Sociedade de advogados PRA contrata ex-CEO da Mercedes-Benz Portugal para diretor-geral

Pedro Braz reporta diretamente ao managing partner, Pedro Raposo, depois da aprovação de um novo modelo de ‘governance’ neste escritório.

A PRA-Raposo, Sá Miranda & Associados aprovou um novo modelo de governance que instituiu o cargo de diretor-geral na sociedade de advogados e, com este modelo, contratou o gestor Pedro Braz para a função.

O ex-CEO da Mercedes-Benz Portugal (1997 – 2008) e antigo managing director da Turiscar pretende prosseguir os objetivos estratégicos desta firma, sustentar o seu crescimento e alargar os seus associados, em colaboração com o conselho de administração da PRA, presidido por Pedro Raposo.

Fonte oficial da PRA explicou ao Jornal Económico (JE) que o diretor-geral, na dependência do board, reporta diretamente ao managing partner e tem a responsabilidade de “acompanhar toda a atividade da sociedade, assegurando os meios e o bom funcionamento dos recursos para o cumprimento do plano”, bem como auxiliar os departamentos de suporte.

A PRA está dividida em dez áreas de prática e tem escritórios em Lisboa, no Porto, no Algarve, em Leiria e em Ponta Delgada, onde se encontram mais de 140 profissionais.

Questionado pelo JE sobre o que motivou a aceitação deste cargo, Pedro Braz, referiu o potencial técnico e humano da PRA, a “orientação para crescer e consolidar-se como uma das melhores sociedades de advogados” e a “convicção de que a experiência e os conhecimentos de gestão noutras áreas de atividade podem ser um contributo para atingir os objetivos estratégicos e operacionais”.

O novo diretor-geral assegura que a firma tem o intuito de manter e garantir que a sua “intervenção na prática jurídica, como sociedade full-service, com elevada especialização nas diversas áreas de prática jurídica, seja realizada junto dos clientes de forma próxima e dedicada”.

Ler mais
Recomendadas

Fidelidade vai manter serviço de esclarecimento jurídico após críticas de advogados

O Conselho Regional da Ordem dos Advogados disse que a oferta era ilícita, mas a companhia de seguros considera a posição precipitada e esclarece que se insere “no âmbito da cobertura de proteção jurídica disponibilizada por inúmeras seguradoras, em Portugal e no estrangeiro, a milhões de clientes”.

Empresas em ‘lay-off’ têm de pagar duodécimos do subsídio de férias, explicam advogados

O regime de ‘lay-off’ estabelece que a compensação a pagar ao trabalhador corresponde a dois terços da “remuneração normal ilíquida”, mas a lei não define qual o conceito de “retribuição normal”, refere Gabriela Rei.

Fusões e aquisições desaceleraram no primeiro trimestre

Ainda assim, foram movimentados 3,2 mil milhões de euros, o que representa um aumento de 36% em relação ao mesmo período do ano passado.
Comentários