SITAVA critica administração da ANA

Sindicato acusa gestora aeroprituária de não estar a cumprir o acordo de empresa com os trabalhadores.

O SITAVA – Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e dos Aeroportos lançou hoje, dia 7 de agosto, em comunicado, fortes críticas à administração da ANA – Aeroprotos de Portugal, controlada pelo grupo francês Vinci.

“Chegados ao mês de agosto, começa a ficar evidente que a Covid-19 tem servido de desculpa para tudo, incluindo para a não concretização do SAD (Sistema de Apoio ao Desempenho interno], o que tem atrasado o desenvolvimento nas carreiras profissionais”, denuncia o referido comunicado, acrescentando que “é hora de relembrar que os trabalhadores têm correspondido de forma ‘voluntária’ às medidas de mitigação propostas pela ANA – Aeroportos de Portugal, reduzindo tempos de trabalho e, consequentemente, os seus salários”.

O comunicado do SITAVA recorda, ainda, que “no que diz respeito aos horários de trabalho, os trabalhadores têm, de forma muito compreensiva, acedido a horários com irregularidades à margem do acordo de empresa, mas
em prol de mais medidas de mitigação e para a segurança de todos, evitando hipotéticas contaminações em grupo”.

“É hora de relembrar também que os sindicatos e os trabalhadores acederam em adiar a revisão salarial que estava prevista para 2020. Mas o SITAVA e os trabalhadores sabem que, apesar dessa onda de ‘solidariedade’ à volta
deste flagelo, o acordo de empresa não está suspenso e, por isso, o seu conteúdo tem de ser cumprido pelas partes!”, exige o SITAVA.

O sindicato prossegue as críticas, reiterando que o que está definido no Anexo III (Sistema de Carreiras, cláusula
5ª – Desenvolvimento nas Carreiras Profissionais) “tem de ser cumprido, não sendo da responsabilidade dos trabalhadores eventuais falhas no cumprimento do estipulado!”.

“Será que a empresa ANA, com tão bons resultados operacionais nos últimos anos, quer ‘assobiar para o lado’ com a evocação da Covid-19, no que diz respeito às reais expectativas dos seus trabalhadores?”, questiona-se a direção do SITAVA.

Os responsáveis do sindicato assinalam que “nunca é demais relembrar que a ANA teve, nos últimos sete anos, 1.173,2 milhões de euros de lucros, sendo que, só em 2019, para um volume de negócios de 847 milhões de euros, os custos com pessoal representavam menos de 10% desse valor!”.

“O SITAVA não aceita que, mais uma vez, sejam os trabalhadores a pagar a fatura e a contribuir para os dividendos do acionista Vinci, e desafia a ANA – Aeroportos de Portugal a ‘voluntariar-se’, cumprindo assim com os seus trabalhadores a avaliação de desempenho e a consequente evolução na carreira”, conclui o comunicado do SITAVA.

Ler mais
Recomendadas

BNI Europa agravou prejuízos para 6,6 milhões de euros até junho

O ativo líquido total era em junho passado de 351,5 milhões de euros, neste caso menos 66,5 milhões de euros face a junho de 2019.

Banco de Portugal obriga financeiras em regime de livre prestação de serviços a reporte

Centenas as instituições estão registadas em Portugal como instituições de crédito da União Europeia em regime de livre prestação de serviços e entidades de moeda eletrónica com sede na Europa em regime de livre prestação de serviços, caso dos bancos digitais N26, Openbank ou Revolut.

Transportes Metropolitanos de Lisboa aprovado pelo Conselho Metropolitano

A Área Metropolitana de Lisboa detém a totalidade da empresa, que vai o património da empresa OTLIS – Operadores de Transportes da Região de Lisboa.
Comentários