Standard & Poor’s sobe perspetiva do ‘rating’ de Portugal

A agência manteve a notação inalterada, mas subiu a perspetiva. “Esperamos que a economia portuguesa cresça perto de 2% anualmente até 2021, com o défice a melhorar até 0,4% do PIB em 2020, de 0,7% este ano”, disse a agência, num relatório.

A Standard & Poor’s subiu o ‘outlook’ para a dívida soberana portuguesa para ‘positivo’ de ‘estável’ e reiterou a notação de ‘BBB-‘.

“Esperamos que a economia portuguesa cresça perto de 2% anualmente até 2021, com o défice a melhorar até 0,4% do PIB em 2020, de 0,7% este ano, disse a agência, num relatório.

“A desalavancagem deverá prosseguir à medida que o investimento direto substitui a dívida externa, enquanto esperamos que as exportações representem 50% do PIB em 2021″, acrescentou.

” A perspetiva positiva reflete a possibilidade de um upgrade se a desalavancagem privada e pública avançarem ao nível das melhorias na estabilidade financeira”, acrescentou.

A S&P salientou que poderia melhorar a notação de Portugal se a economia continuar a desalavancar externamente ao nível atual de 3 a 5% do PIB por ano, “um processo que poderia reduzir o stock de dívida externa líquida, que permanece alta”.

Surpresa sem sequela: nova subida do ‘rating’ pela S&P é pouco provável, dizem analistas

Ler mais
Recomendadas

Prepare a carteira. Vem aí (mais) um aumento nos combustíveis

A partir de segunda-feira, os combustíveis ficam novamente mais caros. Aumento é maior na gasolina, tanto nas cadeias de marca branca, como nas principais gasolineiras.

Caixa Geral está a vender Mercedes para atingir metas da recapitalização

Campanha de crédito “imbatível” está a chegar por email a clientes. Banco justifica com metas “extremamente exigentes”. E diz que não está a promover o endividamento, pois clientes acederiam na mesma a outras opções de financiamento do mercado.

Insolvência: o que é? como funciona? e quais são as obrigações do devedor?

Muitos são os consumidores que recorrem ao processo de insolvência como a última oportunidade de reequilíbrio da sua vida financeira, nomeadamente quando o valor das dívidas ultrapassa largamente o património/rendimentos que possuem não sendo possível cumprir com o seu pagamento
Comentários