SPGM vai ajustar-se para se adaptar a uma economia mais verde

PGM que avaliam projetos das empresas que procuram financiamento porque “uma empresa que incorpora na sua atividade a circulabilidade na sua produção é uma empresa que contribui para a diminuição dos riscos ambientais e do seu próprio risco”, reforçou Beatriz Freitas no painel Sustentabilidade e Competitividade | Financiamento de novos projectos, que se realizou no âmbito da “da “Portugal Smart Cities Summit 2020”, organizada pela Fundação AIP e da qual o Jornal Económico é media partner

A SPGM — Sociedade de Investimento, entidade coordenadora de garantia mútua, terá de se ajustar no sentido de acompanhar a transição da economia para uma economia mais verde e mais limpa.

Beatriz Freitas, da SPGM — Sociedade de Investimento, frisou esta manhã, no painel Sustentabilidade e Competitividade | Financiamento de novos projectos, que se realizou no âmbito da “da “Portugal Smart Cities Summit 2020”, organizada pela Fundação AIP e da qual o Jornal Económico é media partner, que o papel para uma economia mais circular e mais limpa não se esgota nas empresas. Antes, envolve também a participação de outros agentes dos diferentes quadrantes da economia, como a SPG:

“Nós próprios temos de nos ajustar, temos de ser agentes deste movimento e concentrar os nossos esforços em criar produtos financeiros mais verdes e um financiamento mais sustentável, o que envolve uma grande mudança da nossa parte, desde os analistas que avaliam os projetos”, disse a responsável da SPGM.

A avaliação de critérios de sustentabilidade é cada vez mais relevante para os analistas da SPGM que avaliam projetos das empresas que procuram financiamento porque “uma empresa que incorpora na sua atividade a circulabilidade na sua produção é uma empresa que contribui para a diminuição dos riscos ambientais e do seu próprio risco”, reforçou Beatriz Freitas.

Pelo que vemos no sistema de garantia mútua e nos diversos apoios públicos prestados às empresas verificou-se que existia uma grande capacidade de adaptação das empresas a esta temática e a todos os produtos que envolvem questões ambientais.

A vertente social da sustentabilidade também não está esquecida pelo que a SPGM vai ter a breve trecho, dentro de três ou quatro meses, produtos especializados para o setor social, adiantou Beatriz Freitas.

A responsável afirmou também que se verificou “no sistema de garantia mútua e nos diversos apoios públicos prestados às empresas que existia uma grande capacidade de adaptação das empresas a esta temática e a todos os produtos que envolvem questões ambientais”.

Relacionadas

Matos Fernandes: “Ministério do Ambiente está muito bem preparado” para o Plano de Recuperação e Resiliência

O ministro do Ambiente e da Ação Climática disse que o seu ministério está pronto para receber os fundos europeus que serão canalizados para o Plano de Recuperação e Resiliência e colocou o território no centro das políticas futuras. Declarações foram proferidas esta manhã na sessão de abertura da “Portugal Smart Cities Summit 2020”, organizado pela Fundação AIP e da qual o Jornal Económico é media partner.

Como serão as cidades inteligentes? Assista em direto à ‘Portugal Smart Cities Summit 2020’

A ‘Portugal Smart Cities Summit 2020 decorre até 24 de setembro, no Centro de Congressos de Lisboa, e vai debater como serão as cidades inteligentes. O evento conta com o Jornal Económico como ‘media partner’ e é no site do JE e é na plataforma JE TV que pode saber tudo sobre esta cimeira.
Recomendadas

Instituições de ensino e formação procuram combinação virtuosa entre presencial e online

Na mesa redonda do JE sobre Os Desafios da Formação em Portugal, esta sexta-feira, Manuel Fontaine, diretor da Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica, e Jorge Conde, presidente do Politécnico de Coimbra, revelam como estão a preparar o próximo ano letivo. Jorge Lopes, diretor da Rumos Formação, diz ter a expectativa de que as empresas portuguesas voltem a investir em formação e a Rumos está preparada para responder.

Da sala de aula para o ensino a distância: três exemplos de adaptação em tempo recorde

Jorge Conde, presidente do Politécnico de Coimbra, Jorge Lopes, Diretor da Rumos Formação, e Manuel Fontaine, Diretor da Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica, contam como as suas instituições enfrentaram e venceram a pandemia da Covid-19. Foi esta sexta-feira, 30 de julho, na mesa redonda Os Desafios da Formação em Portugal, promovida pelo Jornal Económico.

Quais são os desafios da formação em Portugal? Veja a conferência do JE esta sexta-feira a partir das 12h

A mesa-redonda sobre “Os Desafios da Formação em Portugal” será transmitida através da plataforma multimédia JE TV, no site do JE, e das contas do JE nas principais redes sociais, a partir das 12h00, e prolonga o trabalho feito no “Quem é Quem do Sector da Formação em Portugal”, distribuído com a última edição do Jornal Económico.
Comentários