Standard Chartered Bank deu crédito de 400 milhões para investir em Angola em 2018

Quatrocentos milhões de euros é o montante disponibilizado, em 2018, pelo Standard Chartered Bank, para financiar projetos de investimentos na economia angolana, informou o administrador executivo, Albert Asante.

 

Quatrocentos milhões de euros é o montante disponibilizado, em 2018, pelo Standard Chartered Bank, para financiar projetos de investimentos na economia angolana, informou o administrador executivo, Albert Asante.

Os financiamentos destinaram-se a projetos como o aproveitamento hidroelétrico de Laúca, que beneficiou de 300 milhões de euros, à construção de infra-estruturas da Saúde e à importação de equipamentos agrícolas de algumas empresas – orçamentados em 100 milhões de euros.

O gestor prestou essa informação no final de um evento denominado Belt Road, Faixa de Roda, em português, de iniciativa do governo chinês, que visa mostrar a todos potenciais clientes, empresas que queiram fazer negócios em Angola, a disponibilidade do banco em apoiar em qualquer uma das formas de relacionamento com o banco.dinheiro

Foi associada a esta iniciativa uma corrida pedestre de trabalhadores nacionais e oito estrangeiros, provenientes de diversos países, a propósito. É uma atividade que envolve cerca de 44 países que realizam a corrida e a divulgam.

A iniciativa Belt Road visa ainda conectar África, Europa, Médio Oriente e América em torno de desenvolvimento de infraestruturas de transportes e de telecomunicações, envolvendo o fluxo de capital do Standard Chartered Bank a nível global. Esta instituição tem capacidade dar suporte às empresas que queiram participar desta iniciativa do governo chinês.

O Standard Chartered Bank está sediado em Londres, na Inglaterra, mas tem representações em quase todo mundo. Em Angola iniciou a sua atividade em 2014, empregando pelo menos 34 trabalhadores, sendo 98% nacionais.

Ler mais
Recomendadas

António Simões sai do banco britânico HSBC depois de quebra nos lucros de 53%

O gestor português que liderava a banca privada chegou a ser apontado à liderança do HSBC, mas acabou por sair no âmbito da reestruturação que provocou o despedimento de 35 mil pessoas.

Julius Baer envolvido em casos de corrupção com a PVDSA e FIFA

“Os procedimentos, agora concluídos, descobriram que o Julius Baer incumpriu com as obrigações relativas ao combate ao branqueamento de capitais e com o seu dever de pôr em prática políticas de gestão de risco apropriadas, o que constitui uma infração grave da lei dos mercados financeiros”, frisou, o supervisor financeiro suíço, a FINMA

Banco central chinês reduz taxa de juros para aliviar impacto económico do surto

Os credores chineses reduziram esta quinta-feira a taxa de juros base em 0,1 ponto percentual, numa altura em que o país enfrenta o surto do coronavírus Covid-19, que levou ao encerramento de vários negócios.
Comentários