Sociedades-veículo do ex-BPN reduzem prejuízos em 58% em 2017 para 109 milhões

Os relatórios e contas da Parvalorem, Parups e Parparticipadas, aprovados pelo acionista em 27 de fevereiro, mostram uma recuperação nas contas das sociedades, que, em 2016, tinham apresentado resultados negativos agregados de 264,3 milhões de euros.

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

As sociedades-veículo criadas após a nacionalização do Banco Português de Negócios (BPN), para gerir ativos problemáticos, registaram, em 2017, prejuízos de 109 milhões de euros, uma melhoria de 58% face a 2016.

Os relatórios e contas da Parvalorem, Parups e Parparticipadas, aprovados pelo acionista em 27 de fevereiro, mostram uma recuperação nas contas das sociedades, que, em 2016, tinham apresentado resultados negativos agregados de 264,3 milhões de euros.

Os documentos, enviados à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), mostram uma situação melhor em 2017, ainda que com algumas dificuldades.

A Parvalorem, com prejuízos de 78,8 milhões de euros, registou uma evolução favorável de 58,5% em relação a 2016. “Para esta variação contribuiu essencialmente a rubrica de provisões e perdas por imparidade, com uma variação positiva de 104,4 milhões de euros, em resultado da reversão de algumas imparidades registadas em anos anteriores”, revelou a empresa.

A Parups, por sua vez, registou resultados líquidos negativos de 22,7 milhões de euros, melhores em 58,1% do que em 2016, com um Comportamento explicado pela melhoria verificada nos proveitos operacionais e pela redução nos custos operacionais.

Já a Parparticipadas obteve 7,5 milhões de euros em prejuízos, uma melhoria de 61%.

Entre os fatores que ajudaram as sociedades a registar uma melhor performance está a resolução do problema dos quadros de Joan Miró, que estavam nos balanços de duas das sociedades. Assim, a Parvalorem, que detinha 72 obras, recuperou 44,5 milhões de euros com a dação dos quadros e a Parups, com 13, conseguiu arrecadar 9,8 milhões de euros.

A Parvalorem e a Parups anunciaram hoje também a eleição de novos órgãos sociais para o triénio 2019-2021. A Parvalorem terá como presidente Sofia Brígida Correia dos Santos de Marçal Teixeira Furtado Torres e como vogais Filipe Carlos Mendes de Sousa (executivo) e Susana Cristina Vaz Velho Larisma (não executiva). A Parups elegeu os mesmos três gestores, só que na presidência fica Susana Cristina Vaz Velho Larisma e como vogais não executivos os restantes administradores.

O BPN foi nacionalizado em 2008, tendo sido a primeira nacionalização em Portugal depois de 1975.

Quatro anos depois de ter sido posto sob a gestão da Caixa Geral de Depósitos (CGD), o BPN foi vendido ao Banco BIC Português (que agora se chama EuroBic), entidade de capitais luso-angolanos, por 40 milhões de euros, enquanto outros ativos que pertenciam ao banco (nomeadamente ativos ‘tóxicos’) ficaram em sociedades criadas propositadamente para os absorver (Parvalorem, Parparticipadas e Parups).

 

Ler mais
Recomendadas

Proposta sindical de aumentos salariais para a banca em 2019 nos 2,72%

No dia 16 de abril, o SNQTB, o SBN e o SIB enviaram a sua proposta negocial aos bancos que integram a mesa negocial da Associação Portuguesa de Bancos (APB).

CPI à Caixa: Lista de 12 a 15 novas audições é fechada hoje. Santos Ferreira e Faria de Oliveira já agendados

Nova fase de audições dá prioridade a antigos presidente da Caixa. Santos Ferreira, Faria de Oliveira e António de Sousa são as próximas personalidades a ser ouvidas, numa lista de novas audições que ficará hoje fechada e que contará com 12 a 15 personalidades entre político, clientes e antigos administradores. Ao nível de documentos, Parlamento insiste junto do Banco de Portugal  com relatório secreto sobre atuação do governador no caso BES.

Lesados do BES e Banif têm 30 dias para reclamar e poder vir a integrar solução

O trabalho dessas comissões nos próximos meses (150 dias corridos no caso do Banif e 120 dias no caso do BES) é avaliar se esses clientes (que têm de ser investidores não qualificados ou não profissionais) foram vítimas de práticas ilícitas na comercialização de instrumentos de dívida (obrigações, papel comercial, ações preferenciais).
Comentários