PremiumSindicato: Governo Regional está a tentar “corrigir injustiças”

O Sindicato dos Técnicos Superiores de Saúde das Áreas de Diagnóstico e Terapêutica (TSDT) pede igualdade para quem tem o mesmo grau académico e profissional.

O presidente do Sindicato dos Técnicos Superiores de Saúde das Áreas de Diagnóstico e Terapêutica (TSDT), Luís Dupont, pede equidade e justiça no tratamento dado aos profissionais do sector. Em declarações ao Económico Madeira, Luís Dupont refere que se não existir a entrada de mais Técnicos Superiores de Diagnóstico e Terapêutica na Região Autónoma da Madeira (RAM), alguns serviços poderão ficar comprometidos. O dirigente referiu que o Governo Regional mostrou disponibilidade para contratar mais profissionais, mostrando uma postura do Governo Regional diferente da do nacional, pois “tem a noção das injustiças” criadas a nível Nacional e mostrou intenção de as corrigir.

Como está a situação dos TSDT na Madeira?

A situação atual dos TSDT da Madeira, é semelhante à dos restantes colegas do Continente e da Região Autónoma dos Açores. Todos viveram ao longo dos últimos anos uma situação de injustiça, que esperavam que, com a revisão da carreira, fosse corrigida. Esta injustiça-se verifica-se face a outros grupos profissionais de igual nível académico e profissional, com o mesmo grau de autonomia profissional. Com a publicação do Decreto Legislativo 25/2019, que regulamentou a revisão da carreira a nível de transições e a nova grelha salarial, essa situação não melhorou, pelo contrário, em algumas situações conseguiu piorar. Esperamos conseguir reverter esta situação que é de elementar justiça.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor (Edição Económico Madeira 5 de abril).

Recomendadas

PremiumFed aparece para resgatar as bolsas

Tinha acontecido em dezembro e voltou a suceder na semana passada. Perante um recuo de 7,5%, a Fed mudou o discurso e deu suporte.

PremiumFreeport Outlet prevê crescimento de 25% na faturação este ano

Nuno Oliveira, responsável pelo espaço, revela que turistas comunitários e extracomunitários já representam 20% da faturação.

PremiumFundação AIP diz que instalações para a Web Summit implicam custo de 90 milhões

Jorge Rocha de Matos defende a urgente negociação de uma solução provisória para o alargamento da FIL no Parque das Nações, de forma a responder às necessidades do Web Summit. Para o presidente da Fundação AIP, só será possível construir o projeto de expansão definitivo da FIL durante um período dilatado de 10 anos. Será um investimento, faseado, de 150 milhões de euros, incomportável se for concentrado em três anos.
Comentários