Situação de coronavírus em Lisboa deve-se a “más chefias e pouco exército”, diz Fernando Medina

“Isto é um alerta claro: chefias, qualidade das chefias. Ou dão provas de conseguir ou se não dão provas de conseguir agora é essencial que sejam mudadas agora, não é daqui a uma semana, 15 dias ou um mês”, disse o autarca de Lisboa na TVI24 ontem à noite.

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, considera que o aumento do número de infetados por Covid-19 na região se deve a “más chefias” e à falta de profissionais no terreno, exigindo respostas rápidas.

Fernando Medina disse na segunda-feira no espaço de comentário na TVI24 que “com maus chefes e pouco exército não é possível ganhar esta guerra”.

“É uma nota direta a todos os responsáveis relativamente a esta matéria, que é preciso agir rápido. Ou há capacidade de conter isto rápido ou então têm de ser colocadas as pessoas certas nos sítios certos”, sublinhou.

De acordo com o autarca, ou as chefias conseguem em poucos dias em matéria de saúde pública na região de Lisboa pôr ordem na casa e dar sinais claros de que têm a situação sob controlo ou têm de ser reavaliadas.

“Têm de ser reavaliadas nos sítios em que não funcionam naturalmente. Há sítios em que funcionam muito bem, noutros não estão a funcionar. Isto é válido ao nível local e regional. O ministério [da Saúde] tem de prestar uma atenção central a isto”, frisou.

No entendimento de Fernando Medina, que é também presidente da Área Metropolitana de Lisboa, o problema pode ser resolvido em parte com capacidade de direção e organização e recursos.

“Isto é um alerta claro: chefias, qualidade das chefias. Ou dão provas de conseguir ou se não dão provas de conseguir agora é essencial que sejam mudadas agora, não é daqui a uma semana, 15 dias ou um mês. Daqui a um mês é tarde e vamos estar a correr atrás de um prejuízo”, disse.

Na opinião do presidente da Câmara de Lisboa, é também essencial aumentar o “exército de saúde pública” no terreno.

“Esta questão que já está endereçada em parte pela admissão de mais 100 novos operacionais na área da saúde pública, mas na minha opinião tem que aumentar mais 100, mais 200, mais 300. Vamos buscar ao exército onde for, vamos buscar a qualquer sítio. Este exército de operacionais de saúde pública tem de aparecer já nos próximos dias”, sublinhou.

Fernando Medina destacou também como essencial a ação de equipas mistas, que juntam saúde, Segurança Social, Proteção Civil e Câmaras, os recursos para saber avaliar caso a caso se as pessoas têm ou não condições para estar confinadas e se não têm arranjar soluções.

No habitual espaço de comentário da TVI24, o autarca disse também que as falhas na região de Lisboa deveram-se a vários motivos, entre os quais o sentimento pela população de que o problema estava ultrapassado, uma falsa sensação de segurança e de vitória sobre o vírus e má preparação relativamente ao confinamento.

“Falhou também a ação no terreno naquilo que é o diagnóstico que é feito pelas autoridades de saúde (…) Quando se mandam fazer rastreios generalizados, mas depois os testes demoram muito tempo ou os inquéritos demoram mais tempo ainda e o problema das infeções já está noutro sítio que não aquele”, disse.

Por isso, Fernando Medina considera essencial encurtar os tempos dos resultados dos testes e inquéritos.

“É absolutamente essencial que os testes sejam efetuados de forma extremamente rápida. Entre o teste e o resultado ou a pessoa é protegida ou então o resultado tem de sair em muito pouco tempo. É essencial também que o tempo do inquérito seja concretizado no espaço de 12 horas máximo, que haja logo contacto com a pessoa que deu positivo e que haja uma determinação: saber quais foram as pessoas que tiveram em contacto”, disse.

O Governo decidiu na semana passada que Portugal vai estar, a partir de 1 julho, dividido em três níveis de alerta para fazer face à pandemia de Covid-19, passando a maior parte do país para situação de alerta, enquanto a Área Metropolitana de Lisboa para situação de contingência (nível intermédio) e 19 freguesias da AML mantêm o estado de calamidade.

Portugal contabiliza pelo menos 1.568 mortos associados à Covid-19, em 41.912 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Ler mais
Recomendadas

Covid-19: Apenas menos de 10% da população desenvolve anticorpos contra doença

“Analisando estes casos coletivamente, parece que menos de 10% das pessoas mostram evidências de terem sido infetadas. Então a maioria do mundo ainda é suscetível e todos os tipos de ações continuam a ser aplicadas para prevenir o contágio”, respondeu a especialista, numa ronda de perguntas de internautas nas redes sociais.

Ex-ministro da Saúde defende que é preciso “agir depressa” em relação a testes rápidos

“Eu creio que, neste momento, é preciso nesse domínio ser ágil e agir depressa”, defendeu Adalberto Campos Fernandes, que foi ministro da Saúde entre 2015 e 2018.

Reino Unido: Novas infeções por Covid-19 atingem número mais alto dos últimos quatro meses nas últimas 24 horas

Com 409.729 casos de Covid-19 registados no Reino Unido e, com o aumento substancial de novas infeções, as autoridades sanitárias britânicas confirmam que já está a atravessar a segunda onda da pandemia.
Comentários