PremiumSem turistas ingleses, situação da indústria do golfe “vai ser dramática”

Decisão de Boris Johson pode provocar perdas de mil milhões de euros só nos meses de julho e agosto no setor do turismo. Presidente do Conselho Nacional da Indústria do Golfe “estranha” opção do Reino Unido, mas não crê em teorias da conspiração e admite que podem ter existido falhas do Governo de Portugal.

A decisão do Reino Unido em colocar Portugal fora da lista dos corredores aéreos deixou o setor do turismo português ainda mais debilitado do que já estava face à pandemia do coronavírus. “Estamos a falar de um mês de julho e de agosto na ordem dos mil milhões de euros de perda”, garante, em declarações ao Jornal Económico, Luís Correia da Silva, presidente do Conselho Nacional da Indústria do Golfe (CNIG), que representa uma modalidade cujas receitas em Portugal dependem 85% de cidadãos estrangeiros, com a particularidade de 70% serem de origem britânica.

Face à decisão tomada pelo primeiro-ministro Boris Johnson, a presença de turistas ingleses em julho e agosto “parece estar fortemente condicionada”. O responsável do CNIG considera, por isso, fundamental que os golfistas possam vir a Portugal em setembro, outubro e novembro. “Esses meses são a época alta para o turismo do golfe. Se não tivermos os turistas ingleses nestes meses, pela impossibilidade de alterar esta decisão, não tenho dúvidas de que a situação da indústria do golfe vai ser dramática e ter um impacto brutal. Estamos a falar de perdas de receita entre 85% a 90% face ao ano passado, o que é devastador para a economia destas empresas”, refere.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

NBA lança-se no mundo das apostas com o serviço NBABet Stream

Com a legalização das apostas desportivas nos EUA em 2018, a NBA torna-se a primeira grande liga desportiva dos EUA a atacar o mercado.

Siza Vieira sobre a possibilidade de adeptos nos estádios: “É mais importante que os jogos se realizem em segurança”

“É mais importante garantirmos a segurança de que as atividades se realizem sem percalços e com limitações do que permitir flexibilidade e depois ter de voltar atrás”, realçou o ministro à margem da conferência sobre o ‘Futebol Profissional e Economia Pós Covid-19’ que decorreu em Oeiras.

Futebol português contribuiu com 549 milhões para o PIB antes da pandemia

Números fazem parte da nova edição ‘Anuário do Futebol Profissional Português’, realizado em parceria entre a Liga Portugal e a EY e cuja apresentação acontece esta quarta-feira na conferência sobre o ‘Futebol Profissional e Economia Pós Covid-19’.
Comentários