Sociedades-veículo do ex-BPN reduzem prejuízos em 58% em 2017 para 109 milhões

Os relatórios e contas da Parvalorem, Parups e Parparticipadas, aprovados pelo acionista em 27 de fevereiro, mostram uma recuperação nas contas das sociedades, que, em 2016, tinham apresentado resultados negativos agregados de 264,3 milhões de euros.

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

As sociedades-veículo criadas após a nacionalização do Banco Português de Negócios (BPN), para gerir ativos problemáticos, registaram, em 2017, prejuízos de 109 milhões de euros, uma melhoria de 58% face a 2016.

Os relatórios e contas da Parvalorem, Parups e Parparticipadas, aprovados pelo acionista em 27 de fevereiro, mostram uma recuperação nas contas das sociedades, que, em 2016, tinham apresentado resultados negativos agregados de 264,3 milhões de euros.

Os documentos, enviados à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), mostram uma situação melhor em 2017, ainda que com algumas dificuldades.

A Parvalorem, com prejuízos de 78,8 milhões de euros, registou uma evolução favorável de 58,5% em relação a 2016. “Para esta variação contribuiu essencialmente a rubrica de provisões e perdas por imparidade, com uma variação positiva de 104,4 milhões de euros, em resultado da reversão de algumas imparidades registadas em anos anteriores”, revelou a empresa.

A Parups, por sua vez, registou resultados líquidos negativos de 22,7 milhões de euros, melhores em 58,1% do que em 2016, com um Comportamento explicado pela melhoria verificada nos proveitos operacionais e pela redução nos custos operacionais.

Já a Parparticipadas obteve 7,5 milhões de euros em prejuízos, uma melhoria de 61%.

Entre os fatores que ajudaram as sociedades a registar uma melhor performance está a resolução do problema dos quadros de Joan Miró, que estavam nos balanços de duas das sociedades. Assim, a Parvalorem, que detinha 72 obras, recuperou 44,5 milhões de euros com a dação dos quadros e a Parups, com 13, conseguiu arrecadar 9,8 milhões de euros.

A Parvalorem e a Parups anunciaram hoje também a eleição de novos órgãos sociais para o triénio 2019-2021. A Parvalorem terá como presidente Sofia Brígida Correia dos Santos de Marçal Teixeira Furtado Torres e como vogais Filipe Carlos Mendes de Sousa (executivo) e Susana Cristina Vaz Velho Larisma (não executiva). A Parups elegeu os mesmos três gestores, só que na presidência fica Susana Cristina Vaz Velho Larisma e como vogais não executivos os restantes administradores.

O BPN foi nacionalizado em 2008, tendo sido a primeira nacionalização em Portugal depois de 1975.

Quatro anos depois de ter sido posto sob a gestão da Caixa Geral de Depósitos (CGD), o BPN foi vendido ao Banco BIC Português (que agora se chama EuroBic), entidade de capitais luso-angolanos, por 40 milhões de euros, enquanto outros ativos que pertenciam ao banco (nomeadamente ativos ‘tóxicos’) ficaram em sociedades criadas propositadamente para os absorver (Parvalorem, Parparticipadas e Parups).

 

Ler mais
Recomendadas

Lista secreta de devedores da banca deverá ser hoje divulgada de forma agregada, sem nomes e créditos individuais

Só deverão ser divulgados dados agregados, não individualizando devedores e respectivas operações dos sete bancos que receberam ajudas públicas nos últimos 12 anos. Valor total de créditos concedidos e valor agregado de perdas deverão ser hoje conhecidos.

Lone Star diz que Novo Banco quer reduzir para metade o rácio de malparado até 2020

O chairman do Novo Banco, Byron Haynes, deu uma entrevista à Reuters, onde diz que quer acelerar a redução do crédito malparado através de vendas e diz que há muito interesse nas duas carteiras que o banco tem atualmente no mercado. Referindo-se aos portfólios Nata 2 e ao Sertorius.

Citigroup aumenta lucros e supera estimativas dos analistas

O total de empréstimos do terceiro maior banco dos Estados Unidos teve um crescimento de 3%, para 617 mil milhões de euros, enquanto os depósitos aumentaram 5%, para perto de mil milhões de euros.
Comentários