Sporting precisa de arranjar 50 milhões até junho para honrar compromissos

O clube de Alvalade precisa de uma injeção de liquidez, para poder continuar a hornar todos os seus compromissos com investidores, funcionários e fornecedores, sabe o Jornal Económico.

Rodrigo Antunes/Lusa

O Sporting está a tentar assegurar 50 milhões de euros até ao mês de junho, para poder continuar a honrar todos os seus compromissos.

Os ‘leões’ contrataram a ’boutique’ financeira Stormharbour para levantar 175 milhões de euros junto de investidores institucionais, oferecendo como colateral os créditos do contrato de direitos televisivos e de publicidade que mantem com a NOS, apurou o Jornal Económico.

Para já o clube de Alvade necessita de uma injeção de 50 milhões de euros, para poder honrar os seus compromissos com funcionários, fornecedores e investidores, sabe o nosso jornal. Fontes ligadas a este processo, acreditam que o presidente Frederico Varandas, possa terminar as negociações com investidores institucionais internacionais até ao próximo mês de março, embora o cenário seja complexo.

Contactada pelo Jornal Económico, fonte oficial do emblema verde e branco, não quis fazer comentários, posição idêntica tomada pela Stormharbour.

Esta sexta-feira a direção do Sporting dará uma conferência de imprensa, onde irá fazer um balanço dos primeiros meses de mandato, sendo que o tema da reestruturação financeira deverá ser abordado, bem como o recente livro do antigo presidente Bruno de Carvalho, “Sem Filtro”, no qual faz várias críticas a Frederico Varandas.

Leia mais na nova edição do Jornal Económico que chegou às bancas esta sexta-feira.

Ler mais
Recomendadas

F1. Eleven Sports diz ter ganho mais subscritores com cobertura “sem precedentes” do Grande Prémio de Portugal

“O regresso da F1 a Portugal foi absolutamente histórico e não podíamos estar mais gratos por ter feito parte deste acontecimento. Apesar das normas impostas pela pandemia, que foram de facto desafiantes, preparámos uma operação sem precedentes”, contou gestor da Eleven Sports Portugal ao JE.

Arsène Wenger alerta: criação da Superliga europeia “destruirá a Premier League”

Quando questionado sobre se a criação da superliga europeia é uma decisão empresarial, Wenger responde que “atualmente vivemos um período onde os donos do clube são também eles investidores, ou seja, o principal objetivo deles é fazer dinheiro, e a superliga é uma maneira de o fazer”.

‘Pay per view’ da Premier League não convence adeptos e rende apenas cinco milhões de euros

Nenhum dos nove encontros excedeu os 100 mil espectadores, sendo que três destes ficaram a baixo da média mínima pretendida de 10 mil espectadores. Face aos números registados e, sem a expectativa que estes aumentem significativamente, a PL é forçada a repensar o custo por jogo, como forma de alcançar uma maior audiência durante o próximo mês.
Comentários