Sérgio Moro responde a Sócrates: “Não debato com criminosos pela televisão”

Sócrates acusou o juiz responsável pela Operação Lava Jato de só ser “ministro de Bolsonaro porque meteu Lula da Silva na cadeia”. Por sua vez, Sérgio Moro acusou o antigo primeiro-ministro português de ser um criminoso.

Antonio Lacerda / EPA

José Sócrates acusou Sérgio Moro de ser um “um ativista político disfarçado de juiz”. Em resposta, o juiz brasileiro declarou que não debate “com criminosos pela televisão.

O atual ministro da Justiça do Governo brasileiro de Jair Bolsonaro e responsável pela Operação Lava Jato respondeu desta forma ao antigo primeiro-ministro português envolvido na Operação Marquês por corrupção.

“Em relação à pessoa em particular, eu não debato com criminosos pela televisão. Então não vou fazer mais comentários”, disse Sérgio Moro à TV Record Europa, citado pela TVI24.

“Em todo o lugar do mundo é difícil lidar com esses crimes de grande corrupção, envolvem pessoas poderosas”, destacou o ministro na mesma entrevista.

“O sistema está preparado para outro tipo de criminalidade, mas todos os países precisam de avançar nessa área e enfrentar a grande corrupção”, defendeu Sérgio Moro

Numa entrevista à TVI na segunda-feira, 23 de abril, José Sócrates voltou a atacar o juiz da Operação Lava Jato.

“Um ministro que abusou das suas condições de juiz para favorecer a agenda politica. Capaz de validar escutas ilegais, capaz de prender contra a Constituição. Um ministro que apresentou um pacote anti-crime que viola o direito internacional. Só é ministro de Bolsonaro porque meteu Lula da Silva na cadeia”, afirmou José Sócrates.

Sócrates considera ministro brasileiro Moro “um ativista político disfarçado de juiz”

Recomendadas

Presidente da Câmara Municipal de Gaia e esposa vão a julgamento por peculato

O presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, e a esposa, vão a julgamento pelo crime de peculato por, alegadamente, usarem “como se fosse seu” um veículo elétrico do município.

“Maquiavel para Principiantes”. “Face àquilo que todos vimos, Eduardo Cabrita era o passageiro da vergonha”

“Face àquilo que todos vimos, Eduardo Cabrita era o passageiro da vergonha. O MAI é um ministério que tem muitos desafios, o ministro não fez tudo mal mas foi desastrado em alguns momentos. Cabrita respirava muita sobranceria na sua comunicação e pouca humanidade”, destacou Rui Calafate na edição desta semana do podcast do JE, que poderá ouvir esta terça no site, nas redes sociais e nas plataformas de streaming.

Tribunal da Relação condena três inspetores a nove anos de prisão no caso Ihor

O Tribunal da Relação de Lisboa condenou esta terça-feira os três inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) envolvidos na morte do cidadão ucraniano Ihor Homeniuk a uma pena de nove anos de prisão.
Comentários