamento externo. Esta é uma das razões para o severamente mau desempenho da Turquia, particularmente no lado da moeda.

Consideramos também que os mercados estão a subestimar o risco de uma guerra comercial entre a China e os EUA. Portanto é mais provável que haja cautela em torno das economias que dependem mais do comércio. China, Coreia e Taiwan provavelmente estarão na linha para um selloff se as negociações se deteriorarem.

Mercados menos expostos a esse respeito são a Índia, o Brasil e a Rússia, que têm uma participação muito menor do comércio de bens no produto interno bruto (PIB) do que o restante do mercado emergente (excluindo o petróleo, que consideramos improvável seja alvo de tarifas).

Com a desaceleração das avaliações nos mercados desenvolvidos, face aos recordes do ano passado, vão os mercados emergentes ser beneficiados?

Num ambiente de risco, as avaliações dos mercados emergentes tornam com certeza os seus mercados de ações atraentes. No caso de um resultado positivo das negociações comerciais dos EUA com a China, as ações dos mercados emergentes devem superar as contrapartes dos mercados desenvolvidos. No entanto, como dito acima, o risco é de que as negociações azedem, o que seria negativo para as ações de emergentes mais correlacionadas ao comércio.

Ler mais
Relacionadas

Schroders: menos impostos e mais despesas são riscos para o crescimento em 2018

Os analistas da Schroders estão otimistas em relação ao crescimento económico global este ano, mas alertam para o risco de reflação. Reduções nos impostos e aumentos nas despesas estruturais para estimular as economias podem levar a aumentos inesperados da inflação e das taxas de juro.
Recomendadas

Irão enerva Wall Street

Foi um final de semana tremido para a bolsa nova-iorquina com os três principais índices a fechar no vermelho.

BCP arrasta Bolsa de Lisboa para perdas. Europa fecha mista

Segundo o Eurostat Portugal continua a apresentar a terceira maior dívida pública (123,0% do PIB), depois da Grécia (181,9%) e da Itália (134,0%). Isto penalizou sobretudo bolsa italiana e a dívida soberana de Itália. No PSI 20 a queda de mais de 2% do BCP é justificada em parte pelo facto de o DjStoxx Banks ter a pior performance do dia.

PremiumPowell vai decidir quanto poderá correr o ‘touro’ de Wall Street

Os índices bolsistas norte-americanos não descolam de máximos e aguardam apenas o ‘OK’ da Fed no dia 31 para voarem mais alto com juros mais baixos. Nem a estagnação dos lucros reduz expetativas.
Comentários