Sérgio Moro responde a Sócrates: “Não debato com criminosos pela televisão”

Sócrates acusou o juiz responsável pela Operação Lava Jato de só ser “ministro de Bolsonaro porque meteu Lula da Silva na cadeia”. Por sua vez, Sérgio Moro acusou o antigo primeiro-ministro português de ser um criminoso.

Antonio Lacerda / EPA

José Sócrates acusou Sérgio Moro de ser um “um ativista político disfarçado de juiz”. Em resposta, o juiz brasileiro declarou que não debate “com criminosos pela televisão.

O atual ministro da Justiça do Governo brasileiro de Jair Bolsonaro e responsável pela Operação Lava Jato respondeu desta forma ao antigo primeiro-ministro português envolvido na Operação Marquês por corrupção.

“Em relação à pessoa em particular, eu não debato com criminosos pela televisão. Então não vou fazer mais comentários”, disse Sérgio Moro à TV Record Europa, citado pela TVI24.

“Em todo o lugar do mundo é difícil lidar com esses crimes de grande corrupção, envolvem pessoas poderosas”, destacou o ministro na mesma entrevista.

“O sistema está preparado para outro tipo de criminalidade, mas todos os países precisam de avançar nessa área e enfrentar a grande corrupção”, defendeu Sérgio Moro

Numa entrevista à TVI na segunda-feira, 23 de abril, José Sócrates voltou a atacar o juiz da Operação Lava Jato.

“Um ministro que abusou das suas condições de juiz para favorecer a agenda politica. Capaz de validar escutas ilegais, capaz de prender contra a Constituição. Um ministro que apresentou um pacote anti-crime que viola o direito internacional. Só é ministro de Bolsonaro porque meteu Lula da Silva na cadeia”, afirmou José Sócrates.

Sócrates considera ministro brasileiro Moro “um ativista político disfarçado de juiz”

Ler mais
Recomendadas

Luanda Leaks: Presidente da República diz que poder judicial é que tem o dever de validar matérias probatórias

O chefe de Estado disse que o “poder judicial é que tem, em cada momento, de formular o juízo sobre essas matérias, que são matérias probatórias e a relevância ou validade dessas matérias probatórias”.

Galpgate: Gestores da Galp vão a julgamento mas há arquivamento para políticos

Enquanto os gestores da Galp ainda podem ir a julgamento pelas ofertas de bilhetes e viagens ao Euro 2016, os políticos que auferiram dos mesmos vão ser o processo arquivado mediante o pagamento de uma multa, entre 650 euros e 4.800 euros, avança o Observador.

‘Luanda Leaks’: Isabel dos Santos vai processar consórcio de jornalistas

Os mais de 715 mil documentos que sustentam as várias reportagens a cargo de 120 jornalistas de 36 meios de comunicação social em 20 países, “foram obtidos criminosamente através de ‘hacking’ para criar uma falsa narrativa”, alega a empresária.
Comentários