Seixal atrai neste momento residentes e investidores

O concelho é um dos mais atrativos neste momento para investir. Além da aposta na reabilitação a autarquia anuncia megaprojetos que irão marcar a Área Metropolitana de Lisboa. O dinamismo do mercado imobiliário chegou também ao Seixal.

Joaquim Santos, presidente da Câmara Municipal do Seixal, fala ao Diário Imobiliário sobre a atratividade do concelho e dos projetos em marcha. Revela que o município vai ter o primeiro grande projeto industrial de arranque da “Lisbon South Bay” – o grande território que abarca os antigos terrenos industriais da Siderurgia e da Lisnave na Margem Sul, nos concelhos  do Seixal, Barreiro e Almada. Um investimento de 200 milhões de euros de uma empresa nacional que irá criar 200 postos de trabalho.

Do Cais do Sodré até ao Seixal são 20 minutos de catamarã, mas estivemos 1h30 à espera que ele partisse…!

O antigo Governo reduziu drasticamente o número de travessias por barco entre as duas margens. Queria acabar com as carreiras do Seixal e do Montijo. Não o permitimos.

Na Área Metropolitana de Lisboa (AML) estamos a trabalhar na existência de um passe que cubra toda esta área e todos os operadores a preços acessíveis. Os preços máximos que propomos é 30 euros dentro do concelho de Lisboa e 40 na AML. Queremos inverter a tendência que se manifesta há décadas de abandono do sistema de transportes.

Os municípios estão a preparar aquilo que será uma “Carris Metropolitana”.

Como?

Aumentando a quantidade e qualidade dos autocarros. Acreditamos que a empresa de barcos, o Metro, a própria Fertagus, a CP urbana se venham a coordenar, pois vão ter que tomar medidas para a satisfazer o aumento da procura.

 

Entre os municípios da Margem Sul, o Seixal é o mais mal servido em transportes?

Pelo contrário. O concelho tem no seu território quatro estações de comboio e uma estação fluvial. Estamos a 12 km da Ponte 25 de Abril.

O problema é o reforço dos transportes ditos pesados barcos rápidos e comboios e juntar uma rede de transportes ligeiros que os «alimente». E é aqui que entra a configuração da “Carris Metropolitana”.

Vamos adquirir 750 novos autocarros e contratar e formar os respetivos motoristas. Levará o seu tempo. Mas se nada se fizer os problemas das Pontes 25 de Abril, da Vasco da Gama não têm solução. Basta um acidente e fica tudo bloqueado…!

Estamos a aproveitar este momento de sintonia política e o facto de existirem recursos existentes para  fazer esta autêntica revolução.

 

O “boom” do imobiliário em Lisboa  tem-se repercutido no Seixal…?

Até 2012, no núcleo urbano antigo do Seixal, os preços no imobiliário eram baixos, mas a partir do momento em que a Câmara começou a reabilitar e requalificar o casco histórico isso gerou forte interesse por parte dos privados e uma pressão sobre os preços. Agora é quase proibitivo comprar um edifício mesmo em muito mau estado no centro do Seixal. Pedem-se 1.200 euros/m2 por uma casa em ruína!

 

Mas o Seixal antigo não se limita à cidade sede do concelho…

O município vai investir na reabilitação dos antigos núcleos urbanos da Arrentela e da Amora aproveitando as linhas de financiamento existentes para a reabilitação. Quem quiser comprar para habitar, ou para reabilitar e arrendar ou para abrir algum negócio nesses núcleos tem financiamento a 100%, baixas taxas de juro, além dos benefícios concedidos pelo município pelo facto de serem áreas de recuperação urbana: IVA a 6%, não pagam IMI nem IMT, 50 a 100% de isenção nas taxas municipais, uma linha direta para o licenciamento por ser ARU, o que torna muito mais rápida cada operação. Gerámos um “ecossistema favorável” à regeneração urbana. Estamos falar de núcleos antigos que necessitam de reconstrução e reabilitação.

 

Há ainda muito por reabilitar?

No núcleo antigo do Seixal 40% do edificado está ainda por reabilitar e ocupar. Na Arrentela e Amora, o caso é bem pior, estamos a falar porventura de 80% do edificado.

 

Há mais procura por prédios a reabilitar ou por construção nova?

A grande procura é de pequenos investidores que querem criar hostels, gelatarias, restaurantes, bares, etc. Em particular nas zonas ribeirinhas, alguns dos quais em parceria com a Câmara. E essa corresponde à nossa visão: fazer da Baía a “Praça Central” do Município. Será em torno dela que o Seixal terá o seu ‘ex-libris’ cultural, patrimonial e de vivência das populações.

Depois existe um 2.º anel com um conjunto de novas urbanizações, de que a Quinta da Trindade, junto ao Centro de Estágios do Sport Lisboa e Benfica, é um exemplo, a qual está ainda em 40% da sua construção. Outro empreendimento residencial de qualidade é o Seixal Baía que vai entrar numa segunda fase de desenvolvimento.

Para além destes, temos  o Monte Verde, um empreendimento com um baixíssimo índice de construção. É um projeto de grande dimensão a caminho de Sesimbra, na zona de Fernão Ferro, promovido pelo grupo SIL.

E junto à Aroeira, a denominada Herdade do Pinhão, promovida pelo Grupo Alves Ribeiro. São quatro grandes urbanizações claramente vocacionadas para primeira habitação.

 

E as indústrias, a logística e os serviços?

Temos um 3.º anel que tem a ver com as áreas industriais, de logística  e de serviços. Que vão desde os terrenos da Siderurgia, com 537 hectares, à Quinta das Lagoas, junto a Corroios e Almada.

 

O Conselho tem já todos os equipamentos de que necessita?

Nas duas grandes Áreas Metropolitanas não há nenhum concelho que tenha todos os equipamentos necessários. O mapeamento dos equipamentos existentes que a AML está a realizar revela que estamos ainda atrasados  face a outros países.

No Seixal estamos a investir em várias frentes: escolas, jardins de Infância, equipamentos desportivos, parques urbanos, equipamentos ambientais e culturais.

Vamos requalificar equipamentos públicos e inaugurar uma Loja do Cidadão que será a 2ª no Distrito de Setúbal. A construção vai arrancar e a sua entrada em funcionamento está prevista para 2020.

Faltam os equipamentos da responsabilidade do Estado Central: o Hospital do Seixal; a Esquadra da Divisão Policial do Seixal; financiamento para escolas e lares de idosos e creches…

Equipamentos necessários não só para a população que já cá vive, como para aquela que esperamos venha a escolher o Concelho para aqui residir e trabalhar.

Ler mais
Recomendadas

Taxas Euribor mantêm-se a três meses e sobem a seis, nove e 12 meses

A Euribor a três meses, em valores negativos desde 21 de abril de 2015, manteve-se hoje em 0,317%, contra o atual mínimo de sempre, de -0,332%, registado pela primeira vez em 10 de abril de 2017.

Veja aqui em direto o Decisores desta semana, com Ricardo Mourinho Félix

A edição do “Decisores” desta semana conta com a presença de Ricardo Mourinho Félix, secretário de Estado Adjunto e das Finanças.
Comentários