Startups dão consultas médicas gratuitas

Better Now, Knok Healthcare e Zaask pertencem ao movimento “tech4COVID19” e estão a trabalhar com médicos voluntários para aliviar o SNS.

As startups Better Now, Knok Healthcare e Zaask – que pertencem ao movimento “tech4COVID19” – desenvolveram soluções tecnológicas e estão a disponibilizar consultas médicas gratuitas com médicos voluntários.

O objetivo deste trio de pequenas empresas é aliviar o trabalho do Sistema Nacional de Saúde (SNS) e dar mais incentivos a que os cidadãos se mantenham em casa, mesmo que tenham alguns sintomas, porque podem curar-se sem se deslocarem fisicamente às unidades de saúde.

A BetterNow, a Knok Healthcare e a Zaask criaram plataformas e aplicações móveis (disponíveis para sistemas iOS e Android) que permitem realizar consultas médicas através de videochamada. No caso da Zaask, que contou com o apoio da Visor.ai, há um chatbot onde os utentes podem fazer uma primeira triagem e despistar eventuais casos do novo coronavírus (Covid-19) e se houver suspeitas de infeção passam para a videocall com os especialistas.

Depois dos milhares de portugueses que optaram pelo teletrabalho, estes empreendedores dedicaram-se a melhorar os serviços de telemedicina e estão de braços abertos para mais profissionais de saúde que se queiram juntar aos projetos.

 

Recomendadas

Acompanhe em direto a conferência de imprensa da DGS

A Direção-Geral da Saúde atualiza diariamente os dados relativamente ao número de infetados com o novo coronavírus em Portugal. Assista aqui às explicações da autoridade nacional de saúde e do Governo.

Despesa corrente em saúde aumentou em 2018 e 2019, diz o INE

De acordo com os resultados da Conta Satélite da Saúde do INE, na base 2016, o crescimento nominal da despesa corrente em saúde nesses anos foi superior ao do PIB mais 1,3 pontos percentuais (p.p.).

Presidente da Iniciativa Liberal diz que “poderes políticos puseram conscientemente em causa a vida das pessoas por motivos ideológicos”

João Cotrim Figueiredo disse que “não houve ninguém do PS para a esquerda que tivesse a hombridade” de reconhecer que a contratação de consultas de especialidade e de cirurgias aos hospitais privados era uma forma de evitar uma segunda crise de saúde pública “escondida por debaixo da Covid-19”.
Comentários