Startups dão consultas médicas gratuitas

Better Now, Knok Healthcare e Zaask pertencem ao movimento “tech4COVID19” e estão a trabalhar com médicos voluntários para aliviar o SNS.

As startups Better Now, Knok Healthcare e Zaask – que pertencem ao movimento “tech4COVID19” – desenvolveram soluções tecnológicas e estão a disponibilizar consultas médicas gratuitas com médicos voluntários.

O objetivo deste trio de pequenas empresas é aliviar o trabalho do Sistema Nacional de Saúde (SNS) e dar mais incentivos a que os cidadãos se mantenham em casa, mesmo que tenham alguns sintomas, porque podem curar-se sem se deslocarem fisicamente às unidades de saúde.

A BetterNow, a Knok Healthcare e a Zaask criaram plataformas e aplicações móveis (disponíveis para sistemas iOS e Android) que permitem realizar consultas médicas através de videochamada. No caso da Zaask, que contou com o apoio da Visor.ai, há um chatbot onde os utentes podem fazer uma primeira triagem e despistar eventuais casos do novo coronavírus (Covid-19) e se houver suspeitas de infeção passam para a videocall com os especialistas.

Depois dos milhares de portugueses que optaram pelo teletrabalho, estes empreendedores dedicaram-se a melhorar os serviços de telemedicina e estão de braços abertos para mais profissionais de saúde que se queiram juntar aos projetos.

 

Recomendadas

Análise sobre mutações da Ómicron podem fornecer pistas sobre a sua origem

Os cientistas do Instituto de Doenças Infeciosas e Medicina Molecular da Universidade da Cidade do Cabo têm três hipóteses sobre como a Ómicron surgiu, uma delas é a possibilidade de ter surgido num animal.

Criadora de vacina anti-Covid avisa que futuras pandemias podem ser mais letais (com áudio)

Relativamente à Ómicron, a cientista ressalva que até existir mais informação as pessoas devem ser “cautelosas e tomar medidas para desacelerar a disseminação desta nova variante”.

Governo volta a travar descida abrupta do preço dos medicamentos (com áudio)

Segundo a portaria do Governo, citada pelo “Jornal de Notícias”, ficou igualmente estabelecido que os fármacos mais baratos, com custo máximo de 15 euros não vão estar sujeitos a qualquer descida. 
Comentários