Sindicato dos Quadros Bancários: “Temos um fundo de greve canhão, com oito milhões de euros”

O Sindicato Nacional dos Quadros Técnicos Bancários aumentou o número de sócios e recuperou a sua capacidade financeira. E quer que os bancos comecem a partilhar os ganhos que já têm

Cristina Bernardo

O presidente do Sindicato Nacional dos Quadros Técnicos Bancários (SNQTB), Paulo Marcos, faz um balanço positivo da primeira metade do seu mandato, com o saneamento financeiro do sindicato e o reforço dos serviços oferecidos. Em entrevista ao Jornal Económico, sublinha, também, que os bancários ganharam capacidade de intervenção e que já é altura de começarem a partilhar os resultados positivos do setor. “Muito mal seria que os bancos, tendo voltado à rendibilidade, não tivessem níveis para, de forma razoável, partilhar isto com os seus trabalhadores”, diz.

Que balanço faz deste primeiro mandato na direção do SNQTB?

Nós tínhamos um programa de choque para renovar e mudar. Apresentámos sete medidas para os primeiros 80 dias, que tinham muito a ver com recuperação da solvabilidade e da liquidez [do sindicato], o que foi feito de forma exemplar e libertou recursos para aquilo que é essencial: tratar do bem-estar dos sócios, quer ao nível laboral, quer ao nível de saúde, cultura, recreio, turismo e, acima de tudo, formação.

A regularização da situação financeira foi uma promessa de campanha. O que foi feito?

Eu acho que a melhor coisa é falarmos sempre a verdade e nós, no que toca a parte financeira, somos muito conservadores; somos “uma dona de casa”. A primeira coisa foi fazer uma auditoria financeira para apurar a real situação, perceber que havia práticas não conformes com as normas contabilísticas e cujo cumprimento não é opcional. Este sindicato, que se dizia, por fama, que era o mais rico do país, o que não é verdade, tinha uma situação financeira com algum desequilíbrio: dívidas a fornecedores de curto prazo, nomeadamente na saúde; dívidas de curto prazo à banca e uma situação em que o endividamento era bastante superior à liquidez.

Entrevista publicada na edição semanal do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Ler mais
Relacionadas

Sindicato do Quadros admite pré-aviso de greve na CGD para dia 24

A acontecer será a segunda vez em 30 anos que este sindicato dos quadros (que tem 60 mil associados) convocaria uma greve na banca.

Sindicato dos bancários propõe atualização salarial de 1,4% para trabalhadores do setor

Em comunicado, o sindicato diz que se encontra em negociações com a APB para uma atualização salarial dos trabalhadores do setor, “cujas remunerações continuam sem refletir a recuperação financeira da banca”.
Recomendadas

Banco Interatlântico alerta para tentativa de ‘phishing’

O banco comercial cabo-verdiano diz os emissores da mensagem solicitam a atualização de dados pessoais do recetor sob a condição de bloqueio da conta bancária.

Lloyd´s e Santander Brasil nos ‘rankings’ da Fortune de empresas sustentáveis de 2019

O Lloyds Banking Group, que tem à frente António Horta Osório, entrou para dois rankings da revista norte-americana: Fortune Change the World list 2019 e Fortune Change the World Sustainability All Star List. No primeiro está em 31º lugar e no segundo em 3º. O Santander Brasil figura no Top10 dos dois.

Lucros de seis bancos em Angola afundam 28% no primeiro semestre

A crise que se instalou neste país africano obrigou as instituições bancárias a procurem alternativas de negócios que os permitisse maximizar os seus resultados
Comentários