Startups angariam mais de 100 mil euros e começam hoje a entregar máscaras e óculos aos hospitais

Hospital de Santa Maria e Garcia de Orta, em Lisboa, e Hospital de São João, no Porto, irão receber os primeiros materiais de proteção comprados com o dinheiro angariado. Agora, a campanha “Stop Covid-19” quer atingir os 185 mil euros, para garantir as encomendas é necessário que o objetivo seja cumprido em menos de 48 horas.

Máscaras, luvas, ventiladores e óculos e fatos de proteção são os materiais que chegarão aos hospitais públicos portugueses porque mais de 3 mil pessoas contribuíram para a campanha de angariação de fundos “Stop Covid-19”, no âmbito do movimento de solidariedade “tech4COVID19”.

Através desta campanha, gerida pela fintech portuguesa Go Parity, três unidades hospitalares das cidades de Lisboa e Porto (Hospital de Santa Maria, Garcia de Orta e São João) irão receber ainda esta quarta-feira equipamentos materiais de que necessitam diariamente para evitar a propagação da pandemia.

A organização disse ao Jornal Económico que as primeiras encomendas (58 mil máscaras FFP2 e mais de 2 mil óculos de proteção, no valor total de 97.500 euros) estão a caminho de Portugal e, à medida que chegarem, serão encaminhados aos hospitais do Serviço Nacional de Saúde.

Depois de terem sido doados 100 mil euros (a meta inicial), o objetivo passa agora por arrecadar 185 mil euros. Mas há um “senão”: para garantir as encomendas é necessário que o objetivo seja cumprido em menos de 48 horas. “Esta angariação é apenas parte do processo total em marcha, havendo já mais de 10 iniciativas a decorrer. Há uma equipa especialmente dedicada à procura do equipamento disponível e levantamento de necessidades, que serão feitos em articulação com as entidades nacionais de saúde”, explicam as 250 startups e multinacionais por trás deste movimento.

Uma conversa entre alguns fundadores de startups portuguesas resultou num movimento que reúne 137 empresas. Chama-se “tech4COVID19” e visa encontrar, em grupo, soluções tecnológicas que ajudem a população a ultrapassar esta pandemia, que em Portugal tem 331 casos confirmados. Ao ecossistema empreendedor nacional uniram-se retalhistas, consultoras, associações e até petrolíferas, que estão a apresentar as suas iniciativas diariamente.

No total estão cerca de 2.000 pessoas a trabalhar em projetos tecnológicos que já estão em curso. A ideia é que essas iniciativas possam, por exemplo, melhorar o rastreamento de redes de contágio, facilitar videochamadas entre médicos e doentes ou criar um chatbot e uma rede de suporte tanto para médicos e enfermeiros que estejam deslocados ou como para os cidadãos que precisem de ir ao supermercado ou farmácia.

Ler mais
Recomendadas

Empresa portuguesa desenvolve equipamento para criar quartos de pressão negativa

Tecnologia permite transformar quartos convencionais em quartos de pressão negativa para tratar doentes infectocontagiosos, bem como fazer a purificação do ar eliminando assim os vírus e bactérias e prevenindo a contaminação.

Santander Totta vai passar a pagar aos fornecedores a pronto pagamento

“Esta medida reforça o conjunto de outras que o Santander tem vindo a implementar para apoiar a economia e minimizar os impactos negativos provocados pela Covid-19, com especial foco na tesouraria e liquidez dos seus clientes”, referiu o Santander Totta.

Efacec vai para lay-off durante 30 dias a partir de 6 de abril

A empresa diz que o lay-off será aplicado “transversalmente a todos os níveis da organização”, tanto na modalidade de suspensão de contrato, como da redução temporária do horário de trabalho.
Comentários