Sindicatos da TAP foram avisados de que BE ia propor auditoria à gestão de Neeleman

A auditoria proposta pelo Bloco de Esquerda não será viabilizada no Parlamento. O projeto de resolução entregue pelo BE a recomendar ao Governo uma auditoria à gestão privada da TAP, não chegará a qualquer conclusão no sentido de saber quais são as efetivas responsabilidades do empresário David Neeleman na gestão da TAP e na situação financeira em que a companhia aérea se encontra.

A meio do processo de negociação entre a TAP e os sindicatos sobre o plano de reestruturação da companhia aérea, o Bloco de Esquerda (BE) propôs uma auditoria à gestão privada da TAP que apenas terá apoio à esquerda – do PCP, do PAN e de Os Verdes –, esbarrando com a oposição da IL, do CDS-PP, do PSD e do PS. Os sindicatos da TAP foram avisados pelo BE desta iniciativa.

A TAP não comenta, remetendo a “política para a política”. Ricardo Penarroias, diretor do Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) – recordando que o seu sindicato é independente e que não se quer colar a qualquer iniciativa partidária –, adianta ao Jornal Económico que, “pessoalmente não tenho nada contra porque uma auditoria permitiria esclarecer se a TAP teria ou não direito a apoios relacionados com os efeitos da crise pandémica da Covid-19, ou se, pelo contrário, por causa de problemas de gestão privada, não teria acesso a esses apoios”.

“Não me choca que seja proposta uma auditoria, mas isso é a minha posição a título pessoal”, sublinha o sindicalista, explicando que a sua posição não vincula o SNPVAC. Apesar dos sindicatos terem sido avisados pelo BE, as posições assumidas pelos partidos também não deverão viabilizar a auditoria. “Essas são questões políticas que ficam entre os partidos”, comenta ainda Ricardo Penarroias.

Assim, o projeto de resolução entregue pelo BE no Parlamento a recomendar ao Governo uma auditoria à gestão privada da TAP, não chegará a qualquer conclusão no sentido de saber quais são as efetivas responsabilidades do empresário David Neeleman na gestão da TAP e na situação financeira em que a companhia aérea se encontra, e se lesou, ou não, o interesse público.

Num contexto diferente, e sem viabilizar a proposta de auditoria do Bloco, o IL e o PSD poderão concordar com outro tipo de auditoria. O IL poderá mesmo querer esclarecer o âmbito da reversão da privatização da TAP e a consequente renacionalização da companhia.

Sobre as negociações que decorrem entre a TAP e os sindicatos relativas ao plano de reestruturação da companhia, os sindicatos não pretendem fazer comentários sobre as propostas que vão sendo debatidas. No entanto, o CEO interino, Ramiro Sequeira, enviou recentemente um comunicado aos trabalhadores da companhia a referir que “continuamos a dialogar com todas as entidades representativas dos trabalhadores e estamos a envolver progressivamente todas as áreas”.

“De novo asseguramos que assim tenhamos todos os detalhes definidos, os mesmos serão comunicados a toda a organização”, adiantou no comunicado, referindo que “permanecemos convictos que o plano de reestruturação do Grupo TAP apresentado, que agora carece de definição e implementação concreta, permitirá o seu gradual e progressivo reequilíbrio económico-financeiro e, dessa forma, assegurará a sua sobrevivência sustentável”.

O CEO interino da TAP adianta, no mesmo comunicado, que a companhia teve de reajustar o seu plano de voos aos desenvolvimentos entretanto registados na evolução da pandemia da Covid-19. Assim, Ramiro Sequeira anunciou que no primeiro trimestre de 2021 a TAP prevê “voar em fevereiro entre 19% e 22% dos níveis voados em fevereiro de 2020, na pré-pandemia” e que, em março, estima “uma oferta de voos entre os 25% e os 28% face a março de 2020, que foi o primeiro mês em que sentimos o impacto da pandemia, durante o qual cortamos a nossa capacidade em 34%”, refere.

Ler mais

Recomendadas

Covid-19: PCP quer apoios a 100% para pais “imediatamante e com efeitos retroativos”

Intervindo numa sessão pública, em Lisboa, Jerónimo de Sousa lamentou que “PS, PSD e CDS-PP” tenham rejeitado na Assembleia da República a proposta do PCP que previa “o pagamento do salário a 100% a quem está em assistência a filhos até aos 16 anos, enquanto as escolas se mantiverem encerradas”, devido à pandemia de Covid-19.

PremiumEconomistas alertam para risco de crise financeira

O volume moratórias de crédito quando comparado com o resto da Europa deixa antecipar fortes impactos na banca no pós-Covid.

PremiumUnião Europeia não pode continuar “em velocidade lenta”

O painel do Observatório “A Recuperação Económica depois da Covid-19” sobre ‘O papel da Europa e os desafios para o futuro no contexto global’ foi unânime em considerar que a UE deu, no contexto de combate à pandemia, mais uma prova da sua endémica lentidão.
Comentários