Standard & Poor’s sobe perspetiva do ‘rating’ de Portugal

A agência manteve a notação inalterada, mas subiu a perspetiva. “Esperamos que a economia portuguesa cresça perto de 2% anualmente até 2021, com o défice a melhorar até 0,4% do PIB em 2020, de 0,7% este ano”, disse a agência, num relatório.

Ler mais

A Standard & Poor’s subiu o ‘outlook’ para a dívida soberana portuguesa para ‘positivo’ de ‘estável’ e reiterou a notação de ‘BBB-‘.

“Esperamos que a economia portuguesa cresça perto de 2% anualmente até 2021, com o défice a melhorar até 0,4% do PIB em 2020, de 0,7% este ano, disse a agência, num relatório.

“A desalavancagem deverá prosseguir à medida que o investimento direto substitui a dívida externa, enquanto esperamos que as exportações representem 50% do PIB em 2021″, acrescentou.

” A perspetiva positiva reflete a possibilidade de um upgrade se a desalavancagem privada e pública avançarem ao nível das melhorias na estabilidade financeira”, acrescentou.

A S&P salientou que poderia melhorar a notação de Portugal se a economia continuar a desalavancar externamente ao nível atual de 3 a 5% do PIB por ano, “um processo que poderia reduzir o stock de dívida externa líquida, que permanece alta”.

Surpresa sem sequela: nova subida do ‘rating’ pela S&P é pouco provável, dizem analistas

Recomendadas

Novo código dos contratos públicos vai “destruir engenharia portuguesa”, diz associação do setor

Em causa está “o preço mais baixo como principal (ou mesmo único) critério de avaliação de propostas” para serviços de engenharia de obras públicas previsto no novo Código que entrou em vigor em janeiro, diz a Associação Portuguesa de Projetistas e Consultores.

Lei ‘Uber’: PS não vai pedir fiscalização sucessiva da constitucionalidade

“É preciso primeiro perceber quais são as consequências que esta lei pode ter, de facto, no setor”, o que só poderá acontecer depois de ela entrar em vigor, explicou o deputado Carlos Pereira após uma reunião com representantes do setor do táxi.

Brexit obriga Tusk a marcar cimeira extraordinária em novembro

Presidente do Conselho Europeu esclareceu haver propostas da primeira-ministra britânica, Theresa May, que “precisam de ser trabalhadas e mais negociadas”
Comentários