Sob pressão. 30% dos trabalhadores portugueses dizem que trabalham com prazos apertados

Numa altura em que muito se fala sobre o direito a desligar, quase 40% dos trabalhadores portugueses revelam que são contactados fora do horário de trabalho por motivos profissionais. Já os trabalhadores do setor financeiro e dos seguros são os que mais sentem pressão no trabalho.

Faça uma lista de tarefas realista

Pedir trabalho para ontem Quase 30% dos trabalhadores em Portugal dizem sentir pressão no trabalho, e que os prazos dados para cumprir tarefas são insuficientes. A conclusão é do Instituto Nacional de Estatística (INE) num inquérito realizado sobre a organização do trabalho.

“Cerca de 28,8% da população empregada afirma trabalhar sempre ou muitas vezes sob pressão de tempo, tendo de terminar tarefas e trabalhos ou tomar decisões dentro de prazos considerados insuficientes, o que se manifesta de forma semelhante por sexo (29,1% dos homens e 28,5% das mulheres)”, segundo o relatório do INE.

A percentagem de trabalhadores sob pressão é maior entre os que têm ensino superior (41,8%) e menor entre os que têm concluído o ensino básico, até ao terceiro ciclo (18,6%).

Os setores onde os trabalhadores mais sentem pressão é nas atividades financeiras e de seguros (52,3%).

O inquérito também quis saber se os trabalhadores portugueses são regularmente contactados fora do horário de trabalho. O INE concluiu que a maioria (55%) nunca foi contactado fora do horário de trabalho nos últimos dois meses.

Mas 13% foram contactados com “maior frequência com expetativa de diligências”. Já 6% dizem ter sido contactados com “maior frequência sem expetativa de diligências”, enquanto 20% dizem ter sido contactados uma ou duas vezes nos últimos dois meses.

Ler mais
Recomendadas

Deutsche Bank multado em mais de 130 milhões de euros após Epstein usar contas do banco para silenciar vítimas

De acordo com o “The New York Times”, o Deutsche Bank não fez “muitas perguntas” a Epstein para o ter como cliente. Nem mesmo quando foi observada a retirada de 100 mil dólares (88,6 mil euros) das contas do falecido multimilionário para “gorjetas e despesas domésticas”.

Lufthansa vai cortar mil empregos administrativos e reduzir novas aeronaves a metade

Como parte do plano de reestruturação, a companhia aérea anunciou que os cortes nos postos de trabalho vão incluir também os cargos administrativos e de gestão.

Crise no mercado de retalho deve ser pior do que crise de 2009

Quando a recuperação económica chegar, a publicação estima que esta seja lenta, uma vez que a maioria dos mercados afetados pela crise de 2008/2009 demorou perto de um ano até que as vendas retomassem a níveis pré-crise.
Comentários