Startup portuguesa Springkode lança-se nas roupas para homem

A plataforma ligada à indústria têxtil disponibilizou novas coleções online. O próximo passo são os acessórios.

A empresa de e-commerce portuguesa Springkode começou este verão a comercializar roupa masculina e prepara-se para disponibilizar acessórios para compra online. O ‘saco de compras’ conta com t-shirts, camisas, casacos, sweaters, calções, gravatas, lenços e laços para homem, produzidos nas fábricas parceiras António Manuel de Sousa, Marfel e Cotton Paradise.

startup ligada à indústria têxtil, de design e produção nacional, nasceu com financiamento próprio em abril de 2018 e tem como expectativas de investimento de cerca de 1,1 milhões de euros até ao breakeven. “As fábricas portuguesas têm imensa qualidade, estão próximas e acessíveis, mas as pessoas não se relacionam com elas. Queremos mudar esse comportamento e mostrar que é possível comprar moda de qualidade, exclusiva, sustentável e a preços acessíveis”, afirma Reinaldo Moreira, general manager da Springkode.

A loja online refere que tem como missão fazer a ponte entre fábricas têxteis portuguesas, que produzem peças para algumas das maiores marcas de luxo internacionais, e o cliente final. Entre o portefólio estão ainda confeções da Lagofra e da TIVA, que são feitas com os tecidos e malhas de luxo excedentes das grandes marcas de moda mundiais.

“Preocupamo-nos em oferecer criações exclusivas que não vai encontrar noutro lugar. Nós só fazemos até 50 peças de cada uma, para que nunca encontre alguém com a mesma roupa novamente. Das mesmas equipas de design e produção que atendem aos compradores profissionais das mais luxuosas e exigentes produtoras de moda”, defende a empresa nacional.

 

Recomendadas

Covid-19: Carris aumenta oferta nos dias úteis

A Carris – Transportes Públicos de Lisboa vai aumentar a oferta nos dias úteis, a partir de segunda-feira, nas carreiras onde se tem verificado uma maior procura, na sequência da pandemia de covid-19, foi hoje anunciado.

Banco de Portugal salienta que as moratórias públicas ou privadas devem ser tratadas da mesma forma

O Banco de Portugal destaca que a segundo esclareceu a EBA, as moratórias, de iniciativa pública ou privada, devem ser tratadas da mesma forma, desde que tenham um propósito e caraterísticas semelhantes. “A EBA definirá, em breve, quais os critérios a observar para o efeito”, diz a entidade de supervisão.

Oxford Economics estima recessão de 2,2% na zona euro e estagnação mundial

“A pandemia do novo coronavírus vai infligir uma profunda recessão na economia mundial, e em muitas das principais economias, durante a primeira metade deste ano”, lê-se numa nota enviada aos investidores, e a que a Lusa teve acesso, na qual se prevê que a zona euro caia 2,2%, os Estados Unidos 0,2% e a China cresça apenas 1%.
Comentários