Siza Vieira: “As empresas têm de enfrentar o desafio da transição digital”

O ministro da Economia defendeu que a transformação passará necessariamente por compreender como as alterações se refletem na forma “como nos relacionamos com os clientes, com os fornecedores, como comunicamos com os parceiros de negócios”.

O ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, disse esta terça-feira que os próximos anos serão de mudanças, às quais as empresas terão de se adaptar, necessitando de investir nos processos de transformação.

“Os próximos anos vão ser de mudança rápida. As empresas têm de enfrentar o desafio da transição digital”, disse num discurso no Congresso “Portugal: crescimento ou estagnação? A resposta está nas empresas”, organizado pela CIP – Confederação Empresarial de Portugal, no Estoril.

O ministro da Economia salientou que a transformação passará necessariamente por compreender como estas alterações se refletem na forma “como nos relacionamos com os clientes, com os fornecedores, como comunicamos com os parceiros de negócios”.

“Temos que enfrentar decididamente o desafio da economia circular e descarbonização. Todos os desafios vão impor às empresas fazerem investimentos significativos nos seus processos. São investimentos importantes num país que ainda carece de capital”, disse.

“Num país que sabe hoje que está mais dependente dos mercados externos e que há incertezas políticas que afetam perspetiva de negócio e que vão contraindo algumas decisões de investimento. Mas sabemos todos que se não fizermos os investimentos que a realidade nos exige, não vamos conseguir”.

Siza Vieira destacou ainda que o mundo do trabalho está a mudar, exigindo “uma grande colaboração com o mundo do trabalho, com as autoridades públicas” e de formatar os modelos corporativos, apelando a que as empresas “não se acanhem com as incertezas que possam surgir no mercado”.

Ler mais
Recomendadas

Deutsche Bank multado em mais de 130 milhões de euros após Epstein usar contas do banco para silenciar vítimas

De acordo com o “The New York Times”, o Deutsche Bank não fez “muitas perguntas” a Epstein para o ter como cliente. Nem mesmo quando foi observada a retirada de 100 mil dólares (88,6 mil euros) das contas do falecido multimilionário para “gorjetas e despesas domésticas”.

Lufthansa vai cortar mil empregos administrativos e reduzir novas aeronaves a metade

Como parte do plano de reestruturação, a companhia aérea anunciou que os cortes nos postos de trabalho vão incluir também os cargos administrativos e de gestão.

Crise no mercado de retalho deve ser pior do que crise de 2009

Quando a recuperação económica chegar, a publicação estima que esta seja lenta, uma vez que a maioria dos mercados afetados pela crise de 2008/2009 demorou perto de um ano até que as vendas retomassem a níveis pré-crise.
Comentários