Sondagem põe PS nos 40,4% e todos os outros partidos em queda menos Chega e Iniciativa Liberal

Marques Mendes revelou resultados da sondagem da Aximage para o “Jornal de Notícias”. Resultados colocariam PS na zona da maioria absoluta e mostram CDS reduzido a metade do resultado que levou à demissão de Assunção Cristas.

antonio_costa_legislativas_altis_2
Mário Cruz/Lusa

Uma sondagem da Aximage para o “Jornal de Notícias”, cujos resultados foram avançados por Marques Mendes no seu espaço de comentário no “Jornal da Noite da SIC”, mostra um reforço do PS, que obtém 40,4% de intenções de voto, mais 4,1 pontos percentuais do que conseguiu nas legislativas de 2019, nas quais ficou a apenas oito deputados da maioria absoluta.

As intenções de voto reveladas por Marques Mendes mostram que todos os outros partidos sofrem quebras em relação às legislativas à excepção do Chega, que surge com 5,2%, e da Iniciativa Liberal, que tem agora 2,1% de intenção de voto. Ambos tiveram 1,3% em 2019, o que só chegou para eleger os respetivos cabeças de lista por Lisboa: André Ventura e João Cotrim Figueiredo.

Em segundo lugar na sondagem da Aximage vem o PSD, com 26,7% (um ponto percentual abaixo do resultado que Rui Rio obteve nas legislativas), seguindo-se o Bloco de Esquerda, com 8,5% (também um ponto percentual abaixo), a CDU, com 6,0% (retirando três décimas ao seu pior resultado em legislativas).

Piores são os recuos do PAN – Pessoas, Animais, Natureza, que aparece na sondagem da Aximage com 2,6% (menos 0,7 pontos percentuais), e sobretudo do CDS, que obtém apenas 2,1% de intenções de voto, metade do resultado eleitoral que levou à demissão de Assunção Cristas. E que coloca os centristas como sétima força política, empatados com a Iniciativa Liberal.

Recomendadas

João Leão: OE2021 tem margem para aumentar apoio ao emprego

O ministro das Finanças afirmou que o Governo tem margem para aumentar as verbas destinadas ao apoio às políticas ativas de emprego se a pandemia se prolongar ou agravar no país.

Costa diz que Portugal tem um “plano muito claro” dos investimentos a realizar até 2030

António Costa encerrou a apresentação do Plano Nacional de Investimentos 2030, afirmando que o Governo está em condições de “poder dar execução” aos investimentos previstos. Metade da verba prevista para o PNI 2030 será para investimentos na ferrovia.

“Não queremos externalizar investimento público”. António Costa faz apelo a empresas de construção nacionais

“A indústria da construção tem vindo a fazer um esforço muito sério na renovação e na procura de mercados internacionais. É fundamental, e digo-o sem nenhuma lógica protecionista, que este forte esforço de investimento público não seja externalizado para outras empresas. Queremos fortalecer e muscular as nossas empresas de construção”, garantiu o primeiro-ministro.
Comentários