Seguradora Prudential vê lucros caírem e abandona operação norte-americana

Com a queda nos lucros da subsidiária nos Estados Unidos, a empresa decidiu alienar progressivamente a sua operação no país para se focar nos mercados asiático e africano. Investidores acolheram a decisão com entusiasmo.

A seguradora britânica Prudential anunciou esta terça-feira que planeia deixar a sua subsidiária norte-americana, a Jackson, depois de os seus lucros operacionais ajustados terem caído 3% na primeira metade do ano. A decisão permite à empresa focar-se nas suas operações em África e na Ásia.

O plano passa por uma oferta pública inicial minoritária no início de 2021, que evoluirá para uma “alienação total ao longo do tempo”, lê-se num comunicado da empresa.

A decisão foi bem recebida pelos mercados, com os investidores a aplaudirem o rumo que haviam já incentivado a empresa a tomar, seguindo a estratégia de outras seguradoras como a Standard Life ou a Old Mutual, que também separaram as suas operações nos últimos anos. As ações da Prudential subiram 4% com o anúncio.

A Reuters havia já avançado no início deste ano que a Prudential estaria a estudar a possibilidade de alienar a Jackson. A seguradora britânica estava pressionada pela tomada de posição do fundo ativista norte-americano Third Point, que havia pedido já a separação da operação nos EUA da casa-mãe britânica. O fundo defendia que, apesar de representar uma pequena parte da sua operação global, a Jackson era extremamente complexa de analisar e, portanto, estaria a desvalorizar o bolo total da Prudential.

Já em junho, a seguradora vendeu uma participação minoritária da sua subsidiária americana à Athene Holding, um braço da Apollo Global, por 500 milhões de dólares, ou 424 milhões de euros.

“A separação e alienação da Jackson transformarão a Prudential num grupo apontando exclusivamente às oportunidades estruturais na Ásia e África”, disse o CEO da Prudential e antigo chefe da Jackson, Mike Wells. Vários analistas consideram que livrar-se da Jackson reduziria o prémio de risco aplicado à Prudential.

Os lucros operacionais da empresa cifraram-se nos 2,11 mil milhões de euros, um pouco acima das previsões de 2,03 mil milhões. No entanto, o lucro da operação asiática subiu 14%, enquanto que o da Jackson caiu 19%.

A Prudential anunciou também uma nova política de dividendos, que reflete o crescimento das operações asiática e africana. A empresa vai distribuir um dividendo provisório de 4,55 cêntimos por ação, um terço do dividendo anual total esperado.

Ler mais
Recomendadas

Liberty cria ecossistema na ‘cloud’ pública

Construir um seguro à medida de cada um e uma oferta personalizável é o objetivo da Liberty Seguros com um novo ecossistema, afirma Alexandre Ramos, da área tecnológica da companhia.

PremiumJane Fraser: Mulher escocesa atingiu o topo do mundo financeiro de Wall Street

A CEO do Citigroup é a primeira mulher a chegar ao topo de um banco cotado na bolsa mais importante do planeta, após uma fulgurante carreira em instituições de referência. O que também é uma referência, e não das melhores, é que a sua nomeação ainda seja notícia.

PremiumBraga de Macedo e Nuno Cassola: “Alimentou-se a ilusão de que o sistema bancário era sólido”

“Por onde vai a Banca em Portugal?” é o novo livro de Jorge Braga de Macedo, Nuno Cassola e Samuel da Rocha Lopes. Os dois primeiros falaram ao Jornal Económico sobre o passado, a gestão, a supervisão e o futuro do setor.
Comentários