Sindicato dos trabalhadores dos correios apela à renacionalização dos CTT

“É urgente a renacionalização dos CTT”, pode ler-se no comunicado, que defende a “reversão da privatização dos CTT” como “solução para haver um serviço postal de qualidade e universal”.

O Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações (SNTCT) apelou hoje à renacionalização “urgente” dos CTT como “solução” para um serviço de “qualidade e universal”, de acordo com um comunicado enviado à imprensa.

“É urgente a renacionalização dos CTT”, pode ler-se no comunicado, que defende a “reversão da privatização dos CTT” como “solução para haver um serviço postal de qualidade e universal”.

É que “a maioria dos portugueses e muitos dos seus representantes sabem que a privatização dos CTT foi um erro”, considera o sindicato.

O SNTCT remete a tomada de decisões para “o Governo e o partido que o suporta [PS]”, mas considera que ambos estão a “arranjar desculpas, a empatar, a ‘chutar’ para o Regulador [ANACOM], a enganar os portugueses, com medo de afrontar os interesses financeiros que dominam os CTT”.

O sindicato diz que, “para o Governo, o capital é quem mais ordena mesmo no que diz respeito à destruição dos serviços públicos”, e acusa o ex-ministro das Infraestruturas Pedro Marques, o primeiro-ministro António Costa e o Governo de não terem “coragem política de tomar posição”.

De resto, de acordo com o SNTCT, “o Estado já está a financiar os CTT”, através da passagem das estações de correio para as juntas de freguesia, “por isso, é falacioso que o Governo diga que não interfere” na empresa, por ser privada.

“Também a TAP era, também a banca era, também a REN é e o Governo está a estudar a possibilidade de entrar no seu capital”, acrescentou o SNTCT.

O sindicato argumenta que “no último ano foram destruídas (encerradas) 84 estações de correios”, que “já há 38 municípios sem estações de correios”, e que “os CTT querem alargar este número para 48”.

“Todos, populações, comércio e empresas, têm denunciado a falta de qualidade e o atraso com que o serviço de correios é prestado”, afirmam os representantes dos trabalhadores.

O sindicato apresentou, no comunicado, valores das contas da empresa entre 2013 e 2017, com o lucro a totalizar 300,2 milhões de euros e a distribuição de dividendos 311 milhões de euros, referindo que a qualidade do serviço foi progressivamente piorando.
“O Estado deixou de receber 311 milhões de euros, os CTT já só valem 466 milhões de euros e o serviço postal está completamente degradado e cada vez menos universal. A renacionalização dos CTT custaria 10% do que o Estado suporta com o BES/Novo Banco”, conclui o SNTCT.

Ler mais
Recomendadas

Rede internacional de cabeleireiros critica promoção de “prestação de serviços de beleza ao domicílio”

A Jean Louis David, impedida de trabalhar devido às proibições decretadas pelo Governo durante o confinamento geral, “não considera aceitável que esta situação possa existir”, referindo-se à publicação do estudo que aborda o aumento da procura por estes serviços fornecidos em domiciliário.

Tecnológica IBM expande serviços de cloud híbrida com banca e saúde na mira

A “IBM Cloud Satellite” pretende permitir aos clientes – altamente regulados e com um grande volume de informação para processar -controlarem o armazenamento das suas informações e de grandes quantidades de dados online.

United Airlines encomenda 25 novos Boeing 737 Max para 2023

Os modelos 737 Max da companhia aérea estiveram sem voar desde março de 2019, depois de dois acidentes na Indonésia e na Etiópia terem causado a morte de 346 pessoas.
Comentários