Autoeuropa e fábrica da Seat na Catalunha passam a estar ligadas por comboio

As fábricas da Martorell em Barcelona e de Palmela vão transportar mais de 20 mil veículos por ano evitando deste modo 2.400 viagens rodoviárias.

De forma a dar continuidade à sua estratégia ‘Move to Zerø’ a Seat criou um novo serviço rodoviário que vai ligar a sua fábrica em Martorell na cidade de Barcelona à fábrica de Palmela da Volkswagen AutoEuropa, já a partir do mês de novembro.

Este serviço vai funcionar uma vez por semana e as perspetivas são de que possa transportar mais de 20 mil veículos anualmente evitando deste modo 2.400 viagens rodoviárias reduzindo as emissões de dióxido de carbono (CO2) em 43%.

O transporte dos automóveis será feito pela Pecovasa Renfe Mercancías, sendo constituído por 16 vagões, com um comprimento máximo de 500 metros e capaz de transportar até 184 veículos por cada viagem, estando previsto que em 2023 que o comboio tenha mais duas carruagens e 550 metros em comprimento, permitindo o transporte de cerca de 200 carruagens.

Os veículos produzidos em Martorell eram transportados até agora de comboio para Salobral (Madrid) e depois distribuídos a partir daí de camião, para os vários concessionários, mas agora chegarão diretamente à fábrica de Palmela, de onde serão transportados de camião para o depósito de distribuição na Azambuja, a 75 km de distância.

Herbert Steiner, Vice-Presidente da Produção e Logística, afirma que “este projeto faz parte da estratégia ‘One Production’ das fábricas do Grupo Volkswagen na Península Ibérica, que procura otimizar recursos, gerar sinergias em três centros de produção e aumentar a eficiência”.

Por sua vez, Rui Baptista, Diretor de Logística da Volkswagen Autoeuropa, assume que este projeto surge “integrado na estratégia de descarbonização dos nossos transportes logísticos, a Volkswagen Autoeuropa abraçou com entusiasmo desde o início este projeto focando todos os esforços no bem comum entre todos os interlocutores do projeto”.

Recomendadas

Governo recebe 300 milhões da CGD em dividendos extraordinários

Com este dividendo extraordinário, o Estado recebe ao todo em 2021, da CGD, 383,6 milhões de euros.

“Teletrabalho? Caberá ao empregador pagar o acréscimo de custos em virtude do trabalho remoto”

“Ficou claro que caberá ao empregador pagar tudo o que seja relativo à aquisição de equipamentos e de instrumentos de trabalho: computadores, tablets, telemóveis, impressoras, etc. Por outro lado, caberá ao empregador pagar o acréscimo de custos que o trabalhador comprovadamente demonstrar serem relativos ao teletrabalho”, realçou Maria João da Luz, advogada sénior da Morais Leitão.

Haitong Bank liderou a emissão de obrigações da Mota-Engil num sindicato que incluiu CaixaBI, Finantia e Novobanco

Nesta emissão, a Mota-Engil compromete-se a melhorar um indicador (KPI) de modo a alcançar a uma meta de desempenho de sustentabilidade (SPT) em 31 de dezembro de 2025; caso a emitente não cumpra esse objetivo, pagará uma remuneração adicional de 1,25 euros por obrigação Mota-Engil 2026 na data de reembolso final do empréstimo.
Comentários