Science4you: A marca que encontrou o equilíbrio entre a educação e a diversão

Miguel Pina Martins é o ‘CEO’ da startup Science4you. Formado em Finanças e mestre em Gestão, trabalhou quatro meses na banca de investimento antes de se dedicar a tempo inteiro à empresa de brinquedos científicos e didáticos.

Sediada em Loures, espaço inaugurado, o ano passado, pelo ex-Presidente da República, Cavaco Silva, a Science4you é uma marca nacional nascida há seis anos, que desenvolve, produz e comercializa brinquedos científicos. Atualmente, assegura emprego a 400 colaboradores na fábrica, 70 no escritório e 150 em Madrid.

Em entrevista à StartUp Magazine, o CEO Miguel Pina Martins, conta como nasceu e qual foi o caminho percorrido pela Science4you, a marca que se tornou líder de mercado na área dos brinquedos educativos e científicos.

Como surgiu a Science4you?

Miguel Pina Martins (MPM): A Science4you foi o meu projeto final de curso. O ISCTE tinha uma parceria com a Faculdade de Ciências de Lisboa, em que a Faculdade dava ideias e o ISCTE montava os planos de negócio. Eu e o meu grupo, composto por mais sete pessoas, rifamos, na altura, os “kits de física”, mas consegui dar a volta ao tema e transformá-lo, então, em brinquedos científicos. O projeto correu bem, o grupo teve uma boa nota e a partir daí cada um seguiu o seu caminho profissional.

Após quatro meses a trabalhar na banca de investimento, percebi que não era aquilo que queria fazer o resto da minha vida e foi então que decidi agarrar no projeto. Tentei levantar capital à Portugal Ventures que, por sua vez, acharam o projeto interessante e decidiram investir, na altura, 50 mil euros (e eu investi 1 125 euros). Queria dar o nome Science4all à empresa, mas uma vez que o meu pedido foi rejeitado por já existir uma empresa com esse nome, segui para a segunda opção, a Science4you.

Qual é o procedimento desde a produção ao embalamento dos produtos?

MPM: A fábrica tem 8 mil metros quadrados no total e está dividida em quatro fases. A primeira é a fase de armazenagem e a segunda é a fase de produção intermédia, onde são feitas as primeiras produções, a nível de produto. A terceira fase é denominada de produção final, que é quando os produtos são embalados nas caixas e por fim, a quarta fase que é, naturalmente, a expedição. A fábrica está dividida em “U”, o que significa que tudo entra por um lado e sai pelo outro.

Para que idades são direcionados os brinquedos?

MPM: O primeiro e o segundo ciclo, até ao sexto ano, são o público-alvo. Depois, obviamente, também vamos apanhando crianças de três, quatro e cinco anos, bem como algumas crianças de 13 e 14 anos.

Como se estão a preparar para a época natalícia?

MPM: Com muita gente, muito trabalho e muitas encomendas. Estamos a produzir cerca de 20 mil brinquedos por dia, o que, neste momento, é o nosso máximo (e assim vai ser até ao Natal).

No primeiro ano de existência da marca, qual foi o nível de faturação atingido?

MPM: No primeiro ano a faturação chegou aos 50 mil euros, o que para nós foi muito bom. Já este ano, ficará claramente acima dos 17 milhões de euros. Só este trimestre representa 60% da faturação anual. Claro que para nós isto é um motivo de grande satisfação, pois superámos as expetativas ao passarmos de 11,2 milhões para mais de 17 milhões.

Somos uma empresa com ambição e o objetivo é continuar sempre a crescer. As pessoas têm vindo a consumir, cada vez mais, os nossos produtos. Penso que conseguimos o equilíbrio certo entre educação e diversão. Acabamos por agradar a pequenos e graúdos, em que pais, tios e outros familiares ficam contentes por oferecer um produto educativo, e as crianças ficam contentes porque se divertem. A juntar o útil ao agradável, acreditamos que conseguimos um mercado muito interessante.

Em quantos espaços está, atualmente, representada a Science4you?

MPM: Estamos com cerca de 60 espaços nossos, mas alguns deles são temporários – em janeiro devemos reduzir para cerca de metade. No estrangeiro, temos 20 espaços em Madrid. Além dos espaços próprios estamos, ainda, presentes em 20 mil pontos de venda.

E como têm sido as vendas no exterior? Superam, igualam ou são inferiores ao número de vendas em Portugal?

MPM: Este ano as vendas no exterior são ligeiramente superiores às vendas dentro do país, o que para nós é um motivo de orgulho, uma vez que significa que o nosso produto tem potencial para o mercado internacional. Espanha, Reino Unido, Polónia, França e Benelux (Bélgica, Países Baixos e Luxemburgo) são os países maiores onde o nosso produto é vendido.

Fora da União Europeia, o país onde se tem vendido mais brinquedos da Science4you é na China. De momento, já vendemos para 35 países e faltam-nos outros três grandes: o México (que esperamos ser uma questão de oportunidade, já que temos tudo escrito em espanhol), a Coreia do Sul e o Japão que, por sua vez, já são países de acesso mais complicado, devido à língua e à cultura completamente diferentes.

A Science4you participou na Web Summit a convite do Governo. O que é que a cimeira trouxe de novo ou de importante para a marca?

MPM: Na minha opinião, em primeiro lugar a cimeira foi bastante importante para Portugal e penso que vai continuar a ser, nomeadamente para o turismo. Neste caso, um turismo um pouco diferente, mais tecnológico, que traz mais investidores, e que pode trazer mais do que apenas uma estadia aqui. Em segundo lugar, a Science4you, enquanto startup, procura sempre investidores, e a Web Summit deu-nos a oportunidade de entrarmos em contacto com alguns. Neste momento, estamos com um bom input inicial e vamos continuar as conversas com os possíveis investidores.

Quais são as perspetivas futuras da marca?

MPM: Gostavamos de voltar a participar na Web Summit. O ideal seria via concurso, como este ano, onde fomos convidados pelo Governo, devido à nossa participação num programa onde representamos Portugal. Mas nesta fase em que nos encontramos, a perspetiva e foco principal é encontrar investidor.

Ler mais
Recomendadas

Criar uma startup em 2021? Atenção às “potenciais armadilhas”, alerta investidor norte-americano

“É fantástico que as duas vacinas experimentais Moderna e Pfizer mostrem resultados de eficácia superiores a 95%. Acho é que devemos ser um bocadinho conservadores sobre quanto é que isso vai afetar os negócios, as economias”, argumentou Geoff Ralston.

Tecnológica de Leiria recruta mais de 20 pessoas

Reatia, uma ‘proptech’ fundada pelo empreendedor português Hugo Venâncio, recebeu financiamento de 1 milhão de euros em outubro.

Como é que as empresas criam empreendedores? “De T.A.M. para T.A.P.”, diz Bionic

“Temos de acabar com o vício de estarmos corretos”, advertiu o empreendedor norte-americano David Kidder no terceiro e último da Web Summit.
Comentários