Sparkl foi uma das vencedores do Lisbon Challenge 2017

A Sparkl, a primeira plataforma portuguesa de serviços de beleza on demand, foi uma das três vencedoras do Lisbon Challenge 2017.

A startup ganhou 60 mil euros no total, o que faz com que passe a ser avaliada em 1 milhão de euros. O Lisbon Challenge é um programa de aceleração de startups, que ajuda durante 10 semanas as startups selecionadas a lançar os seus produtos de forma robusta e consistente.
Em setembro, a Sparkl foi uma das 10 startups selecionadas para o bootcamp entre 600 startups europeias. Pela primeira vez, este programa de aceleração investiu 10 mil euros à partida nas 10 startups selecionadas durante o bootcamp, a fase de pré-selecção para a entrada para o programa. Seguiu-se o período de aceleração, do qual saíram as 3 startups vencedoras, entre as quais a Sparkl.
Para Mariana Bettencourt, CEO e co-fundadora da Sparkl, “foi um período de grande aprendizagem em que testámos os nossos limites ao máximo. O programa proporcionou-nos contacto direto com outros empreendedores de startups em fases já bastante mais avançadas que partilharam connosco o seu know-how. A troca de conhecimento e partilha de aprendizagens é essencial para a sustentabilidade de qualquer startup. Isso aliado aos anos de experiência de trabalho que a nossa equipa tem, quer na área da beleza, gestão de marca e produto, quer em desenvolvimento tecnológico e design de user Experience, são ingredientes essenciais para o sucesso deste projeto. O programa ajudou-nos também a alavancar e a projetar o nosso negócio exponencialmente.  Agora podemos afirmar que temos tudo: além de uma equipa fenomenal, temos ambição e investimento para fazer crescer a empresa. Os nossos objetivos são crescer de forma sustentada e expandir o negócio a nível internacional ainda no final de 2018 e início de 2019
Recomendadas

Consórcio europeu lança curso online gratuito sobre inovação

O “Co-Innovation Journey for Startups and Corporates” inclui palestras, artigos informativos, questionários, discussões e atividades práticas. A Beta-i representa Portugal nesta iniciativa e criou ainda um ‘podcast’ para os tempos de crise.

Doinn, a startup que sente na pele a queda dos negócios do turismo e limpeza

“Estamos atentos às medidas de apoio anunciadas pelo Governo apesar de, até agora, não termos ficado impressionados com elas. Não nos adianta muito adiar as obrigações como IVA ou TSU para o segundo semestre se os respetivos pagamentos coincidirão com a época baixa”, disse ao Jornal Económico Weronika Figueiredo, cofundadora da empresa.

Startup com sede em Portugal chega à final do Free Electrons

A Tesselo combina a utilização de imagens de satélite e Inteligência Artificial para transmitir informações em tempo real sobre terrenos agrícolas ou infraestruturas.
Comentários