Sherlock pretende alcançar 200 propriedades até final de 2019

Plataforma imobiliária lançou uma ferramenta de inteligência artificial para fazer uma avaliação transparente das habitações.

A startup Sherlock lançou oficialmente na quarta-feira a sua plataforma imobiliária em Portugal, que permite uma avaliação instantânea das habitações para vendedores. A empresa que foi fundada em Portugal no ano de 2018 por quatro britânicos pretende gerir 5% do mercado e poupar à volta de 35 milhões de euros anuais para os vendedores em Portugal.

Um dos fundadores é Phil Ilic que em entrevista ao Jornal Económico, fala sobre as expetativas da startup neste mercado e de como pretende a Sherlock diferenciar-se de outras plataformas.

Quais as expetativas e objetivos da Sherlock com o lançamento do site?
A Sherlock lançou-se no Web Summit em 2018 e desde então temos provado o valor do nosso business model, angariámos uma série de seed funding, temos construído a nossa tecnologia e estamos a preparar o lançamento oficial da nossa marca e do nosso website para o público português.

Temos estado a construir a nossa capacidade nos últimos meses, a treinar os colaboradores e a trabalhar arduamente para que possamos oferecer aos vendedores e compradores uma incrível experiência de consumidor neste lançamento oficial. As nossas expetativas agora são lançar a Sherlock na visão do público como uma alternativa verdadeira à indústria imobiliária tradicional e manter a promessa de oferecer uma excelente experiência.

De que forma pretende a Sherlock destacar-se no mercado imobiliário de outras plataformas?
A Sherlock é a primeira, e maior, empresa imobiliária online em Portugal, em termos de rendimento. A indústria imobiliária online está apenas a começar aqui mas o potencial de crescimento é muito relevante. O que nos faz destacar é a nossa dedicação à experiência do consumidor o que muito pouco ou até mesmo nenhum concorrente, quer as agências tradicionais ou as empresas offline, conseguem corresponder.

Estamos a construir funções que nenhuma outra empresa terá em Portugal, o que fará do processo de compra e venda imobiliária muito mais simples, acessível e no geral sem stress. Somos a primeira agência imobiliária em Portugal que oferece uma ferramenta de avaliação instantânea de inteligência artificial que se encontra disponível no nosso website, onde vendedores podem analisar de forma precisa quanto vale a sua propriedade.

São esperadas mais ferramentas tecnológicas da Sherlock nos próximos meses: desde reservas instantâneas a apartamentos em que o comprador está interessado até pré-aprovações de hipotecas instantâneas. O nosso objetivo é tornar o processo simples, acessível e até o mais prazeroso possível. Acredito que não existe outra agência imobiliária online ou offline em Portugal que se assemelhe ao que a Sherlock oferece ou irá oferecer nos próximos meses.

Como funciona a nova ferramenta artificial de avaliação das propriedades?
É bastante simples do ponto de vista de um cliente – basta dirigir-se ao nosso website, clicar no link que diz ‘receber avaliação’, preencher alguns detalhes sobre o seu apartamento, e irá receber uma avaliação instantânea e algumas informações interessantes sobre o seu apartamento nos seu e-mail. A ferramenta funciona melhor em áreas de alta densidade populacional, tais como Lisboa ou Porto. De uma perspetiva tecnológica é muito mais complicado. Esta ferramenta é feita através de inteligência artificial e é baseada em estatísticas que podem mostrar de forma precisa o valor, baseado em recolha de informação.

A empresa consegue atualmente poupar mais de dois milhões de euros em comissões de agência. Esperam aumentar essa verba? Para quantos milhões?
A Sherlock tenciona ganhar 5% das transações imobiliárias em Portugal por ano, nos próximos três anos. Equivale a mais de oito mil transações e poupanças para o consumidor português em mais de 37 milhões de euros por ano, algo de que iremos estar muito orgulhosos quando atingirmos esse valor. Significa que os vendedores portugueses terão mais 37 milhões de euros nos seus bolsos.

Quais os investimentos que a Sherlock tem preparados para o futuro próximo?
Os grandes investimentos da Sherlock serão na tecnologia onde estamos a construir ferramentas que farão do processo, para compradores e vendedores, muito mais eficiente e acessível.

Têm algum limite definido em termos de financiamento de investidores nacionais e
estrangeiros para superar os 400 mil euros até a esta data?
A Sherlock angariou 400 mil euros até hoje e tem planos para angariar uma ronda de série A nos próximos anos.

Quantas propriedades esperam adquirir até ao final do ano?
Desde o nosso soft launch temos conseguido 80 propriedades até ao momento mas o nosso crescimento está apenas a começar a aumentar e devemos atingir até 200 propriedades até ao fim de 2019. Estamos neste momento a construir a nossa capacidade, a treinar colaboradores e a construir a tecnologia para sermos capazes de gerir mil propriedades por ano. Esperamos atingir 5% do mercado em três anos, o que representa oito mil propriedades anualmente e, como mencionado, poupanças estimadas para o vendedor português em 37 milhões de euros.

Quais os valores médios das 60 propriedades online?
Temos agora 80 propriedades registadas num valor de 36.250 euros e o valor médio é por volta de
300 mil euros. Mas também temos um intervalo de valores desde 180 mil euros até dois milhões. Num apartamento em Lisboa de valor médio de 250 mil euros, poupamos 12 mil euros.

Ler mais
Relacionadas

Plataforma imobiliária cobra comissão fixa por vender casas

A Sherlock fundada em Lisboa no ano passado por quatro britânicos tem planos para ganhar 5% do mercado e poupar à volta de 35 milhões de euros anuais para os vendedores em Portugal.
Recomendadas

Startup Gooders chega a Portugal para recompensar voluntários com moedas virtuais

A empresa brasileira quer unir organizações não-governamentais, empresas e voluntários em prol da responsabilidade social. Entre os parceiros nacionais estão Cofina, Dott, ProdTo e Sharkcoders.

PremiumGuestReady gere alojamentos no valor de 51 milhões em Portugal

Empresa de gestão de alojamentos locais gere imóveis avaliados em mais de mil milhões de euros. É preciso pensar em grande”, diz o fundador.

Empreendedorismo é o que vai permitir salto qualitativo no turismo, defende consultor estratégico da EY

O consultor da EY, Augusto Mateus, salientou que para dar esse salto qualitativo é preciso “conhecimento e capacidade de pensar e agir”.
Comentários