Serviços Partilhados do Ministério da Saúde dão ajustes diretos de meio milhão de euros à NOS após viagem paga à China

Desde que cinco altos quadros dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SMPS) foram à China com despesas pagas pela NOS (e não pela Huawei, como fora noticiado), em junho de 2015, a referida entidade pública celebrou 10 contratos por ajuste direto com a operadora de telecomunicações, com um valor global superior a 490 mil euros. Os cinco dirigentes em causa já colocaram os respetivos cargos à disposição.

Edifício-sede da NOS, em Lisboa

A empresa parceira da Huawei que pagou a viagem à China de cinco altos quadros do Estado foi a NOS, segundo noticiou hoje o “Eco”, na sequência de uma notícia do “Expresso”. Das 14 pessoas que beneficiaram dessa oferta da NOS, cinco são funcionários da empresa pública Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS). O Jornal Económico consultou os dados que constam do portal de compras públicas Base e apurou que, depois da viagem à China (realizada em junho de 2015), a SPMS já concedeu 10 contratos por ajuste direto à NOS, com um valor global superior a 490 mil euros.

O caso está a ser investigado pelo Ministério Público. A viagem à China decorreu entre os dias 2 e 15 de junho de 2015 e, desde então, a SPMS concedeu uma dezena de contratos por ajuste direto à NOS, de acordo com o portal Base. O contrato mais avultado foi celebrado no dia 31 de maio de 2017, visando a “aquisição de serviços de ‘interactive voice response’ e comunicações de apoio ao serviço de ‘call center’ do centro de suporte da SPMS”, por um montante superior a 116 mil euros. O Jornal Económico questionou a NOS e a SPMS sobre estes dados, mas não obteve respostas.

Os cinco quadros da SPMS que beneficiaram das viagens pagas pela NOS foram os seguintes: Rui Gomes, da Direção de Sistemas de Informação; Nuno Lucas, do departamento de Comunicações, Infraestruturas, Produção e Segurança; Rute Belchior, da Direção de Compras Transversais; Ana Maurício, responsável de Comunicação e Relações Públicas; e Artur Trindade Mimoso, vogal executivo do conselho de administração da SPMS. Estes cinco dirigentes colocaram entretanto os respetivos cargos à disposição, comunicou hoje o Ministério da Saúde.

 

Atualização (29/08/2017): NOS confirma que pagou viagens e abre auditoria interna

Já durante a noite de segunda-feira (28 de agosto), a NOS confirmou o pagamento das viagens à China de cinco funcionários da SPMS, através de um comunicado enviado à Agência Lusa. Nesse comunicado, a operadora de telecomunicações salienta que “a organização de visitas de trabalho com convidados, cujas funções estejam relacionadas, com o objetivo de partilhar conhecimento, competências e planos de desenvolvimento tecnológico é uma prática empresarial comum e lícita.”

“Essa é uma forma sobejamente utilizada para conhecer as melhores práticas e as soluções mais avançadas que possam dar resposta às necessidades de empresas e instituições, em particular em indústrias tecnológicas,” acrescenta a NOS que, no entanto, ressalva que as regras internas “não prevêem a possibilidade de a empresa suportar, mesmo que parcialmente, custos de deslocações que não os dos seus próprios colaboradores.” Como tal, a Comissão Executiva da NOS informa que “decidiu apurar internamente o enquadramento e detalhe de um eventual envolvimento da empresa na referida viagem.”

Relacionadas

Ministro da Saúde adia decisão sobre dirigentes demissionários

Inspeção-Geral das Atividades em Saúde vai fazer um relatório sobre a viagem de quadros do Ministério pagas pelo operador de telecomunicações NOS.

Autoridade Tributária abre inquérito sobre viagem à China alegadamente paga pela Huawei

A Autoridade Tributária está a conduzir um inquérito sobre as circunstâncias que levaram destacados funcionários do Estado a aceitar uma viagem à China alegadamente paga pela empresa Huawei, apurou a Agência Lusa. Entretanto a Huawei negou ter pago a viagem.

Diretores do Ministério da Saúde e da Autoridade Tributária terão ido à China a convite e expensas da Huawei

Segundo o jornal “Expresso”, altos quadros do Estado beneficiaram de viagens pagas que incluíram visita à sede da Huawei, em Shenzhen. Em causa poderá estar a prática de um crime de recebimento indevido de vantagem, punível com cinco anos de prisão. O Ministério das Finanças já abriu uma investigação. Mas a Huawei nega ter pago.

Ministério Público abre inquérito às viagens de políticos à China a convite da Huawei

PGR confirmou ao Jornal Económico que o caso está a ser investigado pelo Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa.

Exonerado assessor do Governo que aceitou viagem paga pela Huawei

Adjunto do secretário José Luís Carneiro teria de provar se as despesas da sua viagem excederam ou não os limites impostos pelo Código de Conduta anunciado pelo ministro Augusto Santos Silva há um ano. Exoneração é agora noticiada pelo Expresso.
Recomendadas

Mercado automóvel sobe 3,3% até novembro, mas cai face a 2019

“Nos 11 meses de 2021, foram colocados em circulação 163.944 novos veículos, o que representou uma diminuição de 33,1% relativamente a 2019, apesar da comparação com 2020 mostrar um aumento de 3,3%”, indicou, em comunicado, a ACAP.

Covid-19: ANA diz que recuperação do tráfego está nos 50%, mas nova variante pode obrigar a rever previsões

A gestora aeroportuária diz que foi conservadora nas previsões que fez e que, por isso, está a ser surpreendida “pela positiva”, mas admite que a nova variante do SARS-CoV-2 poderá forçá-la a alterar projeções, devidos a possíveis cancelamentos.

UE só exportou metade do valor de produtos de energia verde importados em 2020

O valor das importações de painéis solares e biodiesel foi muito superior ao valor correspondente das exportações dos 27 Estados-membros destes bens para países fora da UE.
Comentários