SITAVA denuncia despedimento coletivo “ilegal” na Ryanair e na Groundlink

O sindicato avisa que entrou de imediato em contacto com a DGERT – Direção Geral do Emprego e das Relações de Trabalho e, “apesar de as empresas não nos terem comunicado esta intenção de despedimento, lá estaremos na primeira fila a defender os interesses dos trabalhadores”.

O SITAVA – Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos denuncia, em comunicado, que a transportadora aérea ‘low cost’ Ryanair e a sua participada para as operações de ‘handling’, a Groundlink, estão a iniciar um processo de despedimento coletivo dos seus trabalhadores de forma ilegal.

Intitulado “Ryanair – Piratas no ar, piratas em terra!”, o comunicado do SITAVA revela que “os trabalhadores da Ryanair e da Groundlink foram surpreendidos hoje [ontem, dia 23 de outubro] ao final da tarde com a comunicação da intenção das empresas de proceder a um despedimento coletivo!”

Considerando-a uma “comunicação fria, desumana e ilegal”, os responsáveis do SITAVA admitem, no entanto, que esta atitude do grupo liderado por Michael O’Leary não é “nada que nos surpreenda (ou a quem quer que seja)”, acusando a Ryanair de ser “uma empresa parasita da aviação e da economia nacional, useira e vezeira de abusos e ilegalidades, perante a habitual cumplicidade das autoridades”.

“De imediato entrámos em contacto com a DGERT [Direção Geral do Emprego e das Relações de Trabalho] e, apesar de as empresas não nos terem comunicado esta intenção de despedimento, lá estaremos na primeira fila a defender os interesses dos trabalhadores (queira a Ryanair ou não!)”, assegura o referido comunicado do SITAVA.

Os responsáveis do sindicato recordam que, “nos termos do Código do Trabalho, as comunicações que devem ser feitas em caso de despedimento coletivo (Artigo 360.º – Comunicações em caso de despedimento coletivo), o empregador que pretenda proceder a um despedimento coletivo comunica essa intenção, por escrito, à comissão de trabalhadores ou, na sua falta, à comissão intersindical ou às comissões sindicais da empresa representativas dos
trabalhadores a abranger”.

O SITAVA acrescenta que da comunicação a que se refere o número anterior devem constar os motivos invocados para o despedimento coletivo; o quadro de pessoal, discriminado por sectores organizacionais da empresa; os critérios para seleção dos trabalhadores a despedir; o número de trabalhadores a despedir e as categorias profissionais abrangidas; o período de tempo no decurso do qual se pretende efetuar o despedimento; e o método de cálculo de compensação a conceder genericamente aos trabalhadores a despedir, se for caso disso, sem
prejuízo da compensação estabelecida no artigo 366.º ou em instrumento de regulamentação coletiva de trabalho.

“Mais recordamos aos trabalhadores, que no caso da Ryanair, a convenção de trabalho aplicável é o Contrato Colectivo entre o SITAVA e a RENA — Associação das Companhias Aéreas em Portugal, que foi alvo de Portaria Extensão (n.º 355/2017 de 16 de novembro), publicada no Diário da República, 1.ª série — N.º 221 — 16 de novembro de 2017 e que, portanto, mesmo no pior cenário (concretização do despedimento), os cálculos das indemnizações terão que ser feitos por este CCT [Contrato Coletivo de Trabalho]!”, asseguram os responsáveis do SITAVA.

O comunicado do sindicato termina com um apelo para que “os trabalhadores se organizem em torno do SITAVA”, fazendo antever uma dura batalha sindical e jurídica entre esta organização representativa dos trabalhadores e as empresas do Grupo Ryanair.

Recomendadas

Qual a situação epidemiológica da Covid-19 em Portugal? Acompanhe em direto a reunião do Infarmed

Acompanhe em direto a reunião do Infarmed sobre a situação epidemiológica em Portugal.

Aquila European Renewables faz aumento de capital de 90 milhões abaixo da meta

As novas ações da Aquila Capital, especializada em renováveis, foram admitidas à cotação no Mercado Principal da Bolsa de Valores de Londres no passado dia 14 de setembro.

Ferrovia perdeu mais de 20 milhões de passageiros em Portugal no primeiro trimestre

Portugal foi o sexto país da União Europeia que mais passageiros transportados por comboio perdeu no primeiro trimestre deste ano.
Comentários