Standard & Poor’s sobe perspetiva do ‘rating’ de Portugal

A agência manteve a notação inalterada, mas subiu a perspetiva. “Esperamos que a economia portuguesa cresça perto de 2% anualmente até 2021, com o défice a melhorar até 0,4% do PIB em 2020, de 0,7% este ano”, disse a agência, num relatório.

A Standard & Poor’s subiu o ‘outlook’ para a dívida soberana portuguesa para ‘positivo’ de ‘estável’ e reiterou a notação de ‘BBB-‘.

“Esperamos que a economia portuguesa cresça perto de 2% anualmente até 2021, com o défice a melhorar até 0,4% do PIB em 2020, de 0,7% este ano, disse a agência, num relatório.

“A desalavancagem deverá prosseguir à medida que o investimento direto substitui a dívida externa, enquanto esperamos que as exportações representem 50% do PIB em 2021″, acrescentou.

” A perspetiva positiva reflete a possibilidade de um upgrade se a desalavancagem privada e pública avançarem ao nível das melhorias na estabilidade financeira”, acrescentou.

A S&P salientou que poderia melhorar a notação de Portugal se a economia continuar a desalavancar externamente ao nível atual de 3 a 5% do PIB por ano, “um processo que poderia reduzir o stock de dívida externa líquida, que permanece alta”.

Surpresa sem sequela: nova subida do ‘rating’ pela S&P é pouco provável, dizem analistas

Ler mais
Recomendadas

Ministro afirma que salário mínimo de 600 euros em 2019 “é ponto de partida”

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, falava à saída da reunião da Concertação Social, em Lisboa, onde começou esta tarde a ser discutido o aumento do salário mínimo nacional para 2019. Atualmente é de 580 euros.

Economia terá expandido 2,2% no terceiro trimestre, com procura externa a provocar abrandamento

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulga os números do PIB esta quarta-feira às 11 horas, e a confirmar-se a previsão, será uma ligeira desaceleração face à expansão homóloga de 2,3% no trimestre anterior. Em cadeia, ou seja, face ao segundo trimestre, a estimativa média aponta para os 0,5%.

Fundo para investigar desaparecimento de Madeleine McCann reforçado com mais 167 mil euros

Financiamento será direcionado para os próximos seis meses de investigação, ou seja, até 31 de março do próximo ano. Até hoje, e passados 11 anos do desaparecido de Madeleine McCann, a Operação Grange custou 11,6 milhões de libras (mais de 12 milhões de euros).
Comentários