Sector agroalimentar cresceu durante a pandemia em contraste da economia portuguesa

Numa altura em que Portugal perdeu 10% em exportações, o sector agroalimentar mostrou resiliência, tendo registado um aumento de 2,5%. “Demonstrou uma enorme resiliência e capacidade de superação”, afirmou o presidente da Lusomorango no arranque da primeira conferência do ciclo “Conhecer para Decidir, Planear para Agir”, na qual o Jornal Económico é ‘media partner’.

A importância e resiliência do sector agroalimentar no panorama geral da economia portuguesa foi tema de debate no arranque da primeira conferência do ciclo “Conhecer para Decidir, Planear para Agir” que teve como tema “Conhecimento e Inovação na Década da Transição Digital”, na qual o Jornal Económico é media partner, que decorreu esta quarta-feira.

“Este sector é indispensável à sociedade, mas o seu desenvolvimento está limitado por fatores físicos, ambientais e sociais”, começou por dizer o presidente da Lusomorango, Luís Pinheiro, durante a sua intervenção, referindo que este sector contribui para a criação do emprego, para a coesão e para a redução dos desequilíbrios da balança comercial com o exterior.

A resiliência deste sector foi posta à prova durante o ano da pandemia. Segundo os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), referidos por João Nuno Palma, vice-presidente da comissão executiva do Millennium BCP, durante a sua intervenção, as exportações aumentaram 2,5% em 2020, um resultado “extraordinário e notável” e que vai em contra ciclo com a redução de 10% da exportação portuguesa no mesmo período.

Só em termos de exportação de pequenos frutos (framboesas, mirtilos e morangos), registou-se um aumento de 5,5% no ano passado. “Este é um sector vital e de resiliência da economia portuguesa”, disse o representante do banco, argumentando que este “nunca parou durante a pandemia da Covid-19”.

O responsável pela Lusomorango olha para o agroalimentar como “um pilar fundamental para a recuperação” do país e lembra que vão ser disponibilizados 93 milhões de euros, previstos no Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), para dinamizar 100 programas e projetos de investigação e inovação no âmbito da Agenda de Inovação para a Agricultura 2020-2030.

Embora esteja previsto um reforço na aposta deste sector, “serão necessários investimentos em infraestruturas que permitam a mobilidade e o acesso às novas tecnologias de informação”, nomeadamente, internet e equipamentos, acrescentou o responsável da Lusomorango.

Recomendadas

ASAE fiscaliza 91 panificadoras e pastelarias e abre 25 contraordenações

De acordo com o comunicado hoje divulgado pela ASAE, o objetivo da operação de fiscalização, que abrangeu 91 operadores económicos e decorreu em todo o país, era o de “verificar o cumprimento das regras estabelecidas para a atividade de panificação e pastelaria com fabrico próprio, especialmente ao nível do licenciamento, denominação e rotulagem, assim como de higiene e segurança alimentar, por forma a garantir a proteção dos consumidores”.

Negócio entre a Imperial e a Chocolates Valor já foi concluído

A Imperial confirma que vai passar a integrar no imediato o grupo empresarial Valor. A empresa portuguesa responsável por marcas como a Regine e a Pantagruel com quase 90 anos de história, foi agora comprada pela empresa líder no sector do chocolate em Espanha.

Frulact adquire negócio da produtora IFF para expandir negócios para o Norte e Centro da Europa

Ao adquirir as unidades produtivas e plataformas da IFF na Alemanha, Suíça e França, o grupo com sede em Portugal irá aumentar a sua presença produtiva global de cinco para sete países e reforçar a atividade em França, chegando, com os seus produtos, a mais de 40 países
Comentários