SIC angaria 51 milhões de euros em empréstimo obrigacionista. Procura chegou aos 200 milhões

Os resultados da oferta pública de subscrição das “Obrigações SIC 2019-2022” foram apresentados esta sexta-feira. Cerca de 10.500 investidores subscreveram às obrigações da SIC e quiseram investir 200 milhões de euros. “Vamos alongar a maturidade média da nossa dívida”, revelou Francisco Pedro Pinto Balsemão, CEO do Grupo Impresa.

A SIC emitiu 51 milhões de euros em obrigações, mas as a procura quis investir cerca de 200 milhões de euros. As “Obrigações SIC 2019-2022” têm maturidade até 2022 e os cerca 10.500 investidores terão uma remuneração fixa bruta de 4,5%.

Com os 51 milhões de euros encaixados, a Impresa vai “alongar a maturidade média da nossa dívida”, anunciou o CEO do Grupo Impresa, dona da SIC, Francisco Pedro Pinto Balsemão. “Vamos substituir linhas de curto prazo com linhas de médio e longo prazo”, revelou. “A gestão do encaixe financeiro vai ser vai ser gerido à medida das nossas necessidades correntes e de gestão da nossa tesouraria. ”

Os resultados da oferta pública de subscrição das “Obrigações SIC 2019-2022” foram apresentados esta sexta-feira e a operação registou uma procura válida de 199,769,190 euros (cerca de 200 milhões de euros).

Assim, a procura superou em cerca de sete vezes o valor da oferta inicial, que tinha um montante de 30 milhões de euros. Depois, a SIC aumentou a oferta para 51 milhões de euros, sendo que também aqui a procura superou em cerca de quatro vezes o valor desta oferta final.

“Foi um procura significativa” salientou Filipa Franco, head of listing da Eurnonext Lisbon.

O número de investidores ascendeu a 10.426, o que, segundo a Euronext Lisbon, representa “o maior número de investidores numa emissão de dívida corporate em Portugal nos últimos seis anos”. Do universo de subscritores, cerca de 9.500 investiram dez mil euros.

Apesar da rapidez do processo, que se iniciou a 13 de maio quando a SIC teve a primeira reunião com a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, este empréstimo obrigacionista “não foi um passeio no parque”, revelou o CEO do Grupo Impresa.

Isabel Ucha, presidente da Euronext Lisbon, disse que se tratou de uma “operação relevante”, por “foi realizada por subscrição pública atraindo cerca de 10.500 subscritores individuais”.

Além disso, a presidente da Euronext frisou “interesse da operação junto da comunidade de investidores” porque a operação “colocou um montante relevante superior ao que inicialmente tinha sido previsto”. “E demonstra que os mercados de capitais têm mecanismos de financiamento para empresas de diversos setores e diferentes características”, disse.

A liquidação da oferta vai realizar-se no dia 10 julho, data a partir da qual os títulos serão admitidos na Euronext e disponíveis para negociação.

A operação foi montada pela Caixa Geral de Depósitos e pelo Novo Banco, tendo a assessoria jurídica ficado a cargo da sociedade Vieira de Almeida.

(atualizada às17h17 com declarações dos intervenientes)

Ler mais

Relacionadas

Emissão de dívida da SIC passa para 51 milhões de euros

Em comunicado enviado à CMVM, o canal de televisão do grupo Impresa adianta que não vai “requerer outra adenda ao prospeto para aumentar o valor nominal.

Liderança da SIC é “momento certo” para oferta, diz CEO da Impresa

Francisco Pedro Balsemão realça ao Jornal Económico que o objetivo desta operação passa por alcançar melhoria dos resultados operacionais nos próximos três anos.
Recomendadas

Lay Off: O subsídio de alimentação está incluído na remuneração normal ilíquida?

Rita Garcia Pereira, advogada e mestrada em direito do trabalho, analisou para o “Jornal Económico” algumas das questões mais prementes para os trabalhadores que forem alvo de ‘lay off’.

BPI permite moratória nos créditos não abrangidos por lei do Governo

O banco permite ainda que os clientes com crédito pessoal e ao financiamento automóvel tenham carência de capital de seis meses.

Transportes de mercadorias apelam a mais medidas do Governo para apoio ao setor

A clarificação das linhas de crédito para as empresas transitárias e o pagamento dos direitos junto da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT); a injeção direta de capital nas empresas; e a articulação conjunta para conseguir fazer chegar a Portugal o equipamento médico proveniente de outros países, abrindo, para isso, ligações aéreas em cargueiros ou aviões de passageiros exclusivamente com carga são algumas das medidas reivindicadas pela APAT – Associação dos Transitários de Portugal.
Comentários