Sesimbra: dominado fogo na encosta do castelo

O incêndio, segundo revelou à Lusa esta tarde fonte do Comando Territorial de Setúbal da GNR, obrigou à retirada de “cerca de 50 pessoas” que se encontravam “a visitar” o castelo, as quais foram transportadas para “local seguro”.

O incêndio que deflagrou hoje à tarde na encosta do castelo de Sesimbra (Setúbal) já se encontra dominado, desde as 18:30, tendo queimado mato, mas sem causar danos materiais ou vítimas, revelou a Proteção Civil.

“O incêndio encontra-se dominado, desde as 18:30, e não existem vítimas, nem danos materiais. Só queimou mato”, disse à agência Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Setúbal.

O fogo começou na Rua da Assenta, na encosta do castelo e, questionada pela Lusa sobre a alegada pluma de cinzas e o fumo que terá provocado sobre Sesimbra, a fonte do CDOS considerou a situação “normal”.

“Todos os fogos criam fumo e é normal que crie aquela pluma, o castelo é mesmo encostado a Sesimbra”, disse.

O incêndio, segundo revelou à Lusa esta tarde fonte do Comando Territorial de Setúbal da GNR, obrigou à retirada de “cerca de 50 pessoas” que se encontravam “a visitar” o castelo, as quais foram transportadas para “local seguro”.

De acordo com a mesma fonte, quando as chamas eclodiram “na zona envolvente ao castelo” encontravam-se nas instalações “cerca de 50 pessoas e entre 25 a 30 veículos”.

“Tenho a informação de que tanto as pessoas como os veículos já foram retirados, de forma progressiva, para evitar a confusão”, e foram, “calmamente, transportados para um local seguro”, disse.

Dessas pessoas retiradas do interior do castelo pela GNR, “ninguém apresentava ferimentos”, assinalou a mesma fonte da guarda.

As operações de combate ao incêndio mobilizavam, por volta das 19:00, 92 operacionais, apoiados por 27 veículos terrestres e um meio aéreo (um helicóptero), revelou a fonte do CDOS.

Recomendadas

Eletricidade. Desde 2009 que o valor da dívida tarifária não era tão baixo

A dívida vai afundar mil milhões em 2022, a maior descida registada desde 2008.

“Apoios de nove milhões foram cruciais para minimizar prejuízos”, revela presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto

“Esses apoios foram cruciais para, de alguma forma, minimizar aquilo que poderiam ser os prejuízos dos agricultores na venda das suas uvas”, revela Gilberto Igrejas. “Foram nove milhões de euros, na Região Demarcada do Douro, muito importantes para que o tecido produtivo não tivesse quebras superiores”, assegura o presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP), na edição do podcast “Conversas com Norte” que irá para o ar na próxima segunda-feira.

CGTP considera medidas na proposta de OE2022 insuficientes

A intersindical reconhece o mérito do desdobramento dos escalões do IRS, mas considera esta medida “manifestamente insuficiente” e pede mais rasgo no combate ao “modelo de precariedade” que vigora em Portugal.
Comentários