Startups dão consultas médicas gratuitas

Better Now, Knok Healthcare e Zaask pertencem ao movimento “tech4COVID19” e estão a trabalhar com médicos voluntários para aliviar o SNS.

As startups Better Now, Knok Healthcare e Zaask – que pertencem ao movimento “tech4COVID19” – desenvolveram soluções tecnológicas e estão a disponibilizar consultas médicas gratuitas com médicos voluntários.

O objetivo deste trio de pequenas empresas é aliviar o trabalho do Sistema Nacional de Saúde (SNS) e dar mais incentivos a que os cidadãos se mantenham em casa, mesmo que tenham alguns sintomas, porque podem curar-se sem se deslocarem fisicamente às unidades de saúde.

A BetterNow, a Knok Healthcare e a Zaask criaram plataformas e aplicações móveis (disponíveis para sistemas iOS e Android) que permitem realizar consultas médicas através de videochamada. No caso da Zaask, que contou com o apoio da Visor.ai, há um chatbot onde os utentes podem fazer uma primeira triagem e despistar eventuais casos do novo coronavírus (Covid-19) e se houver suspeitas de infeção passam para a videocall com os especialistas.

Depois dos milhares de portugueses que optaram pelo teletrabalho, estes empreendedores dedicaram-se a melhorar os serviços de telemedicina e estão de braços abertos para mais profissionais de saúde que se queiram juntar aos projetos.

 

Recomendadas

Moderna admite que será necessária uma terceira dose da vacina ainda este ano

A farmacêutica, cuja vacina contra a covid-19 é administrada em duas doses intervaladas, tem em estudo uma terceira dose de reforço, que foi dada, na quantidade de 50 microgramas, a um grupo de pessoas seis meses depois de terem recebido a segunda dose.

Farmacêutica Moderna passa de prejuízos a lucros superiores a 2 mil milhões de dólares

As encomendas da vacina contra a Covid-19 impulsionaram as receitas semestrais para a farmacêutica. Depois dos prejuízos em 2020, a Moderna regista agora lucros superiores a dois mil milhões de dólares.

Vacina da Moderna mostrou 94% de eficácia seis meses depois da toma da segunda dose

O valor revela uma alteração ligeira em relação à eficácia de 94% reportada depois ensaio clínico original. Os dados agora divulgados comparam favoravelmente em relação aos resultados obtidos na semana passada pela farmacêutica Pfizer/ BioNTech.
Comentários