Sindicato XXI levanta greve no terminal de contentores de Sines

Foi proposto o estabelecimento de um prazo limite para finalizar esta negociação, que termina no dia 26 de Agosto”, acrescenta o comunicado do Sindicato XXI.

A greve decretada pelo Sindicato XXI, no terminal de contentores de Sines, foi levantada pela própria organização sindical a partir da meia noite deste domingo.

“Após ter sido feito o ponto de situação atual da greve, da reunião ontem do Ministério do Mar, e todos os esclarecimentos pedidos pelos associados e colegas, foi proposto em plenário, o levantamento da greve para permitir à PSA/Laborsines que tenha liberdade para finalizar o acordo com o Sindicato XXI”, pode ler-se no ‘site’ ofical do Sindicato XXI.

Segundo esse mesmo comunicado, “a proposta foi levada a votação, tendo sido votada pelos presentes, com uma clara maioria, obtendo ainda 25 votos contra e oito abstenções”.

“O levantamento tem efeitos práticos a partir das 00.00h do dia 18 de agosto – domingo. Foi proposto também o estabelecimento de um prazo limite para finalizar esta negociação, que termina no dia 26 de agosto”, acrescenta o referido comunicado do Sindicato XXI.

De acordo com esta organização sindical, “também foi proposto a marcação de um plenário, que irá acontecer no dia seguinte, terça-feira, dia 27 de agosto”.

“Este passo é mais uma prova de abertura do sindicato para resolver este conflito, pois ao contrário do que certa comunicação social apregoa, de os trabalhadores serem intransigentes, eles são na realidade os primeiros a terem todo o interesse em superar a situação que está a decorrer”, defende o referido comunicado.

O Jornal Económico avançou, na edição ‘online’ do passado dia 14 de agosto, que o Sindicato XXI agravou as medidas de greve que surgiram em maio passado, desde as horas extraordinárias até a três horas por cada turno de trabalho, a partir da passada segunda-feira, dia 12 de agosto.

Na edição impressa do passado dia 16 de agosto, com base em fonte oficial da própria concessionária do terminal XXI, a PSA Sines, o Jornal Económico avançou que estava em risco o projeto de expansão do referido terminal, com um contrato de investimento acordado entre a empresa e o Estado português há poucas semanas, no valor de cerca de 547 milhões de euros.

A PSA Sines é uma subsidiária do terminal gerida por uma empresa estatal de Singapura, uma das maiores operadores de terminais de contentores em todo o mundo.

Essa mesma fonte oficial revelou que, até ao momento, o terminal de contentores de Sines sofreu uma quebra de movimentação de contentores, descida que se deverá confirmar no final desta ano, gravando o primeiro ano de quebra desde que a empresa está em atividade.

Após várias tentativas do Jornal Económico, foi impossível contactar algum responsável do Sindicato XXI.

Após um contacto efetuado pelo Jornal Económico na passada quinta-feira, dia 15 de agosto, o Ministério do Mar, na pessoa da ministra Ana Paula Vitorino, não quis comentar esta situação, posição que se mantém até ao momento.

Ler mais
Recomendadas

Mutualista diz que fusão do Montepio com BCP colide com os interesses dos associados

“O Banco Montepio dispõe de soluções de capital ajustadas às suas necessidades e encontrará o seu próprio caminho de estabilização”, garante a instituição liderada por Virgílio Lima. “Uma fusão desta natureza corresponderia à sua descaracterização, algo que colide com os interesses da Associação e dos associados”, defendem.

Grupo Os Mosqueteiros investe 25,3 milhões para abrir mais seis lojas Intermarché em Portugal

Este investimento irá permitir a criação de 265 novos postos de trabalho de norte a sul do país, asseguram os responsáveis do grupo francês de distribuição.

Tribunal espanhol adia audições dos responsáveis do CaixaBank sobre compra do BPI

Segundo a agência Efe, problemas técnicos impediram a audição telemática do presidente da Criteria e ex-presidente do CaixaBank. O julgamento que está em curso desde 2018 decorre de uma queixa de acionistas minoritários que se sentiram lesados com algumas operações inerentes à compra do BPI em 2017.
Comentários