Startups dão consultas médicas gratuitas

Better Now, Knok Healthcare e Zaask pertencem ao movimento “tech4COVID19” e estão a trabalhar com médicos voluntários para aliviar o SNS.

As startups Better Now, Knok Healthcare e Zaask – que pertencem ao movimento “tech4COVID19” – desenvolveram soluções tecnológicas e estão a disponibilizar consultas médicas gratuitas com médicos voluntários.

O objetivo deste trio de pequenas empresas é aliviar o trabalho do Sistema Nacional de Saúde (SNS) e dar mais incentivos a que os cidadãos se mantenham em casa, mesmo que tenham alguns sintomas, porque podem curar-se sem se deslocarem fisicamente às unidades de saúde.

A BetterNow, a Knok Healthcare e a Zaask criaram plataformas e aplicações móveis (disponíveis para sistemas iOS e Android) que permitem realizar consultas médicas através de videochamada. No caso da Zaask, que contou com o apoio da Visor.ai, há um chatbot onde os utentes podem fazer uma primeira triagem e despistar eventuais casos do novo coronavírus (Covid-19) e se houver suspeitas de infeção passam para a videocall com os especialistas.

Depois dos milhares de portugueses que optaram pelo teletrabalho, estes empreendedores dedicaram-se a melhorar os serviços de telemedicina e estão de braços abertos para mais profissionais de saúde que se queiram juntar aos projetos.

 

Recomendadas

UTAD dá primeiro passo para o curso de Medicina

A Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro assinou um protocolo com o Centro Hospitalar para a criação de um Centro Académico Clínico. Na forja está o curso de Medicina. O ministro do Ensino Superior garante apoio ao projeto.

Covid-19: Açores sobem para 304 casos ativos com 40 novas infeções em São Miguel

Os Açores contam hoje 304 casos ativos, depois de terem sido diagnosticados 40 novos casos de covid-19, todos em São Miguel, e de não se registarem recuperações, adianta a Autoridade de Saúde Regional.

Premium“Pandemia estimulou inovação de todo o sector da saúde”

Sónia Ferreira Santos, responsável pela área de saúde na Accenture Portugal, explica ao JE como a pandemia acelerou a inovação no sector. Novas formas de acompanhamento do doente vieram para ficar. Estratégias das organizações de saúde vão mudar.
Comentários