Stanley Fischer fez duas previsões: se Trump for reeleito, a Fed terá novo presidente e os EUA serão do “terceiro mundo”

Ex-governador do Banco de Israel e ex-vice da Fed durante a administração de Obama, Stanley Fischer disse que o atual presidente da Reserva Federal norte-americana tem os dias contados se Donald Trump for reeleito. E, nesse caso, existe a probabilidade de os EUA se tornarem num país do ‘terceiro mundo’.

“Ter a lei do nosso lado num momento crucial não é suficiente para garantir a independência de um banco central”, revelou Stanley Fischer, que foi governador do Banco de Israel entre 2005 e 2013 e vice-presidente da Reserva Federal norte-americana (Fed) durante a presidência de Obama.

Por “momento crucial”, Fischer referia-se à administração Trump que, segundo considerou, pode colocar em causa a independência do banco central norte-americano. “A Fed é um banco central independente, no sentido em que o governo não pode dar ordens sobre medidas de política monetária”, explicou.

No entanto, o ex-vice presidente da Fed reconheceu que “até recentemente, os presidentes percebiam que isto [a independência da Fed] era algo que exigia cuidado”.

A independência do banco central adquire particular relevância quando se pensa que o seu presidente é nomeado para um mandato de quatro anos – e é neste ponto que reside o maior medo de Stanley Fischer. O presidente da Fed é nomeado pelo presidente dos Estados Unidos e depois confirmado pelo Congresso.

“Se o presidente [Trump] for reeleito, a Fed teria outro presidente”, anteviu Stanley Fischer, repetindo o que dissera este domingo, em Israel, à Bloomberg. “Se Trump for reeleito, não nomeará Jerome Powell para um novo mandato à frente da Fed”, noticiou aquele órgão de comunicação.

Em consequência, Fischer apontou uma “política monetária muito diferente” da que tem vindo a ser seguida pelo banco central norte-americano. “As pessoas vão perguntar-se se as medidas de liquidez que foram tomadas na última crise financeira serão tomadas novamente”, frisou. É que, segundo o ex-governador do Banco de Israel, “não existe base legal que diga que essas medidas de liquidez constituem um instrumento permanente do sistema”.

EUA, um país do terceiro do mundo se Trump for reeleito

Fischer terminou o seu discurso com uma “última preocupação”. O Congresso aprovou a limitação dos empréstimos que a Fed pode conceder aos bancos que estão em dificuldades financeiras ou que estão próximos do colapso. “A Fed tem agora muito menos liberdade do que tinha para conceder estes empréstimos”, disse.

Situação que, na próxima crise, poderá reduzir o campo de atuação do banco central norte-americano. Ainda assim, Fischer disse que conhece pessoas “na Fed que dizem que quando chegar a próxima crise, o governo não terá coragem de não dar o dinheiro que pedirmos”. “Grande frase”, reconheceu Stanley Fischer, “mas este governo tem tido muita coragem para fazer coisas que os outros governos nunca fizeram”.

Assim, “há que introduzir um nível de incerteza na forma como se vai lidar com a próxima crise e não é uma boa ideia” pensar que, se a próxima crise acontecer enquanto Trump for presidente, a Fed não terá mesmo margem manobra reduzida para lidar com bancos em dificuldades.

“Durante um almoço, no início da administração Trump, um professor disse-me que a única preocupação que tinha era a reeleição de Donald Trump, porque tornar-nos-emos num país do terceiro mundo”, contou Fischer. “Difícil de acreditar, mas devido ao facto como o governo está a ser gerido, é algo que se deverá considerar com alguma probabilidade”, frisou.

 

Ler mais
Relacionadas

Draghi responde a Trump: “Não visámos as taxas de câmbio”

O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, respondeu a Donald Trump e explicou que “não visou as taxas de câmbio”. Além disso, a continuação da incerteza é uma materialização do risco e foi isso que levou Draghi a falar em novos estímulos para a economia da zona euro.

Trump contra Draghi: Mais estímulos do BCE dariam “vantagem injusta” à Europa 

O Presidente norte-americano, Donald Trump, considerou hoje que uma nova descida das taxas de juro do Banco Central Europeu (BCE), hipótese admitida pelo presidente da instituição, daria uma “vantagem injusta” à União Europeia face aos Estados Unidos.

Draghi pronto a lançar novos estímulos adicionais se riscos não atenuarem

Entre os instrumentos que podem ser utilizados pelo BCE, Mario Draghi salientou “a política de mais cortes nas taxas de juro”, assim como” medidas que permitam conter externalidades”.
Recomendadas

Irão nega EUA e diz que não foi o autor do ataque às instalações de petróleo sauditas

O ataque já foi reivindicado pelo grupo Houthi, do Iémen e que é pró-Irão. A Guarda Revolucionária iraniana diz-se pronta para a guerra e que as bases norte-americanas e porta-aviões estão a dois mil quilómetros de distância.

Itália: novo governo permite desembarque de imigrantes

O novo governo instalado em Roma rompeu com as medidas rígidas contra a imigração promovidas por Matteo Salvini, antigo vice-primeiro-ministro e ministro do Interior.

Trump acena com acordo de defesa e ajuda Netanyahu

O presidente norte-americano tenta a impulsionar a candidatura de Benjamin Netanyahu a mais um mandato como primeiro-ministro israelita. Um possível acordo de defesa é o mote.
Comentários