Sector do alojamento turístico perdeu 78,3% de hóspedes em janeiro

Apesar de uma redução no número de dormidas, a estada média nos estabelecimentos de alojamento aumentou 0,4%, situando-se em 2,30 noites em janeiro de 2021, depois de ter apresentado uma queda de -4,9% em dezembro.

Cristina Bernardo

O sector do alojamento turístico perdeu -78,3% de hóspedes em janeiro de 2021, depois de ter registado 308,4 mil hóspedes no total do mês, revelam os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) esta segunda-feira, 1 de março. Também em termos de dormidas, o sector registou 709,9 mil dormidas, o que corresponde a uma variação de -78,2%.

Os dados do INE mostram que as dormidas de não residentes recuaram 87%, quando no mês anterior tinha apresentado uma queda de -83,2%. Por sua vez, as dormidas de residentes no território nacional diminuíram 60,3%, sendo que em dezembro a quebra se tinha fixado em 54,2%. Assim, o mercado externo contribuiu com 282,9 mil dormidas, enquanto o mercado interno contribuiu com 427,0 mil dormidas.

Os dados mostram ainda que os dezassete principais mercados emissores mantiveram decréscimos expressivos em janeiro, tendo representado 84,1% das dormidas de não residentes nos estabelecimentos de alojamento turístico. As maiores reduções registaram-se nos mercados chinês (-98,1%), dinamarquês (-95,2%), russo (-94,8%), canadiano (-94,3%) e dos Estados Unidos (-94,2%).

Apesar de uma redução no número de dormidas, a estada média nos estabelecimentos de alojamento aumentou 0,4%, situando-se em 2,30 noites em janeiro de 2021, depois de ter apresentado uma queda de -4,9% em dezembro. Os dados indicam que a estada média dos residentes aumentou 15% e a dos não residentes cresceu 22,3%.

O gabinete estatístico refere ainda que as dormidas no sector da hotelaria diminuíram 81,4%, representando 71,1% das dormidas totais, enquanto as dormidas nos alojamentos locais decresceram 63,4%, apresentando um peso de 25,1%, e as dormidas em espaços rurais e de habitação recuaram 54,2%, contemplando um peso de 3,8% do total.

O INE aponta de 54% dos estabelecimentos de alojamento turístico permaneceram encerrados em janeiro, um valor que aumentou perante os 52,3% registados em dezembro.

“Em janeiro, todas as regiões registaram decréscimos expressivos das dormidas, superiores a 50%, verificando-se as menores diminuições no Alentejo (-59,3%) e Centro (-69,3%) e as menores reduções na Área Metropolitana de Lisboa (-81,9%), na Região Autónoma da Madeira (-81,2%) e Algarve (-80,6%)”, acrescenta a entidade responsável pelas estatísticas.

Os dados indicam que a AML concentrou 27,5% das dormidas em janeiro, seguindo-se a região Norte com 19,4% e o Algarve com 15,3%.

Também todas as regiões apresentaram decréscimo no número de dormidas de residentes, tendo as menores reduções sido registadas no Alentejo (-54,9%) e na Madeira (-56,1%). No mês em análise, em termos de dormidas por parte de não residentes, o Alentejo apresentou um decréscimo de 68,9%, enquanto as restantes regiões apresentaram decréscimos superiores a 80%.

Ler mais

Recomendadas

Itália: Draghi apresenta Plano de Recuperação esta sexta-feira

O plano conta com uma dotação de mais de 220 mil milhões de euros. O plano definitivo só será apresentado a 30 de abril e o governo quer resolver o problema de quem gere o quê. A questão determinou o fim do anterior governo liderado por Giuseppe Conte.

Contratos para obras públicas a partir de 5 milhões vão destinar 1% para obras de arte

“Prevê-se, como regra, que 1% do preço, em contratos de valor igual ou superior a cinco milhões de euros, seja aplicado em inclusão de obras de arte nas obras públicas objeto desses contratos”, acrescenta o comunicado do Conselho de Ministros.

PRR: Investimento em infraestruturas transfronteiriças reduzido para 65 milhões de euros

Na versão submetida a consulta pública, em 16 de fevereiro, o Governo previa um investimento global de 110 milhões de euros em infraestruturas rodoviárias para assegurar as ligações transfronteiriças entre Portugal e Espanha, que no documento final, entregue esta quinta-feira, foi reduzido para 65 milhões de euros.
Comentários