Siza Vieira: “As empresas têm de enfrentar o desafio da transição digital”

O ministro da Economia defendeu que a transformação passará necessariamente por compreender como as alterações se refletem na forma “como nos relacionamos com os clientes, com os fornecedores, como comunicamos com os parceiros de negócios”.

O ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, disse esta terça-feira que os próximos anos serão de mudanças, às quais as empresas terão de se adaptar, necessitando de investir nos processos de transformação.

“Os próximos anos vão ser de mudança rápida. As empresas têm de enfrentar o desafio da transição digital”, disse num discurso no Congresso “Portugal: crescimento ou estagnação? A resposta está nas empresas”, organizado pela CIP – Confederação Empresarial de Portugal, no Estoril.

O ministro da Economia salientou que a transformação passará necessariamente por compreender como estas alterações se refletem na forma “como nos relacionamos com os clientes, com os fornecedores, como comunicamos com os parceiros de negócios”.

“Temos que enfrentar decididamente o desafio da economia circular e descarbonização. Todos os desafios vão impor às empresas fazerem investimentos significativos nos seus processos. São investimentos importantes num país que ainda carece de capital”, disse.

“Num país que sabe hoje que está mais dependente dos mercados externos e que há incertezas políticas que afetam perspetiva de negócio e que vão contraindo algumas decisões de investimento. Mas sabemos todos que se não fizermos os investimentos que a realidade nos exige, não vamos conseguir”.

Siza Vieira destacou ainda que o mundo do trabalho está a mudar, exigindo “uma grande colaboração com o mundo do trabalho, com as autoridades públicas” e de formatar os modelos corporativos, apelando a que as empresas “não se acanhem com as incertezas que possam surgir no mercado”.

Ler mais
Recomendadas

Lucros da banca sobem 133% em 29 anos, já o crédito a clientes subiu 862%

Desde 1990, verificou-se um aumento de concentração do sistema bancário português. Ao longo do período para o qual existe informação comparável, Portugal apresenta um nível de concentração superior ao da área do euro, o que poderá ser explicado pelo facto dos países mais pequenos tenderem a ter níveis de concentração mais elevados, explica o BdP.

Moody’s atribui ‘rating’ B2 com ‘outlook’ estável à TAP e ao empréstimo obrigacionista

Depois da Standard & Poor’s, é a vez da Moody’s iniciar a análise de ‘rating’ da companhia aérea nacional.

Moody’s atribui à dívida da TAP quinto nível de “lixo”

A agência de notação financeira norte-americana atribuiu o ‘rating’ “B2” à emissão de obrigações anunciada ontem.
Comentários