Startup portuguesa no ‘top 5’ dos projetos mais inovadores na Europa

A startup nacional TWEVO destacou-se entre mais de 650 candidaturas oriundas de toda a Europa.

A TWEVO, uma startup nacional integra o ‘top 5’ dos projetos mais inovadores do SME Instrument, destacando-se das mais de 650 candidaturas oriundas de toda a Europa.
Com esta distinção, a TWEVO conseguiu um financiamento de 50 mil euros por parte do SME Instrument.
“A TWEVO utilizará, agora, o financiamento do SME Instrument para efetuar uma avaliação ao mercado europeu e, nesse contexto, obter ‘feedback’ sobre o potencial do seu produto”, explica um comunicado da responsabilidade da ‘startup’.
“A oferta da TWEVO consiste no ‘REVOsdr’, um ‘modem’ que minimiza a probabilidade de um ‘drone’ ficar sem controlo ou ser ‘hackeado’, proporcionando proteção extra aos dados de comando transmitidos”, explica o comunicado da empresa.
Esse mesmo documento destaca que “a possibilidade de manter a ligação ‘wireless’ durante mais tempo e por distâncias maiores, assim como a capacidade de lidar com ‘jamming’ intencional ou decorrente de outros equipamentos rádio, são mesmo as características mais diferenciadoras do projeto.
O SME Instrument é parte integrante do Conselho Europeu de Inovação (EIC) e apoia empresários, empresas e cientistas através de oportunidades de financiamento e serviços de aceleração.
Assente na ideia que a inovação melhora a produtividade e a competitividade, gera novos postos de trabalho e conduz a padrões de vida mais elevados, o SME Instrument seleciona os projetos mais disruptivos de PME de toda a Europa.
Para Bernd Reichert, diretor da Agência Europeia para PME, “trata-se da Liga dos Campeões das empresas”.
A TWEVO é uma ‘startup’ portuguesa que foi fundada por dois investigadores do Instituto de Telecomunicações, Carlos Ribeiro e Mónica Figueiredo.
Este ano, o financiamento do SME Instrument à TWEVO foi avaliado por um painel de especialistas internacionais em tecnologia, negócios e finanças.
Refira-se que esta não é a primeira distinção conquistada pela TWEVO. Em 2016, a ‘startup’ reconhecida pelo programa de empreendedorismo Carnegie Mellon Portugal Entrepreneurship in Residence (inRes).
Esse galardão levou a ‘startup’ aos EUA, com o objetivo de validar as necessidades do mercado e desenvolver um produto com maior valor acrescentado.
Recomendadas

Fundos ESG ainda têm muito espaço para crescer em Portugal

No ano passado, a maioria das subscrições de fundos ESG foram feitas por pessoas singulares (99,2%), segundo os dados da CMVM, que mostram que as subscrições líquidas se revelaram nos quatro últimos anos, apesar de 2020 ter apresentado uma diminuição de 75% face a 2019.

Eletricidade. Desde 2009 que o valor da dívida tarifária não era tão baixo

A dívida vai afundar mil milhões em 2022, a maior descida registada desde 2008.

“Apoios de nove milhões foram cruciais para minimizar prejuízos”, revela presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto

“Esses apoios foram cruciais para, de alguma forma, minimizar aquilo que poderiam ser os prejuízos dos agricultores na venda das suas uvas”, revela Gilberto Igrejas. “Foram nove milhões de euros, na Região Demarcada do Douro, muito importantes para que o tecido produtivo não tivesse quebras superiores”, assegura o presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP), na edição do podcast “Conversas com Norte” que irá para o ar na próxima segunda-feira.
Comentários