Sérgio Moro responde a Sócrates: “Não debato com criminosos pela televisão”

Sócrates acusou o juiz responsável pela Operação Lava Jato de só ser “ministro de Bolsonaro porque meteu Lula da Silva na cadeia”. Por sua vez, Sérgio Moro acusou o antigo primeiro-ministro português de ser um criminoso.

Antonio Lacerda / EPA

José Sócrates acusou Sérgio Moro de ser um “um ativista político disfarçado de juiz”. Em resposta, o juiz brasileiro declarou que não debate “com criminosos pela televisão.

O atual ministro da Justiça do Governo brasileiro de Jair Bolsonaro e responsável pela Operação Lava Jato respondeu desta forma ao antigo primeiro-ministro português envolvido na Operação Marquês por corrupção.

“Em relação à pessoa em particular, eu não debato com criminosos pela televisão. Então não vou fazer mais comentários”, disse Sérgio Moro à TV Record Europa, citado pela TVI24.

“Em todo o lugar do mundo é difícil lidar com esses crimes de grande corrupção, envolvem pessoas poderosas”, destacou o ministro na mesma entrevista.

“O sistema está preparado para outro tipo de criminalidade, mas todos os países precisam de avançar nessa área e enfrentar a grande corrupção”, defendeu Sérgio Moro

Numa entrevista à TVI na segunda-feira, 23 de abril, José Sócrates voltou a atacar o juiz da Operação Lava Jato.

“Um ministro que abusou das suas condições de juiz para favorecer a agenda politica. Capaz de validar escutas ilegais, capaz de prender contra a Constituição. Um ministro que apresentou um pacote anti-crime que viola o direito internacional. Só é ministro de Bolsonaro porque meteu Lula da Silva na cadeia”, afirmou José Sócrates.

Sócrates considera ministro brasileiro Moro “um ativista político disfarçado de juiz”

Recomendadas

Ex-deputado Agostinho Branquinho nega tráfico de influências na construção de hospital em Valongo

“Não tenho nada a ver com o processo que diz respeito ao licenciamento camarário. Nunca, mas mesmo nunca, falei com alguém da câmara de Valongo, não estive em nenhuma reunião e nunca fui à câmara tratar deste assunto”, declarou o arguido.

Julgamento de Ricardo Salgado volta a ser adiado (com áudio)

O julgamento foi adiado a pedido do Ministério Público e marcado para 6 de julho.

“O Estado de Direito precisa como nunca de juristas fiéis aos seus valores tradicionais”

Ética, globalização e digitalização são três os grandes desafios que o ensino do Direito enfrenta neste momento, diz Jorge Pereira da Silva, Diretor da Escola de Lisboa da Faculdade de Direito da UCP.
Comentários