Secretário de Estado da Educação garante avaliações do 3.º período “como é normal”

Os moldes em que avaliação final será feita, nestas circunstâncias, é uma das questões para as quais as escolas insistem precisar de “orientações claras” por parte do Ministério da Educação. João Costa não precisou como serão feitas essas avaliações.

As classificações do 3.º período vão decorrer na sua normalidade apesar das escolas ainda se encontrarem encerradas e deverão permanecer assim, pelo menos, até ao final do ano letivo. A garantia foi dada pelo  secretário de Estado Adjunto e da Educação, João Costa, esta quinta-feira, em entrevista à TVI, quando afirmou os alunos “terão as suas classificações finais [no 3.º período] como é normal”.

No entanto, o secretário de Estado não esclareceu em que moldes será feita esta avaliação se as escolas continuem encerradas.

Os moldes em que avaliação final será feita, nestas circunstâncias, é uma das questões para as quais as escolas insistem precisar de “orientações claras” por parte do Ministério da Educação.

João Costa garantiu que “o 3.º período vai acontecer, perto ou longe” e os alunos “terão as suas classificações finais”. Questionado sobre se haveriam exames, Costa respondeu que “antecipar todos estes cenários seria imprudente”, acrescentando que estão a ser ponderados os vários cenários possíveis.

O secretário de Estado também indicou que o Ministério da Educação está a pedir “relatórios semanais” às escolas sobre as actividades que estão a desenvolver, entre as quais o ensino à distância. Acrescentando que no 3.º período se pretende que este decorra de “forma mais estruturada” do que aconteceu nestas últimas duas semanas em que as escolas estiveram encerradas.

Relacionadas

Ex-ministro da Educação defende “ano neutro” para alunos passarem “sem notas”

Cerca de dois milhões de estudantes encontram-se atualmente em casa face à decisão do Governo de encerrar todas as escolas devido à Covid-19. O antigo ministro da Saúde confessou não ficar chocado caso as escolas permanecessem encerradas até ao final do ano letivo, sugerindo, por isso, uma transição de ano “sem notas”.

Pais a tomar contas dos filhos nas férias da Páscoa têm falta justificada, mas sem direito a subsídio

A remuneração de 66% do salário paga aos pais que tenham de ficar em casa a tomar conta dos filhos devido ao encerramento das escolas, e que não consigam trabalhar em regime de teletrabalho, continua a não válida para o período de férias da Páscoa, tal como já estava previsto.

Covid-19. Fenprof exige medidas claras para ensino à distância no 3.º período

Questionando se os professores vão conseguir concluir os programas curriculares este ano devido às circunstâncias, Mário Nogueira considerou que uma das questões mais urgentes a que o Ministério da Educação deve responder diz respeito à avaliação, afirmando que a do 2.º período não pode ser atribuída como avaliação final.
Recomendadas

Fenprof exige medidas que travem suspensão de contratos e despedimentos no setor social

A Federação Nacional dos Professores (FENPROF) exige do Governo a tomada de medidas que ponham cobro a situações de abuso e ilegalidade praticadas no setor social, incluindo suspensão dos contratos de trabalho e despedimentos. Num ofício enviado ao primeiro-ministro dá conta de casos que comprovam o “desrespeito” pelas leis laborais. E alerta para o desrespeito do prazo de aviso aos trabalhadores ou a tentativa de imposição do lay-off com efeitos retroativos.

Já está online aplicação eletrónica para tirar dúvidas a professores

Ministério da Educação disponibiliza a plataforma “E72”, que permite responder a dúvidas ou questões no espaço de 72 horas.

Covid-19. Trabalhadores podem optar por teletrabalho sem acordo do empregador

“Durante a vigência do presente decreto-lei, o regime de prestação subordinada de teletrabalho pode ser determinado unilateralmente pelo empregador ou requerida pelo trabalhador, sem necessidade de acordo das partes, desde que compatível com as funções exercidas”, estabelece o decreto-lei do Governo publicado na sexta-feira à noite.
Comentários