Sexta sessão em queda. Bolsa de Lisboa penalizada por perdas do BCP e Galp

Num quadro pintado de encarnado, a EDP Renováveis e a Sonae sobressaíram pela positiva, ao subirem ambas cerca 0,20%. Nas restantes praças europeias, igualmente pessimistas, destacam-se as transações de M&A da banca espanhola – desta feita, entre o Unicaja e o Liberbank.

José Manuel Ribeiro/Reuters

As bolsas europeias encerraram a sessão desta quinta-feira com sentimento pessimista. O principal índice bolsista português, PSI-20, foi um dos que terminou as negociações em baixa, com uma queda de 0,93% para os 4.049,52 pontos, para os 4.121,94 pontos, perfazendo a sexta sessão consecutiva em queda.

A penalizar a praça lisboeta estiveram sobretudo as desvalorizações do BCP, que caiu 1,63%, para 0,08 euros, e a Galp Energia, que tombou 3,60%, para 7,98 euros. Títulos como os da Semapa e Navigator caíram mais de 2%. A Jerónimo Martins deslizou 0,62%. Já a EDP Renováveis e a Sonae sobressaíram pela positiva, ao subirem 0,26% para 13,86 euros e 0,26%, para 0,572 euros, respetivamente.

Observando a performance dos demais índices europeus, denota-se que o alemão DAX caiu 0,29%, o francês CAC 40 deslizou 0,83%, o britânico FTSE 100 resvalou 1,25%, o holandês AEX perdeu 0,34%, o espanhol IBEX 35 recuou 0,16% e o italiano FTSE MIB desvalorizou 0,12%. O Euro Stoxx 50 ficou marcado por uma desvalorização de 0,64%.

Ramiro Loureiro, trader do Millennium bcp, esclarece que os receios em torno do ressurgimento dos casos de coronavírus, que está a levar a novas restrições à circulação na Europa, “e com o impacto económico que daí possa resultar, parecem gerar desconforto nos investidores”. O especialista do BCP refere ainda que em Espanha, a banca vive um ambiente de M&A dinâmico, “desta feita com rumores de que Unicaja e Liberbank estarão em conversações para uma possível fusão”.

Os analistas do Bankinter dizem que, para já, “a direção do mercado no médio prazo não se altera, mas faltam catalisadores e aumenta a volatilidade. O evento-chave nos próximos tempos será o desenlace eleitoral nos Estados Unidos, possivelmente ainda com mais peso do que a vacina”.

Em relação ao mercado petrolífero, o preço do ‘ouro negro’ está a cair ligeiramente. O valor do petróleo WTI, produzido no Texas, perde 0,15% para 39,87 dólares por barril, enquanto a cotação do barril de Brent está a desvalorizar 0,36% para 41,62 dólares.

Quanto ao mercado cambial, o euro desvaloriza os ligeiros 0,02% face ao dólar, para 1,1658 dólares, e a libra ganha 0,09% face à moeda dos Estados Unidos, para 1,2734 dólares.

Os analistas do XTB referem que euro-dólar está numa tendência de baixa durante esta semana. “Olhando para o intervalo H4, o suporte junto ao nível 1,1580 é uma zona bastante importante onde coincide também com os níveis de fibonacci, com a retração de 50%. Se os compradores conseguirem interromper as quedas nessa zona, um movimento de alta poderá vir a ganhar um novo impulso. Por outro lado, se houver uma quebra mais baixa, o movimento para baixo pode acelerar”, explicam, numa nota de mercado.

Ler mais

Recomendadas

Bolsa de São Paulo cai 4,25% com novas restrições na Europa face à pandemia

A bolsa paulista registou assim a sua quarta queda consecutiva, enquanto o dólar norte-americano continua a subir e hoje valorizou 1,31%, fechando a sua cotação em 5,75 reais (0,85 cêntimos de euro) para compra e venda.

Wall Street fecha em queda acentuada e Dow atinge o valor mais baixo desde julho

As ações foram castigadas pela 2.ª vaga da Covid-19. A crescente pandemia e o fracasso de Washington em alcançar um acordo em torno de um novo estímulo fiscal antes das eleições de 3 de novembro levaram todos os três índices de ações a fecharem em queda de mais de 3%. O petróleo também sofreu uma queda significativa.

Covid-19 arrasa bolsas. DAX tomba 4% e PSI-20 perde 2% com derrocada da Galp

O petróleo continua a tendência descendente devido às restrições em numerosos países para travar a segunda vaga da pandemia de Covid-19, sobretudo nos Estados Unidos e Europa. A queda de 5% arrastou para perdas de 7% as ações da Galp. O índice alemão DAX tombou mais de 4% e liderou as quedas, castigado pelo anúncio da Chanceler alemã de um novo lockdown parcial no país durante o mês de novembro.
Comentários