PremiumStartup de criptomoedas criada por português prestes a tornar-se banco nos EUA

O empreendedor Diogo Mónica prevê mais do que duplicar a equipa de engenharia no escritório do Porto e angariar financiamento de pelo menos mais 90 milhões de euros no próximo ano.

A startup luso-americana Anchorage prepara-se para se tornar na segunda empresa de criptomoedas a converter-se num banco nos Estados Unidos, depois da Kraken. Fundada em 2017 por Diogo Mónica e Nathan McCauley, a fintech faz custódia (proteção) de ativos digitais para ajudar as instituições financeiras a proteger investimentos e pertence à associação por detrás da Libra do Facebook – que entretanto mudou de nome para Diem. A empresa tem sede na Califórnia e escritórios em Dakota do Sul, Nova Iorque e Porto, para onde vai recrutar mais de uma dezena de engenheiros no próximo ano, segundo o presidente, um notório apaixonado pelos desafios de cibersegurança nos pagamentos.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Circulação entre concelhos proibida ao fim de semana. Lojas fecham às 20h durante a semana e às 13h ao sábado e domingo

António Costa anunciou hoje as medidas aprovadas pelo Governo para endurecer o atual Estado de Emergência.

Proibida a venda ao postigo de todo o tipo de bebidas nos cafés

O Conselho de Ministros esteve hoje reunido para aprovar novas medidas no âmbito do Estado de Emergência.

CIP pede “confinamentos mais racionais e inteligentes”

A Confederação Empresarial de Portugal quer mais testes à Covid-19 e o reforço da oferta de transportes públicos “para evitar a aglomeração das pessoas”. Esmagadora maioria das empresas portuguesas disse à confederação patronal que os apoios do Estado estão aquém das necessidades.
Comentários