Sonae pretende colocar 25% do negócio do retalho em bolsa

A IPO será composta por uma oferta pública a investidores qualificados e não qualificados em Portugal, bem como uma oferta particular internacional a investidores institucionais, anunciou a retalhista.

A Sonae oficializou esta quarta-feira a intenção de proceder ao lançamento de oferta inicial e admissão à negociação em bolsa do negócio de retalho alimentar, Sonae MC, SGPS, num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). A Sonae MC explica que pretende colocar 25% do capital em bolsa.

“A Sonae MC pretende solicitar a admissão à negociação das ações na Euronext Lisbon e, sujeita às aprovações necessárias e condições de mercado favoráveis, é expectável que a admissão à negociação ocorra no último trimestre de 2018”, refere a empresa, em comunicado.

Anunciou esperar que a oferta pública inicial (IPO) seja uma exclusivamente secundária das ações existentes da sociedade, indiretamente, detidas pela Sonae SGPS (através da subsidiária, Sonaecenter Serviços, S.A.), “a qual pretende manter uma posição acionista maioritária na Sonae MC, tendo como objetivo atingir um free-float mínimo de aproximadamente 25%”, sublinhou.

A Sonae MC dá ainda outros pormenores sobre a operação: a IPO será composta por uma oferta pública a investidores qualificados e não qualificados em Portugal, bem como uma oferta particular internacional a certos investidores institucionais, incluindo a “investidores institucionais qualificados” nos Estados Unidos.

O Barclays, o BNP Paribas e o Deutsche Bank atuam como Joint Global Coordinators para o IPO e Joint Bookrunners para a Oferta Institucional juntamente com o Banco Santander, o CaixaBank BPI e o CaixaBI; o Haitong Bank, a JB Capital Markets e o Mediobanca atuam como co-lead managers.

O CaixaBI e o Millennium Investment Banking atuam como Joint Lead Managers e como Joint Bookrunners para a Oferta de Retalho. A Shearman & Sterling (London) LLP e a Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados atuam como assessores jurídicos da Sonae SGPS e da Sociedade. A Linklaters LLP atua como assessor jurídico dos Joint Global Coordinators, dos JointBookrunners e dos co-lead managers.

“Acreditamos que o IPO marca o início de uma nova e importante etapa na nossa história da Sonae MC e estamos ansiosos por alavancar as oportunidades de crescimento que temos pela frente”, disse Luís Moutinho, CEO da Sonae MC, no comunicado.

Ler mais
Relacionadas

Retalho da Sonae entra em bolsa até novembro

Numa apresentação enviada à CMVM, a Sonae garantiu que o “objetivo de rácio de pagamento de dividendos” é de 40% a 50% “do resultado líquido ajustado, após interesses minoritários”.

Às portas da bolsa, retalho pode render 900 milhões às caixas da Sonae

Aos poucos, a Sonae avança para a IPO do Continente. Há aspetos por definir – à cabeça o ‘timing’ -, mas a operação irá permitir investir, cortar dívida ou ganhar visibilidade para consolidação no futuro.

Retalho Alimentar: Sonae MC lidera setor em Portugal

A Sonae MC, que prepara a entrada em bolsa, reclama a liderança do setor do retalho alimentar em Portugal.
Recomendadas

PremiumAdvogados em palco na luta contra o cancro

A 26 de outubro, a Arena do Campo Pequeno, em Lisboa, recebe nove bandas em palco (e uma de juízes), com 14 escritórios envolvidos, no evento cujos donativos irão para a luta contra a leucemia.

PremiumUIA realiza em Portugal maior congresso da década

Porto vai receber 1.200 advogados. Lusofonia terá a maior representação na despedida da presidência de Pais de Almeida.

“Escolha da PGR foi mal tratada e criou dúvidas”, realça bastonário da Ordem dos Advogados

Guilherme Figueiredo foi o convidado do programa “Decisores”, que será emitido hoje no ‘site’ do JE, e defende que se os processos não correrem vai-se culpar Lucília Gago e não é justo.
Comentários