“Segurança Social na Hora permitiu entrada no sistema de 80.700 pessoas”, revela ministra do Trabalho

Os números indicados pela ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social apontam um aumento de duas mil pessoas na Segurança Social só no mês de junho. No total, o programa Segurança Social na Hora já abrangeu 80.700 pessoas desde janeiro.

João Relvas/Lusa

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social Ana Mendes Godinho revelou que “entraram na Segurança Social Mais 80.700 pessoas”, em entrevista à Rádio Renascença e ao Público.

“O número de Segurança Social na Hora, criado em janeiro, abrangeu até ao momento 80.700 pessoas, ou seja, pessoas que estavam fora do sistema de Segurança Social e que entraram no sistema”, apontou Ana Mendes Godinho, referindo-se a um aumento de duas mil pessoas em junho.

Ana Mendes Godinho garantiu também que “a Segurança Social fez ações no terreno com a Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) para garantir que os trabalhadores estavam cobertos pelo sistema de proteção social. Um dos riscos que temos é a informalidade de muitas situações laborais que levam a que as pessoas fiquem desprotegidas”. A ministra concretiza que “a Segurança Social fez estas ações, por exemplo, na agricultura e na construção civil para garantir que os trabalhadores estavam todos cobertos e incluídos no sistema de proteção social”.

Sobre as estratégias para o desemprego, Ana Mendes Godinho explicou que existem “três dimensões de medidas de apoio, as diretas de apoio às empresas para manutenção dos postos de trabalho, instrumentos financeiros de apoio à liquidez das empresas; medidas do IEFP de apoio à contratação e à reconversão; e apoio à dinamização de atividades económicas”.

No âmbito da dinamização de atividades económicas, a ministra do Trabalho destacou “o programa de acessibilidades em 100 espaços de serviços públicos na Saúde e na Segurança Social para serem inclusivos. É um sinal de que aproveitamos esta circunstância para gerarmos atividade criadora de emprego”.

Lay-off simplificado abrange 860 mil trabalhadores

Quanto ao lay-off simplificado, Ana Mendes Godinho sublinhou que “tivemos 107 mil empresas abrangendo 860 mil trabalhadores. Nas prorrogações, verifica-se uma diminuição quer do número de empresas, quer do número de trabalhadores – temos menos 20%”.

“Se olharmos por atividade económica, vemos em primeiro lugar empresas da área da restauração e alojamento, 23%, as do comércio representavam 22% e as indústrias transformadoras ocupam uma percentagem de 10,2%. Nos pedidos de prorrogação, verifica-se menos 45% de trabalhadores das empresas da indústria transformadora, o que reflete a retoma da atividade. Temos menos 38% dos trabalhadores do comércio e menor diminuição nas atividades de restauração e alojamento onde se sentem efeitos mais evidentes”, destacou Ana Mendes Godinho.

A ministra do trabalho lembrou ainda que “uma das grandes preocupações é a manutenção do emprego e a evolução dos números de desemprego. Se compararmos com o início de março temos mais 93 mil pessoas inscritas nos centros de desemprego”. “Verifica-se agora uma desaceleração. Nos números analisados no final de junho, temos mais 2 mil desempregados inscritos em Portugal continental em comparação com o mês de maio”, acrescentou.

Ler mais
Relacionadas

Excedente da Segurança Social cai 65,2% para 634,9 milhões de euros até maio

A subida da despesa “deve-se essencialmente aos efeitos conjugados da introdução das medidas excecionais e temporárias no âmbito da covid-19”, que representaram um acréscimo de despesa de 596,9 milhões de euros.

ACT e Segurança Social fiscalizaram empresas e encontraram funcionários em lay-off a trabalhar

A Autoridade para as Condições do Trabalho informou esta sexta-feira que, no âmbito dessa ação, adotou 350 procedimentos, incluindo autos de contraordenação e de advertência e notificações.

Governo lança linha de 10 milhões para contratações no setor social

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social disse hoje que o Governo vai lançar em julho uma linha de financiamento para a contratação de recursos humanos no setor social.
Recomendadas

Costa diz que Conselho de Ministros prepara-se para tomar medidas hoje perante “alarmante propagação da pandemia”

Depois de Portugal ter atingido o pior dia da pandemia desde o seu início há 10 meses, o Governo reúne-se hoje. Fonte do executivo avançou que o Governo vai encerrar as escolas e universidades do país a partir de sexta-feira, segundo a agência Lusa.

Portugal continental afetado por passagem da depressão Hortense até sexta-feira

“A maior diferença em relação à depressão Gaetan será o aumento da agitação marítima no litoral a norte do Cabo Raso onde, a partir da madrugada de sexta-feira, as ondas serão de noroeste de 5 a 6 metros, podendo atingir 10 a 12 metros de altura máxima”, destaca o IPMA.

Presidente da República concorda com fecho de escolas e universidades: “É uma boa solução”

O Governo prepara-se para decidir hoje o fecho das escolas e universidades a partir de sexta-feira, segundo fonte do executivo citada pela Lusa. Portugal atingiu ontem o pior dia em mortes e infeções desde o início da pandemia há 10 meses.
Comentários