Société Générale compra negócio de ações e ‘commodities’ do Commerzbank

O valor da transação não foi revelado, mas banco francês refere que o negócio poderá trazer sinergias, enquanto o Commerzbank sublinha que faz parte da estratégia para reduzir os custos.

O banco francês Société Générale  informou esta terça-feira que chegou a um acordo com o Commerzbank para adquirir a divisão de mercados acionistas e commodities (EMC) do banco alemão. O valor do negócio não é revelado, embora o Commerzbank tenha informado que as receitas brutas da divisão alcançaram os 381 milhões de euros em 2017.

“Os negócios de Equity Markets do Société Générale e do Commerzbank complementam-se e apresentam um significativo potencial para sinergias. Esta aquisição pode reforçar as nossas atividade de Global Banking e Investor Solutions, em linha com o nosso plano estratégico 2016-2020″, explica o vice-presidente executivo do banco francês, Séverin Cabannes, responsável pelas atividades de Global Banking e Investor Solutions.

Em comunicado, os franceses especificam que o negócio inclui as áreas de produtos de investimento e gestão de ativos do Commerzbank a nivel global. Fora do acordo ficaram os negócios de corretagem de valores mobiliários e de matérias-primas.  As atividades na mira deste acordo localizam-se nas cidades de Frankfurt, Londres, Hong Kong, Paris, Luxemburgo e Zurique.

A transação está agora sujeita a avaliação e autorização dos reguladores e autoridades competentes.

Para o banco alemão, que ainda pertence parcialmente ao governo germânico, a venda desta divisão segue a “estratégia 4.0” que tem seguido um plano de reestruturação. De acordo com a CNBC, o Commerzbank espera com este negócio desinvestir em ativos não essenciais para conseguir levantar capital para a franquia principal do banco.

“Estamos a simplificar os nossos negócios, contribuindo para metas de redução de custos e, por isso, estamos a libertar capital para nosso benefício  com clientes privados e corporativos”, afirmou Martin Zielke, presidente-executivo do Commerzbank, citado pela CNBC.

 

 

Ler mais

Relacionadas

CEO do Deutsche Bank procura fusões e aquisições fora da Alemanha

Sewing rejeitou a hipótese de uma fusão com o rival alemão Commerzbank e afirmou estar mais interessado em M&A noutros países da Europa. Acrescentou, no entanto, que “neste momento” é “difícil” encontrar negócios comercialmente atrativos.

Deutsche Bank estará a estudar fusão com o Commerzbank

Paul Achleitner, presidente do conselho de supervisão do banco alemão, terá discutido o acordo entre os dois credores com investidores e importantes autoridades do governo alemão nos últimos meses.

Santander entre os potenciais compradores do banco polaco do Société Générale

Para além do Santander e do BCP, o Credit Agricole já havia sido apontado como interessado no Eurobank, avança a Reuters.

Italiano UniCredit e francesa Societé Generale estudam fusão

O UniCredit e a Societé Generale estão entre os maiores bancos da Europa, cada um com um valor de mercado de cerca de 32 mil milhões de euros.

BPI, CaixaBI, ING, Santander e Societe General lideraram emissão da NOS

A NOS foi ao mercado emitir 300 milhões de euros em dívida a cinco anos. A operadora pagou 1,175%, abaixo do inicialmente previsto (1,38%), devido à forte procura.
Recomendadas

Horta Osório não exclui voltar a Portugal nem possibilidade de trabalhar noutro sector que não bancário

Ao fim de 15 anos a liderar o banco britânico Lloyds, o gestor bancário admite considerar regressar a Portugal mas adverte que não irá desempenhar, obrigatoriamente, funções no setor da banca.

Ricardo Salgado vai ser acusado de liderar organização criminosa dentro do BES

O Ministério Público prepara-se para revelar o despacho de acusação do caso BES até dia 15. A investigação leva o MP a considerar a existência de uma organização criminosa liderada por Ricardo Salgado

António Domingues demite-se da vice-presidência do BFA

António Domingues escreveu uma carta ao Banco Nacional de Angola (BNA) a dar conhecimento dos motivos da sua demissão da vice-presidência da BFA.
Comentários