Ex-epidemiologista-chefe da Suécia critica erros na gestão da pandemia

Annika Linde veio a público criticar a resposta do país escandinavo depois deste ter registado a maior taxa de mortalidade per capita do mundo durante dois dias seguidos na semana passada, tendo ultrapassado as quatro mil vítimas mortais.

Suécia | Andres Kudacki/AP Photo

A Suécia decidiu manter o país em pleno funcionamento após o novo coronavírus ter chegado ao país, algo que gerou algumas críticas internas e também externas depois do número de infetados e de vítimas mortais terem continuado a aumentar.

Uma ex-epidemiologista-chefe da Suécia, entre 2005 e 2013, veio agora a público criticar a estratégia do país escandinavo no combate à Covid-19.

Annika Linde acredita que as autoridades de saúde e governamentais deveriam ter aplicado restrições mais rígidas desde o início de forma a controlar as infeções.

A especialista liderou os esforços do país para combater epidemias como a gripe suína e a síndrome respiratória aguda grave (Sars), de 2005 e 2013.

Até agora, Linde tinha elogiado e apoiado o seu sucessor, Anders Tegnell, mas começou a tecer críticas quando o número de casos na Suécia tornou-se superior face a países vizinhos como a Dinamarca, Noruega e Finlândia.

“Penso que precisávamos de mais tempo para nos prepararmos. Se tivéssemos encerrado logo o país… tínhamos sido capazes de assegurar proteção para os mais vulneráveis”, afirmou Linde ao The Guardian.

Uma das razões para que Annika Linde se viesse a retratar de declarações anteriores deveu-se ao facto da Suécia ter registado a maior taxa de mortalidade per capita do mundo durante dois dias seguidos, tendo ultrapassado as quatro mil vítimas mortais.

Segundo Linde, o seu pensamento inicial estava em linha com a do Governo. “Acho que a perceção básica era que, mais cedo ou mais tarde, independentemente do que se faça, toda a população seria infetada”, disse a epidemiologista que trabalhou com as entidades públicas.

Na Suécia, as escolas secundárias, bares, restaurantes, centros comerciais e ginásios permaneceram abertos enquanto a maioria dos países europeus já tinha encerrado fronteiras e negócios há três semanas. O Governo de Estocolmo manteve o país aberto e declarou que a responsabilidade em se proteger era dos cidadãos e que o público tinha senso comum para aplicar medidas sanitárias.

Annika Linde assume que acreditou quando Tegnell sustentou que o país ia “achatar a curva e proteger os vulneráveis”, pensando na técnica de imunidade de grupo, em que todos são infetados e tratados.

Ainda assim, a especialista não coloca as culpas no seu sucessor, mas na falta de vontade do sistema de saúde público em adaptar-se a uma estratégia pré-preparada, tendo como base a experiência da gripe suína.

  • Notícia corrigida a 26 de maio para esclarecer que a Suécia não aplicou medidas de quarentena em grande escala no combate à Covid-19, como outros países fizeram.
Ler mais
Relacionadas

Nenhuma nação deve repetir erro da Suécia, avisam especialistas

“Estamos a sacrificar idosos e pessoas com doenças prévias”, disse Olle Kämpe, professor do Instituto Karolinska em Estocolmo, acrescentando que na sua opinião, “não é algo que alguém deva copiar”.
Recomendadas

Bill Gates pede que fármaco contra Covid-19 seja distribuído “entre quem mais precisa” e não ao “maior licitador”

“Precisamos que os líderes tomem essas decisões difíceis sobre a distribuição com base no património, e não apenas em fatores orientados pelo mercado”, explicou numa conferência que tinha a Covid-19 como tema central do debate.

Empresários alemães antecipam “desastre económico ” com Brexit sem acordo

Os empresários alemães consideraram hoje que se não houver “regras claras” relativamente ao comércio de mercadorias após o ‘Brexit’, haverá um “desastre económico” para as empresas do país.

Governo revela plano de contingência para evitar colapso do SNS no outono

O gabinete de Marta Temido anunciou algumas medidas que deverão evitar o colapso do SNS numa altura em que a gripe sazonal marca o regresso. O Ministério da Saúde vai antecipar já para o início de outubro a vacinação contra a gripe sazonal e reforçar cuidados intensivos e laboratórios.
Comentários