PremiumSem turistas ingleses, situação da indústria do golfe “vai ser dramática”

Decisão de Boris Johson pode provocar perdas de mil milhões de euros só nos meses de julho e agosto no setor do turismo. Presidente do Conselho Nacional da Indústria do Golfe “estranha” opção do Reino Unido, mas não crê em teorias da conspiração e admite que podem ter existido falhas do Governo de Portugal.

A decisão do Reino Unido em colocar Portugal fora da lista dos corredores aéreos deixou o setor do turismo português ainda mais debilitado do que já estava face à pandemia do coronavírus. “Estamos a falar de um mês de julho e de agosto na ordem dos mil milhões de euros de perda”, garante, em declarações ao Jornal Económico, Luís Correia da Silva, presidente do Conselho Nacional da Indústria do Golfe (CNIG), que representa uma modalidade cujas receitas em Portugal dependem 85% de cidadãos estrangeiros, com a particularidade de 70% serem de origem britânica.

Face à decisão tomada pelo primeiro-ministro Boris Johnson, a presença de turistas ingleses em julho e agosto “parece estar fortemente condicionada”. O responsável do CNIG considera, por isso, fundamental que os golfistas possam vir a Portugal em setembro, outubro e novembro. “Esses meses são a época alta para o turismo do golfe. Se não tivermos os turistas ingleses nestes meses, pela impossibilidade de alterar esta decisão, não tenho dúvidas de que a situação da indústria do golfe vai ser dramática e ter um impacto brutal. Estamos a falar de perdas de receita entre 85% a 90% face ao ano passado, o que é devastador para a economia destas empresas”, refere.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Dos 549 milhões para o PIB aos 150 milhões em impostos. Quanto pesa a indústria do futebol em Portugal? Amanhã há “Jogo Económico”

A nova edição do Anuário do Futebol Profissional Português, uma parceria entre a Liga Portugal e a EY, regista o contributo total desta indústria para o PIB português, as receitas geradas pelas 32 SAD e os impostos arrecadados pelo Estado português a partir do futebol. Não perca o debate esta sexta-feira às 19h00.

Arsenal quer despedir 55 trabalhadores mas paga a Mesüt Özil 388 mil euros por semana em salários

O clube londrino comunicou a sua decisão de continuar com um processo de reestruturação que considera necessário. Adeptos e jogadores não ficaram contentes.

AS Roma vai ter novos donos. Negócio próximo de 600 milhões de euros

O acordo anunciado termina definitivamente o envolvimento de Jim Pallotta no clube que, nos últimos meses, já tinha demonstrado o interesse em abandonar o projeto, depois dos planos para a construção de um novo estádio terem ficado paralisados.
Comentários