PremiumSem turistas ingleses, situação da indústria do golfe “vai ser dramática”

Decisão de Boris Johson pode provocar perdas de mil milhões de euros só nos meses de julho e agosto no setor do turismo. Presidente do Conselho Nacional da Indústria do Golfe “estranha” opção do Reino Unido, mas não crê em teorias da conspiração e admite que podem ter existido falhas do Governo de Portugal.

A decisão do Reino Unido em colocar Portugal fora da lista dos corredores aéreos deixou o setor do turismo português ainda mais debilitado do que já estava face à pandemia do coronavírus. “Estamos a falar de um mês de julho e de agosto na ordem dos mil milhões de euros de perda”, garante, em declarações ao Jornal Económico, Luís Correia da Silva, presidente do Conselho Nacional da Indústria do Golfe (CNIG), que representa uma modalidade cujas receitas em Portugal dependem 85% de cidadãos estrangeiros, com a particularidade de 70% serem de origem britânica.

Face à decisão tomada pelo primeiro-ministro Boris Johnson, a presença de turistas ingleses em julho e agosto “parece estar fortemente condicionada”. O responsável do CNIG considera, por isso, fundamental que os golfistas possam vir a Portugal em setembro, outubro e novembro. “Esses meses são a época alta para o turismo do golfe. Se não tivermos os turistas ingleses nestes meses, pela impossibilidade de alterar esta decisão, não tenho dúvidas de que a situação da indústria do golfe vai ser dramática e ter um impacto brutal. Estamos a falar de perdas de receita entre 85% a 90% face ao ano passado, o que é devastador para a economia destas empresas”, refere.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Liga Portugal adverte que paragem desportiva poderá significar “colapso económico” das SAD

Sónia Carneiro, diretora executiva da Liga Portugal, realça o valor estimado para o prejuízo dos clubes até ao final da época “ronda os 266 milhões de euros”, decorrentes do facto de não haver público nos estádios e da diminuição do investimento de alguns patrocinadores.

Direitos televisivos desvalorizam quase 5 mil milhões de euros em 2020

As projeções para o futuro apontavam para o aumento do volume de negócios até chegar aos 56,1 mil milhões de dólares (46,2 mil milhões de euros) em 2022, até à pandemia do novo coronavírus ter entrado em “ação”, obrigando o desporto a adaptar-se.

Há um português e um jogador da Liga NOS entre os mais valiosos transferidos em janeiro

São vários os clubes que atravessam dificuldades financeiras devido à pandemia de Covid-19. O mercado de inverno espelha bem a falta de poder financeiro para melhorar plantéis, com um número impressionante de empréstimos a serem a solução mais “em conta”.
Comentários