Science4you exporta brinquedos para dez novos países

Marrocos, República Dominicana, Letónia, Estónia, Eslovénia, Croácia, Sérvia, Taiwan, Rússia e Bielorrússia são as novas localizações no mapa de exportações da empresa portuguesa de brinquedos educativos.

A Science4you, empresa 100% portuguesa que desenvolve, produz e comercializa brinquedos educativos para todo o mundo, anuncia a entrada em dez novos países no primeiro semestre de 2017. Marrocos, República Dominicana, Letónia, Estónia, Eslovénia, Croácia, Sérvia, Taiwan, Rússia e Bielorrússia integram a lista de países para onde a Science4you exporta, com os mercados internacionais a representarem 60% das vendas no primeiro semestre deste ano.

O Grupo Science4you registou, no primeiro semestre de 2017, um crescimento de 46% face ao período homólogo do ano anterior, num total de 5.5 milhões de euros com a venda de brinquedos educativos e atividades de ciência experimental, tais como as festas de aniversário e campos de férias.

No primeiro semestre do ano, o mercado internacional representou mais de metade das vendas da empresa portuguesa de brinquedos educativos. “O valor das exportações já ultrapassou as vendas domésticas da Science4you e o expectável é que no segundo semestre esta diferença seja ainda mais acentuada, sobretudo por causa dos Estados Unidos”, afirma Miguel Pina Martins, fundador e CEO da Science4you, em comunicado.

A empresa portuguesa de brinquedos educativos tem o objetivo de terminar o décimo aniversário com vendas de 23 milhões de euros.

A Science4you foi constituída em janeiro de 2008. A  empresa nasce de um projeto académico de Miguel Pina Martins. Financiada por capital de risco e business angels, a Science4you foi criada no âmbito do Programa FINICIA, com um capital social de 55 mil euros, em que 45 mil constituíram micro capital de risco financiado pela Inovcapital.

Neste momento, tem escritórios em Lisboa e no Porto, e as filiais em Madrid e Londres, situadas respetivamente, no Parque Científico de Madrid e no Knowledge Dock Business Center. A empresa exporta regularmente para mais de 30 países e conta com uma linha de mais de 500 brinquedos científicos.

Ler mais
Recomendadas

Preços predatórios continuam a dominar o setor da segurança privada

O problema do ‘dumping’ no negócio da segurança privada ainda não foi mitigado. A responsabilidade solidária imposta pela Lei da Segurança Privada, de julho, poderá contudo ser a solução.

Segurança privada. Contratação com prejuízo é uma prática generalizada

No geral, os preços de contratação da segurança privada continuam a ser feitos com prejuízo. A rentabilidade dos capitais próprios das empresas do setor é negativa e a lei da segurança privada impõe responsabilidade solidária ao cliente, o que pode contribuir para a redução das más práticas.

Diretiva Netflix: Cofina quer apostar na criação de conteúdos para exportar

À boleia das novas regras europeias que exigem que plataformas como a HBO ou a Netflix tenham 30% de conteúdos europeus, a Cofina espera “intensificar a criação de conteúdos de perfil exportador”, após a compra da Media Capital, dona da Plural, produtora de conteúdos.
Comentários