Sonae usa estagiários a 150 euros/mês para substituir trabalhadores, acusa sindicato

O Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP) denuncia que o grupo Sonae recorre a um programa do IEFP para utilizar estagiários do curso para técnico de logística, a troco de 150 euros mensais, mais a despesa com transportes.

O Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP) denuncia a existência de falsos estágios no armazém de Telheiras do grupo Sonae. Segundo o CESP, empresa recorre a formandos do o Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) para suprir necessidades permanentes.

“Jovens estagiários estão a ser utilizados para substituir trabalhadores em postos de trabalho permanentes no armazém da Sonae, em Telheiras. Tudo isto está a ser feito ao abrigo de um programa entre a Sonae o Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), através de cursos para Técnico de Logística com equivalência ao nível secundário”, revela o CESP em comunicado, publicado no seu site.

Segundo este sindicato, a cada estagiário oferece, a empresa oferece por um mês de trabalho efectivo 150 euros mais  o valor do passe. “Um grupo como a Sonae, que fala tanto em responsabilidade social, quando pretende estágios assim, está a aproveitar mão-de-obra barata. Deveriam estar a ser promovidos contratos de trabalho permanentes”, realça em comunicado.

Para o CESP trata-se de uma “situação perversa”, acrescentando que, neste caso, por se tratar de falsos estágios, se existe a necessidade de mais trabalhadores nos armazéns da Sonae deviam ser contratados mais trabalhadores.

“A Lei prevê contratos de trabalho para isso, é absolutamente inaceitável que se utilizem estágios para recrutar jovens para fazer estas tarefas”, frisa o sindicato do sector, dando ainda conta de que “um estagiário não pode desempenhar tarefas do funcionamento normal da empresa”.

O CESP defende ainda que é preciso perceber o enquadramento destes estágios junto da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) e do IEFP.

Ler mais

Recomendadas

Ministério da Agricultura antecipa pagamento dos fundos comunitários

O Ministério da Agricultura vai antecipa os pagamentos como forma de financiar o setor desde já. Entretanto, começou a apoiar os agricultores a escoarem os seus produtos nos mercados locais e lançou uma campanha destinada a promover o seu consumo.

A (outra) hora da Europa?

Ao longo do tempo, cada nação europeia pensou-se como “Europa que baste”, ou humanidade que baste, no pior dos casos. A identidade europeia foi sempre utopia, mas é raro as utopias serem inúteis.

Incentivos a fundo perdido e agilização de pagamentos. CIP apresenta plano extraordinário para apoiar economia

Numa carta enviada ao Governo e Presidente da República, a CIP sugere que as garantias do Estado sejam convertidas em incentivos a fundo perdido para as pequenas e médias empresas (PME), a agilização de pagamentos entre empresas e a revisão do regime de insolvências.
Comentários