Semapa: pasta & papel dominam exportações, cimentos resistem

No ano passado, a Semapa conseguiu atingir um volume de exportações de 1.664,9 milhões de euros, cerca de 75,8% do volume de negócios global da holding criada por Pedro Queiroz Pereira para a área industrial na pasta & papel (The Navigator Company), cimentos (Secil) e ambiente (ETSA).

Do output deste conglomerado industrial, a maior fatia é da responsabilidade da celulose e dos eucaliptos, da transformação da fibra em pasta, e da sua posterior conversão em papel, com acrescidas mais valias, deste o UWF (não revestido), para impressão de superior qualidade, até à mais recente aposta no tissue. Pelo caminho ficou, mas com apreciável encaixe para o grupo, a aposta na fábrica de pellets nos Estados Unidos, que se revelou como mais uma operação de grande encaixe financeiro para o empresário que criou o grupo, após a alienação verificada no final de 2017.

No ano passado, a Navigator contribuiu com 77% para o volume de negócios da Semapa e, ainda mais importante, com 83% para o respetivo EBITDA. Segundo um ranking a que o Jornal Económico teve acesso, elaborado pela consultora PricewaterhouseCoopers, referente ao final do exercício de 2015, os últimos que estão publicamente disponíveis, a The Navigator Company estava posicionada em 51º lugar da tabela das empresas do setor a nível mundial, listadas em função do respetivo volume de negócios. Nessa lista, a líder do setor da pasta & papel a nível global é a norte-americana International Paper, que atingiu em 2015 um volume de negócios de cerca de 22,4 mil milhões de euros, enquanto a Navigator surge com um volume de negócios de 1.769 milhões de dólares (ver gráfico ao lado). Portanto, a uma longa distância, mesmo que seja previsível que nos últimos anos a partir dessa data a empresa até há pouco liderada por Diogo da Silveira tenha subido algumas posições nesta lista.

Mas não é na vertente da faturação que mais sobressaem os dotes da The Navigator Company. Por exemplo, nesse mesmo ano de 2015, a empresa portuguesa de pasta & papel estava classificada em 20º lugar a nível internacional do setor no que respeitava a lucros. Um feito que a torna mais apetecível perante os grandes tubarões do próprio setor ou com uma vertente exclusivamente financeira. E esta potencial voracidade poderá ser ainda mais impulsionada se atentarmos num outro indicador da Navigator: em termos de EBITDA em função do total de vendas conseguido nesse mesmo exercício de 2015, a Navigator conseguiu chegar à fasquia dos 25%, sendo apenas ultrapassada por quatro empresas que se encontravam à sua frente em faturação no ranking elaborado pela PwC: a Hengan International, de Hong Kong (com o EBITDA a valer 28% do respetivo volume de negócios); a unidade mexicana da Kimberly-Clark (40%); e as brasileiras Suzano (51%) e Fibria Celulose (VCP+Aracruz), com o EBITDA a representar 57% do respetivo volume de negócios.

E apesar destas recentes mudanças na liderança executiva da empresa, os diversos especialistas do setor contactados pelo Jornal Económico consideram que o futuro da Navigator passa pelo crescimento por via aquisitiva. Com investimentos em curso em Portugal na vertente da produção de papel e de tissue nas suas diversas unidades industriais, parece evidente que o próximo passo do grupo para o crescimento passa pela aquisição de fábricas especializadas na conversão de bobines de papel em produtos acabados com maior valor acrescentado e mais margem de lucros junto dos consumidores. E também mais perto desses consumidores finais, para reduzir custos de produção, nomeadamente ao nível dos transportes. E neste sentido, as maiores probabilidades de surgirem investimentos da The Navigator Company nos próximos tempos, tendo em conta um relativo desafogo e disponibilidade de cash no balanço passa por Espanha, em particular na Catalunha, como o Jornal Económico avançou em primeira mão a 29 de outubro de 2017, ou em França, como diversas fontes nos adiantaram durante esta semana. Precisamente onde existem unidades industriais com solidez financeira e know how na produção de produtos acabados e convertidos de papel, como tissue, e que se encontram localizados muito mais perto dos grandes mercados consumidores europeus, como a própria França, a Alemanha, a Itália e toda a Europa Central, por exemplo.

No relatório e contas referente a 2018, recentemente divulgado, os responsáveis da empresa consideram que, no negócio de pasta, “sem anúncios de aumentos significativos de capacidade de produção de pasta para mercado nos próximos três anos e alavancadas no potencial crescimento da procura de pasta, designadamente pela China e sua expansão de capacidade de tissue, é expectável que as taxas de utilização de capacidade aumentem e permitam manter o nível do preço da pasta hardwood em níveis historicamente elevados”.

“A Navigator implementou com sucesso o aumento de preços anunciado em Novembro na generalidade dos seus produtos. Em simultâneo, a empresa está a arrancar com a sua nova fábrica de tissue em Cacia, que iniciou a produção de bobines em Setembro. O forte esforço comercial desenvolvido ao longo de 2018 permite perspetivar uma boa colocação da nova produção junto dos clientes, estando a empresa empenhada em crescer a sua quota de mercado acima do crescimento médio de mercado”, prevê a Navigator.

Já no caso do papel UWF, “espera-se em 2019 uma revitalização da procura na Europa nos primeiros meses do ano, principalmente nos mercados do centro, sul e este europeus”, enquanto na Europa ocidental, “os produtores têm vindo a implementar com sucesso o aumento de preço de UWF de 4% a 8% desde o início de janeiro”.

“Este enquadramento globalmente positivo para 2019 poderá, no entanto, sofrer com o acréscimo de alguns custos, em particular ao nível da energia, mantendo-se a preocupação com a evolução das taxas de câmbio, em particular do EUR/USD e EUR/GBP. Ao nível do ambiente internacional, as políticas favoráveis ao protecionismo e os seus efeitos colaterais poderão criar fatores adicionais de incerteza”, assinala a administração da empresa.

Cimentos valem 16% da faturação,Hotel Ritz e outros ativos fora da Semapa

A área dos cimentos não tem tido um desempenho tão brilhante. Fechou o ano passado com um volume de negócios de 482 milhões de euros, uma quebra de 3,4%. Apesar de estar presente na Tunísia, Líbano, Angola e Brasil, a participada do grupo para o setor, a Secil, contribuiu com apenas 16% para o volume de negócios consolidado do grupo. Mas tem conseguido resistir à quebra que há mais de dez anos se fez sentir no mercado interno da construção e das obras públicas.

“Em Portugal, as expectativas para 2019 são positivas. Os indicadores macroeconómicos apontam para um crescimento embora o nível de investimento público, condicionado pela gestão do défice seja um fator limitativo”, refere o relatório e contas da Semapa relativo a 2018. O mesmo documento acrescenta que, “após um crescimento estimado de 3,5% na produção do setor da construção em 2018, as previsões apontam para uma ligeira aceleração do seu ritmo de produção, antecipando-se um acréscimo real de 4,0% na atividade do setor em 2019”.

Nas frentes externas, a procura de cimento deverá diminuir no Líbano, enquanto no Brasil se prevê uma melhoria das condições. Há expectativas positivas para a Tunísia e para  Angola.

A Semapa detém ainda uma pequena empresa na área do ambiente, a ETSA, que faturou no ano passado menos de 25 milhões de euros. Valeu apenas 1% do volume de negócios e do EBITDA da holding. Uma mais recente aposta é a Semapa Next, uma unidade de negócio de capital de risco do grupo, em associação com a norte-americana Techstars, para apoiar e acelerar startups globais a partir de Lisboa.

Fora da Semapa, as herdeiras de Pedro Queiroz Pereira têm ainda interesses conhecidos na área hoteleira, turística e imobiliária, com projetos como a Quinta da Vialonga, Costa Terra (Grândola) e Herdade dos Fidalgos (Coruche), sendo de destacar o grande ativo do Hotel Ritz, no centro de Lisboa.

Artigo publicado na edição nº1978 de 1 de março do Jornal Económico

Ler mais
Recomendadas

‘Caso EDP’: empresa confirma que já foi notificada pelo DCIAP para ser constituída arguida

Em comunicado, a energética portuguesa afirmou que “em linha com as notícias divulgadas na imprensa portuguesa no final do dia de ontem, a EDP foi hoje notificada pelo DCIAP de que deverá, nos próximos dias, designar um legal representante que compareça no DCIAP, a fim de ser constituída arguida”.

Nova companhia aérea de Neeleman deverá iniciar voos em 2021

A Breeze Airways, fundada por David Neeleman, cuja saída da TAP foi anunciada recentemente, deverá iniciar os voos em 2021, um lançamento que foi adiado pela pandemia de Covid-19, avançou hoje a Bloomberg.

Salários da CGD aumentaram em 2019 com início de pagamento de bónus

Os salários da administração da CGD cresceram para 3,6 milhões de euros no ano passado, um aumento de 22,5% justificado com o início de um programa de pagamento de remunerações variáveis, que já estava previsto, revelou o banco.
Comentários